Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A dialética socialista do Incumprimento

por Vasco Mina, em 24.08.16

Lembram-se do Cenário Macroeconómico apresentado ao PS por um conjunto de reputados economistas? Recordam-se que foi com base neste documento que António Costa e o PS se apresentaram como alternativa política e económica ao Governo PSD-CDS? Recentemente o Carlos Guimarães Pinto, o André Azevedo Alves e o Alexandre Homem Cristo apresentaram com muita clareza o balanço entre o que tinha sido projetado e aquilo que é hoje, nua e crua, a nossa realidade económica. Ontem, o economista e deputado do PS, Paulo Trigo Pereira, também ele um dos subscritores do citado Cenário Macroeconómico, apresenta a sua abordagem da situação económica e financeira do País. Começa humildemente por reconhecer o seguinte: “O crescimento económico é fraco há década e meia, não sendo por isso imputável nem a este nem ao anterior governo”. Assim sendo, por que subscreveu a tese de um crescimento de 2,4%? Ou seja, quando se é oposição (era o caso em 2015) então crescer é fácil e demonstrável num documento; quando se passa à governação, então o problema é do passado e resulta de uma observação estatística. Quanto ao défice apenas refere a única medida efetuada até agora pela governação socialista: ajustar, coma Comissão Europeia, a meta do défice. Ou seja, quando não se consegue pela via das reformas muda-se a meta. Muito ainda estaremos para ver o que vai ser feito nesta gin´sstica da meta variável. Sobre a dívida, o Deputado do PS reconhece, uma vez mais, que “enquanto permanecerem as necessidades de recapitalização da banca e das empresas públicas, não há forma de o seu peso no PIB diminuir”. Pergunta: mas não sabia isto quando redigiu o Cenário Macroeconómico? Porque projetou uma redução da dívida pública? É que a realidade dos números mostra, sim, um aumento da referida dívida. Não conseguindo explicar o porquê da diferença entre o projetado eo real, o Professor de Economia derrapa para a já conhecida dialética socialista justificativa do fracasso: “O terreno económico e financeiro é obviamente importante para o debate político, mas este não pode reduzir-se a crescimento económico, défice e dívida”; o que a seguir escreve é a habitual conversa da treta que já nem vale apena mencionar. O final do texto é, simplesmente, delicioso: do Governo aguarda a apresentação do Orçamento para 2017 e do PSD espera a apresentação de propostas alternativas e a definição do caminho alternativo. Mas, afinal, qual é o caminho da atual governação? É esta questão que o deputado socialista se recusa a explicar pois tudo o que foi apresentado no tal Cenário Macroeconómico se resume no seguinte: Incumprimento!

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Sem imagem de perfil

De caminho do senhor a 24.08.2016 às 12:00

catástrofe! bancarrota! miséria!
Sem imagem de perfil

De Lufra a 24.08.2016 às 12:41

O PS parece uma incubadora de idiotas!
Sem imagem de perfil

De Carlão a 24.08.2016 às 14:25

As metas do défice asfixiantes como defendem a direita e o diretório alemão são incompatíveis com a democracia. Mas ponha-se a função pública a pão e àgua e cortem-se os subsídios aos pobres. Assim já temos superávit e passamos a ser o melhor aluno da turma. 


Humildemente sugiro:


50% de corte para todos os funcionários públicos e pensionistas, com retroação a 2011.
42 horas semanais no Estado.
Privatização do ensino público.
Fim do SNS.
Fim da ADSE. Que paguem num hospital privado, esses parasitas.
Donald Trump, Shauble e Medina Carreira a controlarem isto tudo, à vez, um por semana faz uma verificação do estado da arte.
Fim de todos os subsídios do Estado e criação de subsídios gordos para as famílias numerosas.
Multas altas para quem não tem filhos (o CDS até salta de alegria com estas duas úlitmas).
Sem imagem de perfil

De Nuno a 24.08.2016 às 21:23

É preciso muita lata - as medidas que eles querem que o PSD apresente foram as que eles reverteram.
Sem imagem de perfil

De carlão a 24.08.2016 às 22:44

Oi?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.08.2016 às 11:18

Bem observado. Se a boçalidade de Jorge Coelho e o "academismo" de PTP delimitam um espectro do apoio PS à geringonça, o colapso intelectual de PTP é muito revelador.

XisPto

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Aurélio Buarcos

    Trabalhar que é bom é que 'ta quiieto.Na melhor da...

  • João Távora

    Podia ser assim o final: "em consequência, a esque...

  • António

    Estavam todos na ADSE a tramar o João Távora.

  • António

    Começa a ser interessante o expediente brasileiro ...

  • Anónimo

    o mal do ex-mundo rural é ter  levado um pont...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D