Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A escolha pela liberdade não é fácil

por henrique pereira dos santos, em 01.04.20

Sabemos muito pouco sobre o que querem dizer os números da covid em cada país (como são registados, que parte da realidade traduzem, que relações de causa/ efeito existem que não sejam meras correlações estatísticas, etc.).

Por isso todas as comparações entre países, devem ser muito, muito, muito cautelosas.

A ideia de que são as medidas que estão a ser tomadas que estão a ter os efeitos diferenciados que se possam ver nos números é um salto no escuro: podem ser, ou podem não ser.

Existem bastante artigos científicos e de opinião que discutem esta questão, mas todos os que li que demonstram o efeito das medidas de contenção social (muito longe de serem todos os que existem, claro) assentam em correlações estatísticas cuja interpretação se baeia num raciocínio circular: as medidas são eficazes, todas as diferenças entre os modelos teóricos e os números reais se devem às medidas, logo, as medidas são eficazes.

O que parece certo é que a partir da manobra de propaganda da ditadura chinesa - derrotámos gloriosamente o vírus com a nossa acção firme e decidida -, com a conivência do silêncio da OMS (que deveria ter dito que essa é uma hipótese, embora pouco provável, e que o conhecimento de cem anos de epidemiologia permite admitir que a curva epidemiológica tenha seguido o seu curso natural, tendo sido o vírus a derrotar-se a si próprio, com mais ou menos influência das medidas na contenção dos seus efeitos sociais), as opiniões públicas ocidentais exigiram aos seus governos que actuassem como ditaduras para derrotar este inimigo, antes que o inimigo nos derrotasse a nós.

O resultado é que em todo o lado, o medo e a emoção, a matéria base de que se sustentam as ditaduras, se têm sobreposto à racionalidade na definição do problema e na adopção das medidas razoáveis em cada momento.

"É possível, porque tudo é possível" que não fosse possível ter sido outra a forma de lidar com o problema dada a pressão das opiniões públicas, mas que isso nos vai custar muito, muito caro, isso é garantido.

O impacto da epidemia talvez não seja muito diferente do que seria o impacto de um ano mau de gripe, em número de mortos, com ou sem medidas, isso não é garantido, mas é cada vez mais provável.

O que me perturba nisto é a facilidade e rapidez com que as opiniões públicas ocidentais aceitaram prescindir da sua liberdade - uma coisa é apoiar os governos nas campanhas de distanciamento social, aceitar recomendações para diminuir contactos sociais, promover activamente o isolamento social de grupos de risco, outra coisa é apoiar a adopção de uma política coerciva do Estado para obter os mesmos resultados - para exigir aos seus governos e aos seus jornais que actuassem com os instrumentos das ditaduras: condicionamento da opinião, silenciamento social da divergência, estado de sítio, etc..

Sendo real, imaginária ou, ainda mais perigoso, com um fundo de realidade empolada por uma imprensa acrítica e elites muito informadas mas pouco cultas, bastou uma ameaça externa ser sentida como suficientemente grande para que tenhamos ido a correr para os braços das lideranças fortes, das medidas musculadas e para a ostracização social da divergência.

Uma boa demonstração de que as democracias não são um dado adquirido e muito menos o estado natural das comunidades, bem pelo contrário, a democracia e a liberdade são contra-intuitivas e exigem um esforço permanente de racionalidade que as defenda.



20 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 08:40

https://zap.aeiou.pt/texto-seculo-xvi-eficacia-quarentena-316311 (https://zap.aeiou.pt/texto-seculo-xvi-eficacia-quarentena-316311)

Este texto português do séc. XVI prova a eficácia da quarentena. Muito interessante.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 01.04.2020 às 10:08

Convém não confundir a quarentena, no seu contexto original, que é o isolamento de uma comunidade inteira onde grassa uma epidemia, com a ideia peregrina que dentro da comunidade, isolando os indivíduos, se consegue conter uma epidemia.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 10:42

Se as pessoas estiveram isoladas não são foco de contágio certo?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 01.04.2020 às 12:10

Sim, se todo o mundo se isolar completamente e ao mesmo tempo em todo o lado durante quinze dias, isso acontece
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 11:48

" a facilidade e rapidez com que as opiniões públicas ocidentais aceitaram prescindir da sua liberdade " também me espanta. Mas repare: nunca antes fomos expostos a uma tal experiência e tão avassaladora como esta e cujo desfecho, por ser uma incógnita, se teme.
Não sei se este comportamento _ diria quase irracional ou de medo atávico  _   não será ditado pelo  instinto  de sobrevivência da própria espécie.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 09:42

Bem verdade.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 01.04.2020 às 10:02

Muito bem. Excelente post.
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 01.04.2020 às 10:39


Para ajudar a perceber a "pandemonia" da pandemia


https://off-guardian.org/2020/03/30/covid19-yet-to-impact-europes-overall-mortality/?fbclid=IwAR3OTchuKLZcZiUu9I30erD8fZOogPP1sWw6Y_bMtVHwf_3kGc_quIcS7so (https://off-guardian.org/2020/03/30/covid19-yet-to-impact-europes-overall-mortality/?fbclid=IwAR3OTchuKLZcZiUu9I30erD8fZOogPP1sWw6Y_bMtVHwf_3kGc_quIcS7so)
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 01.04.2020 às 13:17


https://www.spectator.co.uk/article/how-to-understand-and-report-figures-for-covid-19-deaths-
Perfil Facebook

De Antonio Maria Lamas a 01.04.2020 às 20:15

 Quanto mais testes fizerem, mais vai diminuindo a percentagem de mortos até chegarem à conclusão que é irrelevante e portanto levantam as restrições.
Nesse dia vamos assistir à maior cambalhota mundial que há memória a ver tanta gente a tentar explicar como se chegou à miséria. 
Sem imagem de perfil

De marina a 01.04.2020 às 14:08

quando começarem a ver também os seus empregos em perigo , suponho que não pensaram nisso quando deram início a mais uma escandaleira para venderam comunicação épatant , vão querer voltar atrás , mais será tarde .
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 15:28

..." nunca antes fomos expostos a uma tal experiência e tão avassaladora como esta e cujo desfecho, por ser uma incógnita, se teme."



Esta é a frase paradigma dos tempos actuais: a História começou comigo; e quando digo nunca, refiro-me... a mim, claro.


Já cá andamos há um bocadinho mais de tempo. LEIAM!


Vasco Silveira
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 21:25


Vasco Silveira,
O senhor tem nível. Este seu último comentário é uma lição para infantes. E boa!
ao
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.04.2020 às 11:57

Interpretou mal.  Mas pode crer que não chegarei ao ponto de afirmar que se trata de um "ligeiro" problema de iliteracia... uma vez comprovada a sua capacidade de ironizar... Contudo, lamento dizer-lhe, caro Sr., que foi um desperdício do seu tempo, posto que se enganou "rotundamente": também leio, também conheço bem  a História, também sei  que a Humanidade já sofreu a devastação de muitas outras pandemias de dimensões e consequências catastróficas. É como diz, não começaram hoje, pois "já cá andamos há um bocadinho mais de tempo", de facto. 


Simplesmente referia-me literalmente a "nós", ao "nosso"  Tempo  colectivo. ESTA  é   "a"  nossa comum experiência  directa, nova e impreparada, que está a ser vivida neste exacto momento, conjuntamente no seu , meu, nosso tempo Presente conjugado por todos quase simultaneamente, porque no mesmo contexto histórico único e irrepetível . É  o    "aqui   e   agora"    da    SUA   e   da    MINHA   geração. Todos / na Totalidade / no Todo - ( Pan ).
 Quando afirmo  que (nós) "nunca fomos expostos a uma tal experiência" é, repito, no sentido literal: "nós"  na nossa comum actualidade e estupefacção.
Mas não considerei apenas o "tempo cronológico", e mensurável, que pode ser fraccionado em parcelas ou unidades menores. Referia-me, também, ao "tempo psicológico",  aquele cuja extensão é variável, porque é percepcionado subjectivamente e vivido por cada um de nós, de forma mais pessoal, na sua componente afectiva/emotiva.  Daí ter mencionado o momento "avassalador" e  a dimensão desconhecida do  desfecho, uma vez que ainda  estamos num processo  em curso, que pertence à esfera do nosso  "acontecer".  Ficará gravado na nossa  memória colectiva, sem dúvida, como TAMBÉM irá ser acrescentado na  História futura, como  "acontecido". Tal  qual as OUTRAS pandemias ... sobejamente documentadas, registadas e estudadas.
Por ora, cuidemos do Presente, mas... com olhos de Futuro!  Boa Sorte!
ST









Sem imagem de perfil

De Isabel a 02.04.2020 às 13:42

Só mais uma acha para a fogueira


https://youtu.be/9t8THBMluws (https://youtu.be/9t8THBMluws)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.04.2020 às 15:43

(Après chaque catastrophe, il y a un changement...)
Reinos, fronteiras, Impérios, cidades se desfarão, "hélas!" em pó e nada... e diremos, como Stephen ZWeig, "o Mundo de Ontem". 
ST
PS esperando não chegar a tanto!  :-)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 19:09


"...O que parece certo é que a partir da manobra de propaganda da ditadura chinesa - derrotámos gloriosamente o vírus com a nossa acção firme e decidida -, com a conivência do silêncio da OMS...".



Se é necessário, para já, conter e cortar este mal, o vírus da China, é verdade que, para se não cair noutra, convém conhecer a génese do deste mal, o vírus  da China.


A OMS tem um líder completamente nas mãos da elite política da China. O líder da OMS apareceu repetidamente em público a louvar a conduta do governo chinês quanto a esta epidemia.

Constatou-se depois que o governo da China esteve um (decisivo) mês a esconder a existência do vírus da China e a sua virulência por contágio, contra aregras da OMS.
Aqui e acolá já se fala em promover processos judiciais ao governo da China "por assassinato" (killing)....
Entretanto este anda atarefado numa muito discutível "acção psico-social".

Sem imagem de perfil

De Carlos a 01.04.2020 às 20:47

Causou-me espécie o nosso Presidente dizer que ontem, na reunião no Infarmed os intervenientes, por unanimidade, concordaram que o estado de emergência devia ser prorrogado e que as coisas estavam a correr bem, dentro desta desgraça.

Que todos os intervenientes estejam com medo, aceito sem reservas; que todos sejam hipocondríacos, como é o nosso Presidente, é que me custa a aceitar.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2020 às 23:03

Brilhante post. Aliás como é normal.

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • henrique pereira dos santos

    Especialista em eucaliptos? Não tenho essa ideia.

  • Esteves

    Secretario de estado ? EnganoO andre é candidato ...

  • Esteves

    "Asneira. Já houve no mundo montes de epidemias qu...

  • Esteves

    cairem de um andaime, têm covid... sao contabiliza...

  • Esteves

    O andre nao se rege pela natureza... a natureza re...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D