Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A estratégia do medo

por henrique pereira dos santos, em 04.03.24

Já aqui citei uma editorialista do Público nesta pérola sobre Passos e a invencionice da sua suposta xenofobia: "o ex-primeiro-ministro continua a ser fiel à mesma estratégia: instigar o medo, e o medo mais básico, como o medo do outro".

Ontem, por acaso, li um comentário de um amigo meu, amigo da vida real, não diria que é amigo de casa, mas reconhecemo-nos como amigos com diferenças acentuadas, que é de uma esquerda mais inorgânica, mas não menos solidamente esquerdista, a propósito do mesmo assunto e da responsabilidade dos políticos em relação a isso: "os políticos não podem ignorar [as percepções do público], mas quando lhes põem um microfone na boca podem ir à raiz do problema e debater como combater as sensações e produzir políticas públicas pró ativas ou podem aproveitar para agitar mais as "sensações" e aumentar as percepções do medo e da insegurança. Estes últimos se calhar estão a trabalhar para aumentar a faturação dos mercados da segurança?"

O que tem mais graça nesta história é que a generalidade da esquerda, que agora se sente bem representada neste argumento deste meu amigo sobre o que disse Passos Coelho (e, no caso, Ricardo Reis no seu artigo do Expresso desta semana) ter passado mais de quatro anos, entre o fim de 2010 e o fim de 2015, a falar da espiral recessiva, do facto da austeridade apenas poder gerar mais austeridade, no inevitável segundo resgate, e etc., como se pode ver nesta capa do Público de 28 de Setembro de 2013.

11001608_1043995075617919_1736513668207534767_o.jp

Não se pense que era um caso isolado, isto era o quotidiano dos jornais e dos meios de esquerda (perdoem-me o pleonasmo), que inclui uma outra capa do Público que também reproduzo frequentemente sobre uma estupidez de uma jornalista do Público fazer umas contas idiotas sobre a previsão do défice, com base num estudo do FMI, para dizer que o FMI dizia que o défice português ia ser muito mais alto que foi.

Aliás, no dia seguinte, dia 24 de Setembro, a mesma jornalista (Isabel Arriaga e Cunha, correspondente em Bruxelas do Público na altura), voltava à carga:

"Governo junta-se a Bruxelas e nega "negociações" para segundo resgate a Portugal

...

O comunicado diz ainda que o Executivo, formado pela coligação PSD-CDS, “lamenta” a notícia publicada este sábado pelo PÚBLICO, dizendo que esta não tem “fundamento”, mostrando o seu desagrado por ter sido publicada “enquanto estão em curso a oitava e nonas avaliações do PAEF e o país se encontra em dia de reflexão eleitoral.

Esta manhã, também a Comissão Europeia negou peremptoriamente que já esteja a trabalhar num novo resgate a Portugal, garantindo que o cenário de um novo pacote de ajuda financeira não está em cima da mesa, “nem parcialmente nem de qualquer outra forma”.

...

Segundo a notícia do PÚBLICO, a eventualidade de Portugal precisar de um segundo resgate para assegurar o seu financiamento é agora vista em Bruxelas como o cenário provável e que já está "parcialmente na mesa".

"Muito provável", "praticamente inevitável" e mesmo "largamente inevitável" foi a avaliação feita ao PÚBLICO por várias fontes envolvidas no actual programa de assistência financeira a Portugal. No centro desta convicção está a constatação de que muito dificilmente Portugal reconquistará a confiança dos investidores para voltar a obter nos mercados o financiamento necessário ao funcionamento do Estado a partir do fim do actual programa de ajuda, em Junho de 2014.

O PÚBLICO não escreveu que decorriam "negociações" em Bruxelas, mas sim que há "trabalho" a ser feito sobre a possibilidade de um segundo resgate."

Independentemente da falta de honestidade do Público, com rodriguinhos semânticos para evitar ter de dizer que a manchete do dia anterior (e respectiva notícia), era uma mentira que a jornalista assentava em fontes anónimas (numa clara violação das regras da sua profissão), o que interessa agora é que esta instigação do medo foi permanente durante o tempo de intervenção da troica e nos oito anos seguintes de governação do PS, sendo ainda hoje a trave mestra da campanha dos partidos de esquerda para as próximas eleições.

Costa ganhou as últimas eleições com uma maioria absoluta que muita gente de esquerda acredita que resultou do medo do Chega e da direita em geral, e portanto carregam nas cores ao falar das ameaças que a direita carrega consigo.

Eu, por acaso, acho isso um disparate, o PS teve uma maioria absoluta porque as pessoas se fartaram do jogo duplo do BE e do PC e, no lado da oposição, estava Rui Rio e anos de oposição à Rui Rio, isto é, de uma oposição que pretendeu negar Passos e o trabalho do seu governo, como Pedro negou Jesus por três vezes antes do galo cantar.

Que agora invoquem uma suposta ilegitimidade da adopção de estratégias de medo é uma ironia deliciosa cujos resultados veremos no dia 10.

Parece que vai estar de chuva no dia 10, os profissionais de sondagens vão explicar que isso altera os dados da abstenção e é tecnicamente muito difícil lidar com a abstenção quando se fazem sondagens, o que é potenciado pela elevada quantidade de indecisos que ainda existem e que ninguém sabe como votam (excepto Carmo Afonso que já demonstrou que são todos de esquerda).


16 comentários

Sem imagem de perfil

De cela.e.sela a 04.03.2024 às 10:40

« Aí vem o bicho-papão, 1799 | Francisco de Goya» nos Caprichos


O Diabo Atrás da Porta: Contos Assombrados e de Espanto

Ninguém sente medo de si nem de seus pensamentos íntimos, das recordações que
»» não poderia compartilhar, do seu lado oculto no fundo de um sótão, segredos tão bem guardados que certamente morrerão consigo. Estes contos são ligados pela intangível linha do tempo: O Passado imutável, o Futuro desconhecido e o Presente sem esperanças. Os personagens são fantasmas em suas próprias vidas, produzindo o medo do que virá e atormentados pelas lembranças do que já viveram»





Sem imagem de perfil

De lucklucky a 05.03.2024 às 10:32

Diabos atrás da porta do Publico ou a Estratégia do Medo do Publico:


- Aquecimento Global, "alterações climáticas"
- COVID
- Governos de Direita na Europa, Israel, Japão, Coreia do Sul, Brasil etc..
- Republicanos nos EUA
- Armas quando não estão nas mãos da esquerda. Se forem rockets do Hamas está tudo bem.
- Manifestações da Direita não violentas.
- Austeridade
etc etc..
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.03.2024 às 14:55

O medo foi a ferramente de Passos, da toica e do seu governo para conseguirem levar a cabo um programa de desvalorização de salários, alavancado no desemprego.
Provavelmente a notícia do Público não foi soprada pela oposição, mas pelas "fontes bem informadas afetas ao governo" do custume.
Convém relembrar que Passos falhou todos os indicadores que foram sempre avançando:
O défice era sempre maior que o esperado, o desemprego maior que o esperado, o investimento estrangeiro que vinha com as novas leis laborais e a descida dos salários não veio, a dívida não parou de subir durante os seus governos, as medidas de austeridade nunca foram suficientes. Do ponto de vista económico a política de Passos é uma demonstração de como não fazer.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 04.03.2024 às 15:54

Aparentemente nunca lhe ocorreu qual era o problema: não havia dinheiro e o Estado ia entrar em ruptura financeira.
Mas se até hoje não percebeu que o problema era este, é natural que não perceba nada do que está a dizer.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.03.2024 às 12:19

Não me estou a referir a ter dinheiro. Estou a referir-me a todos as metas propostas nos orçamentos falharem. Estou a falar de alguém que se apresentou a votos dizendo que conhecia a solução e que fez um orçamento que nem três meses durou, teve logo que o emendar. A partir daí não conseguiu levar um orçamento até ao fim.
Sem imagem de perfil

De RR a 04.03.2024 às 20:17

Foi realmente pena não se ter chegado a Junho de 2010 sem acordo com os representantes dos credores internacionais. Teria sido uma lição muito importante para funcionários, pensionistas e avençados do Estado em geral. Chegarem a Junho e não haver dinheiro. Logo no mês do subsídio de férias...
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 04.03.2024 às 22:08

Realmente devia ter sido um problema enorme ter chegado a Junho de 2010 sem acordo com os representantes dos credores internacionais. Foi isso que aconteceu com a Grécia, não foi? Lembro-me que eles estavam piores que nós até que começaram a reivindicar os saques da 2ª guerra mundial. Depois já não ouvi mais nada, esquisito...
Imagem de perfil

De O apartidário a 04.03.2024 às 18:26

Consta que (com ou sem chuva no domingo) o "partido" da abstenção tem a vitória certa mais uma vez. Outra curiosidade é o facto de muitos ainda acreditarem que o voto em branco ou nulo faz alguma diferença no resultado final. 
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 05.03.2024 às 14:14

Faz diferença só no sentido de que deixam de votar em algum partido(logo pode ter grande importância no resultado final e no número de deputados de cada partido) , tal como acontece com os abstencionistas. Pode-se imaginar qual seria o resultado se pelo menos metade desses todos (os que votam branco ou nulo e os abstencionistas) votassem num partido . 
Sem imagem de perfil

De anónimo a 05.03.2024 às 08:17


Em qualquer dos casos é dar a alguém um cheque em branco e que actuará de forma incontrolável. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.03.2024 às 09:03

Todos estes anos tem sido muito fácil aos socialistas passarem a maior mentira do século sobre o que aconteceu durante o período de resgate. Houve de tudo nesses anos difíceis: quedas e insucessos, caímos e levantámo-nos, várias vezes recuámos e avançámos. mas por fim também nos superámos com uma saída "limpa". ( herdou-se um défice de 11% e reduziu-se para uns aceitáveis 3%).

 À época os portugueses tinham a memória intacta, ainda fresca, de terem vivido uma experiência traumática, mas sabiam  as "causas" que tinham levado o país ao pedido de uma "intervenção" externa. Compreenderam o "motivo" de tudo o que era exigido ao país. No fim puderam respirar de alívio. (Haja em vista as notícias que nos chegavam diariamente da Grécia que teve de pedir um 2º resgate do qual só saiu ao fim de 8 anos!!!) 


Depois de tudo, a direita somou créditos e tornou-se uma força convincente, confiável  aos olhos dos portugueses.
E é aqui que surge o busilis: 
 Desde o momento que a direita teve o reconhecimento dos portugueses,  passou a representar uma verdadeira ameaça para a esquerda. Este "estorvo" tinha de ser removido, custasse o que custasse: Para tal tinha de haver um bode expiatório para o fracasso do socialismo. Arranjou-se então  o «cliché» _que dura até hoje_ do papão da direita!


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.03.2024 às 09:06

(continuação)
Começa, então, um plano conjunto de "mata-mata" de toda a esquerda e especialmente do PS, coadjuvados pela comunicação social "amiga" põem em marcha a maior operação de destruição da direita, numa razia  para trucidar todos os vestígios dos seus sucessos, numa campanha sem igual (que dura até hoje) para a descredibilizar e perder a confiança dos portugueses. : 
a 1ª fase consistia em plantar na mente colectiva aquilo que se designa por "falsas memórias", blembranças distorcidas ou completamente fabricadas, mas que parecem reais na mente do indivíduo. A forma de o conseguir era  "amestrando" as pessoas, "treinando-as" através da repetição constante,  batendo sempre na mesma tecla, dia após dia, anos após ano, repetidamente, de tal maneira, que as pessoas se "esquecessem" dos sucessos e aspectos positivos alcançados pelo mérito e firmeza do governo à época (que o HPS acaba de mencionar).


 Mas  não se ficaram por aqui: após o "apagão" da História e depois  de limparem a memória, entrava-se na 2ª fase que era preciso "trabalhar". E entra a máquina trituradora da propaganda para Induzir as pessoas a fixarem-se apenas  nos sacrifícios e a reterem somente as dificuldades por que o país passou _ e foi fácil este exercício de "hipnotização", porque de facto foram imensos, sem dúvida _  pela necessidade urgente de reequilbrar o país.
 
Há uma quadra do António Aleixo aparentemente simples, que é, quanto a mim, duma  sabedoria incrível, porque explica o modo de uma Mentira pegar, ter "sucesso": 
 
P'ra mentira ser segura
e atingir profundidade,
tem que trazer à mistura
qualquer coisa de verdade

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.03.2024 às 09:34

(cont.)
Para concluir:
 "A estratégia do medo" foi a maior campanha de diabolização da direita, para se conseguir impor aos portugueses essa "verdade" oficial. A estratégia  seguiu passo a passo os preceitos "aconselhados" e ministrados por Maquiavel n' "O Princípe".
Não sei se os portugueses têm (ou não) consciência disso, mas têm sido objecto da maior manipulação feita nos últimos tempos. 
Se as doses excessivas de propaganda os tornaram imunes aos seus efeitos nocivos, é o que vamos saber no próximo dia 10 de Março.  
Mas o "povo é sereno, o povo é sereno"... e sábio.
Sem imagem de perfil

De Cá não há bar a 06.03.2024 às 07:26

"É só fumaça, é só fumaça! "  
Sem imagem de perfil

De rui castro a 05.03.2024 às 10:11

mais um afundanço
Sem imagem de perfil

De Cá não há bar a 06.03.2024 às 07:23

De quem? Do Anemias Quieta?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D