Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A escolha pela liberdade não é fácil

por henrique pereira dos santos, em 01.04.20

Sabemos muito pouco sobre o que querem dizer os números da covid em cada país (como são registados, que parte da realidade traduzem, que relações de causa/ efeito existem que não sejam meras correlações estatísticas, etc.).

Por isso todas as comparações entre países, devem ser muito, muito, muito cautelosas.

A ideia de que são as medidas que estão a ser tomadas que estão a ter os efeitos diferenciados que se possam ver nos números é um salto no escuro: podem ser, ou podem não ser.

Existem bastante artigos científicos e de opinião que discutem esta questão, mas todos os que li que demonstram o efeito das medidas de contenção social (muito longe de serem todos os que existem, claro) assentam em correlações estatísticas cuja interpretação se baeia num raciocínio circular: as medidas são eficazes, todas as diferenças entre os modelos teóricos e os números reais se devem às medidas, logo, as medidas são eficazes.

O que parece certo é que a partir da manobra de propaganda da ditadura chinesa - derrotámos gloriosamente o vírus com a nossa acção firme e decidida -, com a conivência do silêncio da OMS (que deveria ter dito que essa é uma hipótese, embora pouco provável, e que o conhecimento de cem anos de epidemiologia permite admitir que a curva epidemiológica tenha seguido o seu curso natural, tendo sido o vírus a derrotar-se a si próprio, com mais ou menos influência das medidas na contenção dos seus efeitos sociais), as opiniões públicas ocidentais exigiram aos seus governos que actuassem como ditaduras para derrotar este inimigo, antes que o inimigo nos derrotasse a nós.

O resultado é que em todo o lado, o medo e a emoção, a matéria base de que se sustentam as ditaduras, se têm sobreposto à racionalidade na definição do problema e na adopção das medidas razoáveis em cada momento.

"É possível, porque tudo é possível" que não fosse possível ter sido outra a forma de lidar com o problema dada a pressão das opiniões públicas, mas que isso nos vai custar muito, muito caro, isso é garantido.

O impacto da epidemia talvez não seja muito diferente do que seria o impacto de um ano mau de gripe, em número de mortos, com ou sem medidas, isso não é garantido, mas é cada vez mais provável.

O que me perturba nisto é a facilidade e rapidez com que as opiniões públicas ocidentais aceitaram prescindir da sua liberdade - uma coisa é apoiar os governos nas campanhas de distanciamento social, aceitar recomendações para diminuir contactos sociais, promover activamente o isolamento social de grupos de risco, outra coisa é apoiar a adopção de uma política coerciva do Estado para obter os mesmos resultados - para exigir aos seus governos e aos seus jornais que actuassem com os instrumentos das ditaduras: condicionamento da opinião, silenciamento social da divergência, estado de sítio, etc..

Sendo real, imaginária ou, ainda mais perigoso, com um fundo de realidade empolada por uma imprensa acrítica e elites muito informadas mas pouco cultas, bastou uma ameaça externa ser sentida como suficientemente grande para que tenhamos ido a correr para os braços das lideranças fortes, das medidas musculadas e para a ostracização social da divergência.

Uma boa demonstração de que as democracias não são um dado adquirido e muito menos o estado natural das comunidades, bem pelo contrário, a democracia e a liberdade são contra-intuitivas e exigem um esforço permanente de racionalidade que as defenda.



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 08:40

https://zap.aeiou.pt/texto-seculo-xvi-eficacia-quarentena-316311 (https://zap.aeiou.pt/texto-seculo-xvi-eficacia-quarentena-316311)

Este texto português do séc. XVI prova a eficácia da quarentena. Muito interessante.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 01.04.2020 às 10:08

Convém não confundir a quarentena, no seu contexto original, que é o isolamento de uma comunidade inteira onde grassa uma epidemia, com a ideia peregrina que dentro da comunidade, isolando os indivíduos, se consegue conter uma epidemia.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 11:48

" a facilidade e rapidez com que as opiniões públicas ocidentais aceitaram prescindir da sua liberdade " também me espanta. Mas repare: nunca antes fomos expostos a uma tal experiência e tão avassaladora como esta e cujo desfecho, por ser uma incógnita, se teme.
Não sei se este comportamento _ diria quase irracional ou de medo atávico  _   não será ditado pelo  instinto  de sobrevivência da própria espécie.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Das coitadas das farmacêuticas: "Na verdade, já ho...

  • Anónimo

    EUA pagam 1,6 bilhão de dólares à Novavax para ace...

  • Anónimo

    As patentes não são roubadas pois tantos americano...

  • Anónimo

    A coisa já demora tanto a chegar que o governo pas...

  • Anónimo

    A maior parte das pessoas não sabe o que signififc...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D


    subscrever feeds