Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A degradação da palavra como penhor de compromisso

por henrique pereira dos santos, em 05.10.16

Tem vindo a ser insistentemente difundida a tese de que António Costa tinha deixado claro, ainda antes das eleições, que a actual solução governativa era uma possibilidade e que desde o primeiro momento das eleições trabalhou para construir esta solução governativa.

O próprio tem insistido nessa tese, o que se compreende: aplicar uma solução apresentada a votos ou aproveitar os votos para apresentar uma solução não é a mesma coisa, não porque existam diferenças de legitimidade formal, mas porque existem diferenças de legitimidade moral e política.

Saltemos por cima da discussão sobre se assim foi ou não e tomemos como boa esta tese.

Se assim foi, como explicar as reuniões de 9 de Outubro do ano passado e as declarações subsequentes de Costa: "Reunião com a coligação "foi bastante inconclusiva" e não houve nenhuma proposta" (vale a pena ir ler as notícias desse dia, onde a ideia é ainda mais clara: Costa estava totalmente aberto a fazer acordos com a PAF, o problema era que não lhe eram apresentadas propostas sérias).

Se, como o próprio agora diz, era claramente inaceitável negar os resultados eleitorais, que rejeitavam liminarmente qualquer acordo com os partidos do governo anterior, o que estava Costa a fazer, aceitando as reuniões do dia 9 e posteriores e proclamando que não se chegava a acordo porque a coligação mais votada se recusava a fazer propostas sérias?

Estava a aplicar o seu método habitual: tomar uma decisão e depois dizer o que for preciso, incluindo simular negociações institucionais e formais, para responsabilizar os seus adversários pelos aspectos negativos das suas opções.

Que Costa funcione assim não me incomoda especialmente, sei que não se pode esperar das pessoas mais do que podem dar.

Mas que todas estas mistificações, completamente inaceitáveis entre pessoas de bem, porque implicam o penhor da palavra dada, sejam recebidas, analisadas, avaliadas com meridiana mansidão, como se dar formalmente a palavra sabendo não a pretender cumprir fosse uma mera traquinice de habilidoso, francamente, isso sim, parece-me um claro sinal de degradação social, com o alto patrocínio de uma imprensa viciada em pequenos truques e absolutamente insensível aos valores que tornam saudável o debate no espaço público.

É verdadeiramente deprimente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Nuno a 05.10.2016 às 15:08

Tem a ver com a nossa cultura que em vez de valorizar a honestidade valoriza a chico-espertice. A consequência é que assim nunca vamos passar da cepa-torta. Basta ouvir os discursos manhosos das comemorações de hoje.
Sem imagem de perfil

De Jose Domingos a 05.10.2016 às 17:35


Uns dos grandes responsáveis, ao estado a que isto chegou, foi o jornalismo mediocre, ao nível de sarjeta, escrito por individuos, que não passam de moços de fretes, paus mandados dos sindicatos e dos comissários politicos das redações.
Enquanto isto não mudar, só temos jornalixo.
Sem imagem de perfil

De francisco menezes a 05.10.2016 às 18:00

O nosso jornalismo de frete, alinhado com o poder vigente, adora evidenciar a manha de Costa. Por isso, ser manhoso como o Costa passou a ser uma grande qualidade, ou seja, como se costuma dizer, quem não tem vergonha todo o mundo é seu. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    What the f...?

  • Anónimo

    Autor,está cada vez mais liberto de peias para as ...

  • Anónimo

    O Anacleto...

  • Anónimo

    Claro que ficou desiludido, é normal! Quando uma m...

  • gato

    Realmente tenho pena mas não consigo ver a reporta...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D