Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A irrelevância do Chega

por Jose Miguel Roque Martins, em 27.01.21

Muito se tem falado do Chega e da destruição que traz ao espaço não socialista. Para ganhar as eleições “à direita”, só há dois caminhos: ou a próxima bancarrota, ou existir um líder, com um projecto e com uma coligação, que não inclua o Chega. Seria impossível convencer os mais ao centro com o Chega, que com um projecto ganhador, esvazia o protesto e desaparece. 

Em qualquer destes cenários, o Chega não atrapalha. Para mais do mesmo, é indiferente mais um partido radical, mesmo que com expressão.

No entretanto, até poderá ajudar a arrumar a direita. Enquanto em estereofonia com a esquerda radical que manda, ajudar ao próximo desastre, que é mais ou menos inevitável.  A próxima crise é também uma hipótese de esperança. E se não for, desisto.

PS: Os mais atentos à história podem lembrar.se que os NAZIS, à época, também foram considerados com o que hoje parece condescendência. Mas nem o Chega é o partido nacional socialista, nem André Ventura é Hitler, nem o século XXI é o século XX, nem Portugal é a Alemanha.



10 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 13:08

Falou aí de um líder com um projecto à Direita. Quando chegar esse líder, com um pensamento estruturado, capaz de magnetizar o país e de agregar toda a direita, capaz de nos arrancar desta paralisia, nesse dia renasce a esperança. A razão da existência do Chega desaparece, porque se dissolveriam os motivos de protesto que ele representa. 
Conhecemos bem quem é esse líder capaz de ser a alternativa que desejamos, capaz de  se opor a esta feroz ideologia marxisma e às agendas destruidoras do politicamente correcto e  às causas fracturantes do gramscianismo cultural que nos estão a desfigurar como sociedade e com a qual a maioria não se identifica enquanto entidade antropológica, sociológica e histórica.
Desenganem-se aqueles que pretendem transformar este país num produto cultural da agenda desses disfuncionais " baralhados de género" neo-marxistas, porque  continuarão a ver crescer o Chega! 
Anda tudo a analisar as causas do crescimento do Chega, quando as têm mesmo debaixo do nariz. Mas alguém normal e saudável da cabeça quer que as escolas sejam antros de lavagem ao cérebro dos seus filhos e de desorganização de valores?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 15:58

Só teremos um futuro e um país "descripado" de facto, quando vier um líder que diga  "com    muita   clareza" que é capaz de nos devolver o Tempo da Normalidade e de nos restituir a decência que este país perdeu há muito. 
Com sinais muito simples. Comece por dizer:


- que vai retirar dos programas escolares certos  temas fracturantes  / assuntos polémicos que são da inteira competência dos pais e encarregados de educação; 
- que  "aconselhe" a que não se estropie a História de Portugal, mas se ensine com objectividade, verdade e isenção - sem ideologias - nas escolas ;

- uma imprensa LIVRE e não esta, servil, subserviente e obediente à voz do dono ;
- que "desaconselhe" e diga que é má ideia certos insultos que não se encaixam nos portugueses, antes nos ofendem na nossa identidade, mas que simultaneamente acolha e integre TODOS por igual, sem quaisquer diferenças, sem nenhum tipo de segregação ou perseguição. Apenas como regra universal o mútuo respeito entre todos;
- que agilize e dê condições objectivas materiais (verbas) para o bom funciona,ento da Justiça, forneça todos os meios e tenha medidas claríssimas para que se investigue e combata a corrupção ;
- que dê primazia ao mérito e à competência e faça escolhas entre os melhores, sem aqueles "fervores" partidários de protecção dos amigalhaços e compinchas  que nos trouxeram esta incompetência, impreparação aflitiva e mediocridade atroz  que têm afundado o país em corrupção, negociatas sem vergonha, tráfico de influência, nepotismos, compadrios, abusos de poder, etc. etc.......
- que aplique BEM os dinheiros públicos (que são nossos e dos nossos impostos e do nosso trabalho) ;
- que  prometa fazer-nos sair deste atraso e retirar-nos deste buraco negro que nos sugou ;  que siga outros modelos económicos, outras fórmulas de desenvolvimento e de progresso  que traga riqueza ao país, guiando-se pelas melhores práticas experimentadas noutros países europeus e com resultados à vista ;
- um líder que prometa deixar-nos  em paz! que nos deixe ser livres, de se imiscuir na nossa vida, de manipular dizendo-nos como falar, o que comer, o que ver e ouvir, como pensar, em que acreditar... 
- que faça desaparecer para todo o sempre "estes-que-lá-estão" a ponto de, um dia, os recordarmos já esfumados num tempo distante de má memória.


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 16:47

Esse líder que sabemos, terá que ter (novamente) a mesma resiliência e a mesma determinação que demonstrou entre 2011-2015  porque vai ter de suportar as novas "grandoladas" que virão (já se sabe!).
São assim os donos disto do tudo. Quando abocanham é um caso sério para  largarem...
Imagem de perfil

De Olympus Mons a 27.01.2021 às 13:16

Jose Miguel.. que análise mais errada do fenómeno...


talvez aqui faça mais sentido para si.:
https://barradeferro.blogs.sapo.pt/mapa-da-verdade-85417



Quem não entende isto, não entende NADA!!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 14:31

Caro, 
O futuro a Deus pertence....
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 27.01.2021 às 17:46

Só falta chamar cobardolas a André Ventura por ter chegado tarde para dar colaboração na enorme pantomina instalada.  
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 18:43

"um projecto  com uma coligação, que não inclua o Chega. Seria impossível convencer os mais ao centro com o Chega"



 Tome nota do seguinte:
"pas d'ennemis à droite".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 18:48

Total concordância com o comentário das 15.58.
Creio  que o Chega, se utilizar essa linguagem clara , directa e VERDADEIRA , terá um enorme potencial de crescimento   -    basta olhar para a percentagem de abstencionistas.
Terá, igualmente , de aguentar e vencer a permanente, e sórdida, campanha de terrorismo semântico, falsidades e calúnias ( jornalixo escrito e televisionado) que o acompanhará , em crescendo, até às próximas eleições.
Repito : a resposta está nos abstencionistas.
JSP
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2021 às 21:43

O A.Ventura tem de abandonar rapidamente aquela linguagem e tom arruaceiros que lhe estragam completamente a imagem e até a credibilidade. Fica-lhe mal! A falta de educação inferiorizam sempre, colocam a pessoa em desvantagem. A boa educação e a cordialidade desarmam qualquer adversário (ele devia pensar bem nisso). 
Pode e deve continuar a fazer oposição (pelos vistos foi o único!) mas tem de o fazer civilizadamente, com galhardia mas comedidamente. Só lucra, pois ao refrear os ímpetos mostra autocontrolo que é sinónimo de prudência e de ponderação. Um líder tem um certo "gravitas", é sempre moderado, pensa antes de falar e de agir e por isso as suas opiniões são sempre ...  respeitadas.


Tem igualmente de abandonar "com urgência" aquela fixação nos pobres ciganos e outros disparates do género desnecessários, que não lhe ficam bem, além de que Humanisno se conjuga melhor com a sua fé católica, que ele  tanto invoca. E depois há tanto para onde olhar no país! Se continuar assim (mais do mesmo) sujeita-se a que digam que é monotemático, que não tem ideias nem programa. 


Depois de ter alcançado estes resultados, tem de tirar ilacções e consequências e passar rapidamente a outro nível, mais exigente, alcançando a fase seguinte, a da maturidade e da reflexão. (Isto se quiser crescer, se quiser sobreviver e ter longevidade). A fase anterior provavelmente foi necessária, chamou a atenção, colocou o partido no "palco", apontou o dedo, denunciou e protestou. Fez muito. Incomodou o status quo. Agitou imenso. Isso foi o básico, a 1ª fase mas só isso não "chega"!  Não pode dormir à sombra da bananeira dos resultados.  Se quiser ter relevância, dimensão, não pode permitir-se ficar reduzido a partido de protesto apenas.  A.Ventura apesar de jovem, demonstrou potencial de que é capaz de fazer melhor.


 Aguardam-se IDEIAS e medidas concretas, espessura, pensamento estruturado, um programa credível, um rumo. Que se prepare  - b e m-  se quer crescer, conquistar respeitailidade e deixar de ser um proscrito. 
 Ser levado a sério  é do seu interesse e sobretudo é fundamental no espectro da direita. Com modéstia e pensando 1º no país não pode deitar 
tudo a perder inebriado com os louros dos resultados _ "Si no, no!" 
Sem imagem de perfil

De João Brandão a 27.01.2021 às 21:46

Mais uma croniqueta ao estilo da 'direitela lagbt', apenas para dizer  mal do Chega e de A Ventura.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Ouvi há pouco na sicN pelas 20h :26m (é uma interv...

  • Elvimonte

    O negacionismo da sazonalidade de todos os coronav...

  • Marques Aarão

    Com este circo montado deixou de haver palhaços sé...

  • henrique pereira dos santos

    Não, são os países europeus com maior incidência r...

  • Anónimo

    Caro Henrique,Permita-me que o informe que deixou ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D