Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A cerca e os jornalistas

por henrique pereira dos santos, em 18.06.21

Salvo raras excepções (por exemplo, António Costa, no ECO), o que tenho lido sobre a cerca diz mais sobre o jornalismo que sobre a cerca sanitária a Lisboa, o governo e a epidemia.

Se dúvidas houvesse de que é de uma cerca sanitária que se trata, o próprio governo o confirma ao negar logo à cabeça que se tratava de uma cerca sanitária a um terço da população do país, mas boa parte do jornalismo continua a falar do assunto como se houvesse dúvidas de que se trata de uma cerca sanitária.

Do que li, falam da impossibilidade de sair e entrar da Área Metropolitana de Lisboa, uma absoluta idiotice tendo em atenção que qualquer pessoa pode entrar e sair da Área Metropolitana de Lisboa porque a medida é simplesmente impossível de fiscalizar. Ou seja, boa parte dos jornalistas tratam as palavras como factos, em vez de procurarem as palavras que melhor descrevam os factos.

Esquecem-se de discutir a utilidade de uma cerca sanitária ao fim de semana, que abrange um terço da população de Portugal, mas tem 18 excepções, incluindo a de qualquer outro assunto de imperiosa urgência, esquecendo-se de chamar a atenção para o absurdo do discurso do poder sobre o assunto, que cavalga o absurdo da medida em si.

E tão lestos em procurar motivações escondidas para tudo o que os políticos que não são da corda fazem, esquecem-se de escrever nas altas parangonas dos seus jornais: "Uma não-medida para "mostrar" ao resto do país que a capital e arredores também são penalizados como os outros concelhos quando a incidência e o Rt sobem. Fingimento, nada mais do que isso, porque os pontos de fuga desta não-cerca sanitária são vastos e, que se saiba, não estão previstas coimas.", citando um amigo que de Bragança topa melhor o que se passa na capital que os que Prákistão.

A forma como a generalidade dos jornalistas seguem o cherne e o seu discurso, sem o menor sentido crítico, é triste, triste, triste, mas é sobretudo um exemplo claro da degradação e corrosão institucional em que estamos.

António Costa está há anos na órbita do poder e sempre, desde sempre e constantemente, usou os cargos por onde passou de forma institucionalmente irresponsável, o que seria o menos, mas sobretudo promoveu e incentivou, no partido socialista e no Estado (passe o pleonasmo) uma cultura de desresponsabilização institucional que desemboca no famoso "já posso ir agora ao banco?" que seria motivo de vergonha e chacota numa sociedade assente em instituições fortes e independentes.

Aqui é assim, cada um é como cada qual e todos são como evidentemente.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Susana V a 18.06.2021 às 15:28

Há alturas na vida em que nos arrepiamos com a vergonha alheia. Aquele “Now can I go to the bank?” foi simplesmente mau demais. Que falta de vergonha.   
Sem imagem de perfil

De balio a 18.06.2021 às 17:08


qualquer pessoa pode entrar e sair da Área Metropolitana de Lisboa porque a medida é simplesmente impossível de fiscalizar


É impossível de fiscalizar com rigor total, mas é fácil de fiscalizar com suficiente rigor para desincentivar muita gente de tentar violá-la.


É claro que há N estradas que saem da Área Metropolitana e é impossível vigiá-las a todas. Mas se se vigiar nem que seja somente N/10 já haverá muitos automobilistas que serão apanhados e que sofrerão suficientes inconvenientes para espalhar palavra e dissuadir muitos outros de tentar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2021 às 18:55


"já posso ir agora ao banco?". Com esta pergunta ficou demonstrada a completa inutilidade todo o restante aparelho do Estado, na cabecinha do autor e, de facto, na cabecinha de quem gosta, ou não, do protagonista.

Isto para todos os consequêntes efeitos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2021 às 19:22

Óbviamente que o dinheirinho é dele. Qual é o espanto?.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2021 às 20:04

Atento, venerador e obrigado, caro Balio...
JSP


Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 19.06.2021 às 11:28

Sobre este tema o que mais me aborrece é os jornalistas, todos os jornalistas, repetirem que Portugal vai receber mais de uma dezena de milhares de milhões vão ser dados pela UE a "fundo perdido", sem minimamente se questionarem o que é isso do "fundo perdido".

Como é fácil de constatar Portugal não vai receber fundos da UE para gastar como der na real gana aos nossos governantes, sem terem de ser pagos. Os fundos são empréstimos que a UE contrai e que, depois, no seu vencimento, terão que ser pagos com impostos ou com novos empréstimos, empurrando o problema com a barriga, como vem acontecendo há muitos anos. Impostos cobrados a nível europeu que ainda não estão bem definidos, mas que nós, os nossos filhos e netos, teremos que pagar de qualquer maneira.

 "A fundo perdido" só se dão esmolas e apenas de alguns euros. Os Estados podem ser mais generosos e dar esmolas maiores, porque vão buscar esses dinheiros cobrando impostos.

Já é tempo de acabarmos com isso do “fundo perdido”. Quem se pode perder somos nós, os pagantes, se os impostos em vez de descerem, subirem.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    (cont.)"havia rumores de fuzilamentos sumários; um...

  • Anónimo

    (cont.)Ainda assim, nos primeiros momentos a eufor...

  • Anónimo

    (cont.)Do lado de cá, em Portugal, sabemos como fo...

  • Miguel Neto

    Resta saber em que grau a entrada de migrantes na ...

  • lucklucky

    O pior é que o Fernando Rosa deve saber. Mas o dis...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D