Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O haraquíri do jornalismo

por João Távora, em 26.12.12

 

O caso Baptista da Silva é todo ele uma irónica parábola sobre a crise que por estes dias perpassa e se agudiza nos media tradicionais. É curioso como o burlão, promovido por um jornalista de nomeada de um semanário de referência nacional não tenha sido denunciado pelas “convenientes” intrujices que proferiu em vários palcos, mas antes pela descoberta do seu falso curriculum. Como sempre em Portugal o que conta é o estatuto.
Numa altura em que através das novas plataformas “sociais” tanto a opinião e análise de qualidade quanto a gestão de agenda politica ou corporativa se autonomizam cada vez mais dos meios de comunicação institucionais, não tenho dúvidas que a prazo poucos deles resistirão no actual modelo de gestão. Apenas irão sobreviver os que fundarem a sua actividade na excelência do profissionalismo, reflectindo os factos de forma isenta, analisados por atentos e meticulosos peritos, que sejam capazes de aferir discursos coerentes ou contestar raciocínios viciados ou cálculos mentirosos. Para alimentar conversas de café e amplificar bitaites sectários, já há para aí batalhões de blogues e ávidos activistas das redes sociais. Deixar-se seduzir e enredar nesta lógica é simplesmente o haraquíri do jornalismo. 

 

Publicado originalmente aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Artur Baptista da Silva

por João Távora, em 24.12.12


Baptista é serviço público. É espelho de nós, síntese do colectivo pátrio. Figura nacional de 2012. Ao contrário do que alguns gritam por esses táxis fora, Portugal não precisa de dois ou três salazares. Necessitamos, isso sim, de mais baptistas da silva. Artur Baptista da Silva, o homem que mostra a verdade dizendo a mentira.


Malomil na integra aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)


"Portanto a singular conexão entre Isaías, 1, 3; Habacuc 3, 2; Êxodo 25, 18-20  e a manjedoura, aparecem dois animais como representação da humanidade, por si mesma desprovida de compreensão, que, diante do menino, diante da aparição humilde de Deus no estábulo, chega ao conhecimento e, na pobreza de tal nascimento, recebe a epifania que agora a todos ensina a ver. Bem depressa a iconografia cristã individuou este motivo. Nenhuma representação do presépio prescindirá do boi e do jumento."

 

A Infância de Jesus - Jesus de Nazaré - Volume III de Joseph Ratzinger

 

*Foto José Manuel Fernandes publicada no Facebook (o meu exemplar do livro está no sapatinho deste Natal).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um rapaz numa cerimónia oficial numa universidade chamou "filho da puta" ao primeiro-ministro. As pessoas acharam bem e estão muito indignadas por a escola lhe ter instaurado um processo disciplinar
Entretanto continua a falar-se muito do Dr. António Borges, por ele ter "chamado ignorantes" aos empresários. As pessoas acharam que era um insulto muito feio e querem que ele seja despedido, mesmo sem processo disciplinar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

RTP: Não haverá greve

por Zélia Pinheiro, em 29.08.12

Neste caso da televisão, apesar de tudo, há uma coisa que me deixa descansada: ao contrário dos pilotos da TAP ou dos médicos do SNS, nunca iremos assistir a uma greve dos jornalistas da RTP.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jornalistas - 1; Políticos - 0

por Zélia Pinheiro, em 23.08.12

Frente-a-Frente no Jornal das Nove da SIC-Notícias: António Capucho e Francisco Assis. Meia hora de comentário vazio, clichés e banalidades, onde se destacou Capucho a repetir a muleta do dia, a palavra "terapêutica" (contei seis vezes).

Frente-a-Frente no Jornal das Dez: Francisco Sarsfield Cabral e Helena Garrido. Meia hora de análise séria, informada, tranquila e objectiva com dois excelentes jornalistas especializados em economia.
Jornalistas - 1; Políticos - 0. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Coisas que me fazem falta

por João Távora, em 21.07.12

 

Ler um jornal que me orgulhe de exibir debaixo do braço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O pescador que não gostava do mar

por João Távora, em 24.05.12

 

Os esclarecimentos de Miguel Relvas à Entidade Reguladora para a Comunicação Social não chegam para explicar algo de muito importante em todo este “caso” com o Público: como é que o líder do gabinete governamental responsável pela comunicação social, tão experiente no relacionamento com os média cai numa esparrela destas. Não me custando a acreditar nas explicações do ministro, certo é que alguma coisa correu muito mal nesta história toda: este foi um acontecimento que infringiu pesadas perdas de reputação, não só ao seu gabinete, mas a todo um governo vergado na hercúlea tarefa de executar um impopular e doloroso programa de resgate financeiro no País. Miguel Relvas conhece melhor do que ninguém as regras do jogo, os jornalistas que temos e as sensibilidades imperantes na comunicação social. E contra factos não há lamentos: falhado parece o pescador que não gosta do mar.

 

Publicado originalmente aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nós só queremos ver Lisboa a arder *

por João Távora, em 26.04.12

 

 

 

Quando a notícia de capa dum jornal chamado “de referência” sobre a efeméride do 25 de Abril é a discutível opinião das esquerdas na oposição sobre o discurso do Chefe de Estado no parlamento, está tudo dito. Dá ideia que o pessoal lá na redacção não descansa enquanto não tiver a malta na rua, uns bancos, carros e lojas a arder para fazer uns bons bonecos e manchetes. Ou então que aqueles que compram jornais se reduzam cada vez mais a um nicho de carolas masoquistas, agências de comunicação, gabinetes partidários, quadros do Estado e professores reformados.

 

* "Palavra de ordem" de uma claque de futebol do norte.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jornalismo amestrado

por João Távora, em 12.02.12

 

 

Isto são os 300.000 manifestantes da CGTP de ontem aos olhos do jornalismo de causas, ao qual a realidade pouco interessa. Para esses senhores o Terreiro do Paço cheio na missa do Papa Bento XVI em Maio de 2010 correspondia a 80.000 pessoas.

 

Imagem daqui

 

 

O Terreiro do Paço tem 36 mil metros quadrados. Num quadrado de um metro por um metro cabem umas três pessoas – talvez um pouco mais se for uma carruagem do metro em hora de ponto, talvez menos se pensarmos na dinâmica de uma amnifestação. Fiquemo-nos pelas três. Em média. É pois difícil imaginar que, num Terreiro do Paço cheio de ponta a ponta coubessem muito mais de 100 mil pessoas. (José Manuel Fernandes



Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicidade enganosa

por João Távora, em 23.01.12

 

Pelo seu papel na história, respeito o PPM, partido do qual fui militante nos anos oitenta. Mas nessa época como hoje, trata-se de um equívoco atribuir-se-lhe a representação dos monárquicos. É isso que transparece na notícia do jornal Público sobre um comunicado a respeito das declarações de Cavaco Silva. Os monárquicos são simpatizantes e militam nos diferentes partidos políticos... ou em nenhum. 
De uma vez por todas: os "realistas" defendem diferentes e às vezes antagónicas soluções políticas, une-os tão só a defesa dum modelo de Chefia de Estado (o que não é pouco, convenha-se). Afirmar que um partido os representa, é pretende-los proporcionais a uma insignificante representação eleitoral. Um mau serviço de jornalismo, um barrete que só tapa as vistas a quem o puser na cabeça. 

 

P.S.: Esta nota não pretende criticar a postura da actual direcção do PPM ou conteúdo do comunicado que resulta na notícia em referência, que é na forma e conteúdo inatacável.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cão que ladra não morde e se rosna tem medo

por João Távora, em 04.12.11

 

Nos últimos tempos não tenho comprado o Público, coisa que talvez justifique a minha surpresa ao encontrar hoje em destaque, a ¼ de página (na 3) com caracteres de corpo grande a seguinte parangona: “Amadeu Carvalho Homem historiador e republicano, dirige uma pergunta ao pretendente ao trono, a propósito da celebração de mais um aniversário da Restauração, a 1 de Dezembro”: “SE UM DIA FOSSE REI DE PORTUGAL, NÃO ACHARIA BIZARRO (NO MÍNIMO) QUE O TRATASSE POR SUA MAJESTADE?” (a vermelho no original).
Porque mantenho alguma crença na inteligência humana, custa-me acreditar que esta opção editorial não tenha um justificado enquadramento que me escapa. De resto, a mesma pergunta com que nos desafia o historiador poderia aplicar-se a outros tratamentos honoríficos ou convencionais, que mais do que um sentido estrito correspondem apenas a uma tradição protocolar: Sentir-se-á o Presidente da República mesmo “Excelente” (Excelência) e o Senhor Reitor mesmo “Magnífico”, (Vossa Magnificência), e que dizer do " Venerando Desembargador", do " Meritíssimo Juiz" ou o "Sapientíssimo Grão-Mestre"?
Finalmente como um mal nunca vem só, a imbecil questão ficará sem resposta, dado que o destinatário dela como consta na manchete introdutória é D. Duarte Nuno Duque de Bragança, que faleceu aos 69 anos, há mais de 34 anos.

Pela minha parte sou levado a concluir que o destaque dado a tão boçal provocação só se justifica pela insegurança e receio que a Instituição Real por estes dias parece inspirar aos republicanos ou simplesmente a gente de limitada craveira. É sabido que a primeira razão do cão ladrar e arreganhar os dentes é o “medo”, fenómeno que deveria levar os monárquicos a ter algum orgulho na sua Causa, que afinal algum trabalho vai fazendo…

 

Também publicado aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jornalismo de terra queimada

por João Távora, em 29.11.11

Como se não bastasse o ruído causado pelos interesses e ambições em natural disputa na democracia, somado às exibições de egolatria dos senadores do regime, um outro factor tende a incendiar a atmosfera de descrença e revolta que paira sobre o País: refiro-me às mentiras e meias verdades que geram escandalosas parangonas nos jornais. É o caso da notícia do Correio da Manhã, sobre a suposta compra de um automóvel de 86 mil euros pelo Ministro da Segurança Social Pedro Mota Soares, e que o mesmo teria levantado pessoalmente no Stand. Trata-se de uma rotunda falsidade com requintes de má fé: o carro arrendado através da Agência Nacional de Compras Públicas era o único disponível para entrega, tratando-se por mera coincidência daquele que foi anteriormente utilizado pelo do Ex-Secretário de Estado Carlos Zorrinho.

Entende-se que a realidade não cause grande impacto mediático, mas convém referir que, com uma redução de 30% nos consumos intermédios, o ministério da Segurança Social reduziu quase para metade o número de viaturas, tendo neste momento 11 veículos para estrita utilização em serviço, quando no anterior Governo eram 20.

Há muito que reclamo ao sentido de responsabilidade do jornalismo, como um dos mais poderosos actores da realidade politica que vivemos: por actos ou omissões, foi com a sua conivência que aqui chegámos. Ninguém está inocente. Acicatar pela mentira ou meia verdade o descredito e ressentimento popular nestes duríssimos tempos, no imediato pode render a atenção e fama a qualquer noticiário ou jornal, mas a prazo incendeia-se o País. E desse fogo ninguém sairá ileso. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ingenuidade instrumental

por João Távora, em 27.11.11

 

O Diário de Notícias titula "Anarquistas Radicais" pelo 2º dia consecutivo notícias referentes a investigações a tumultos e ligações à marginalidade. Isto parece-me tratar-se de uma redundância pouco inocente: em todos os momentos da História em que se deu actividade "anarquista", esta sempre foi radical e marginal por inerência.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O comentário do João Ladeiras publicado aqui em baixo, em que denuncia uma espécie de cilada “jornalística” à porta da universidade com vista a obter uma peça de vídeo para replicação viral na internet sobre a "ignorância da juventude", um tema de sucesso garantido, remete-nos para a séria questão do papel do 5º poder na sociedade mediatizada contemporânea. 
É inegável que as políticas de ensino para as estatísticas e a massificação das licenciaturas, muitas delas que não são mais que pequenos cursos técnicos ou simples artimanhas para atrasar a entrada dos jovens no mercado do desemprego, teve como resultado o trasvazar massivo da indigência cultural para o universo universitário. 
Mas tão grave quanto isso é sermos diariamente violentados por um jornalismo impune que subjuga os valores e a própria notícia, não aos factos mas ao preconceito, ao ressentimento social ou ideológico a promover, quando não simplesmente a uma lógica comercial. A salvaguarda da sacrossanta liberdade de expressão remeteu-nos para uma tendência de total impunidade: a auto-regulação é um mito, e o bom senso definitivamente não resulta em parangonas, a racionalidade é má para o negócio.  Num regime cujas instituições hipotecaram o poder pela urgência dum prato de lentilhas, o jornalismo pop que vigora completa e reafirma o mais negro diagnóstico: estamos de facto entregues à bicharada.

 

PS.:  Ao João Ladeiras reafirmo o conselho do meu colega Rui Tabosa: é nos livros que se vai buscar o Saber, e do que V. depreenderá deste caso, jamais aos jornais e muito menos às revistas que quando o abordam, se limitam a comentá-lo, sabe Deus sob que perspectiva e com que bases. Para quem não os puder adquirir nas livrarias estão disponíveis nas bibliotecas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fui eu quem respondeu Miguel Arcanjo à questão "Quem pintou o tecto da Capela Sistina?" Agora que vos consegui cativar a atenção, tenho a dizer que o papel da Sábado foi puramente ignóbil, tendo dado instruções completamente opostas àquilo que se pode constatar tanto no vídeo, como também na revista publicada hoje. A verdade é que me fizeram 10 perguntas e só mostraram a que eu errei que, como podem comprovar os que se encontravam presentes, acabei por corrigir e responder, então, Miguel Ângelo. Em todo o caso, a minha resposta deveu-se ao simples facto de ter frequentado o Externato São Miguel Arcanjo e, ao mesmo tempo, com a pressão da própria entrevista, dei essa mesma gafe - corrigindo-a assim que apercebi -. De acrescentar que quando concluída a entrevista, fiquei à conversa com a jornalista Inês Pereirinha, perguntando-lhe se esta mesma entrevista ia ter semelhanças a uma que o programa 5 para a meia noite já teria feito, tendo obtido uma resposta negativa a este meu comentário. Todavia, para além de ter sido humilhado como nunca tinha sido até à data, ficou em causa o bom nome da instituição que eu frequento - ISPA - IU -, sendo considerada a melhor instituição de ensino na área da Psicologia. Acabei por ser vilipendiado em praça pública, sentindo-me completamente desolado. Acho-me uma pessoa culta que, durante o trajecto Casa-Escola, Escola-Casa, que tem uma duração aproximada de 2h30/3h diárias, lê os jornais gratuitos que consegue adquirir e, ao mesmo tempo, é assinante da revista Visão. Há tanto assunto que poderia ser discutido, como a abolição do desconto de 50% nos passes sociais que, assim, me vão obrigar a pagar cerca de 85€ mensais, ficando-me mais barato dirigir-me à faculdade de carro. Já tentei contactar a jornalista Inês Pereirinha por 2 vezes, acabando por nunca obter qualquer tipo de resposta. Deixo-vos com uma das mensagens que enviei para a jornalista e, aproveito para anunciar, que estou a reunir todos os elementos necessários para processar a jornalista em causa e, igualmente, a revista Sábado. "A ignorância dos nossos universitários", se se sentir bem com o trabalho que realizou, digo-lhe, com tristeza, que você e os restantes colegas são ignóbeis. Vou ainda dirigir-me às autoridades competentes para apresentar uma queixa formal sobre o uso indevido da minha entrevista, sabendo você qual a razão dessa mesma denúncia/queixa. O que mais me impressiona é a generalização que vocês fazem e, mais gravoso, apresentarem ao público uma imagem dos universitários somente com as gafes dos mesmos, não tendo em conta qualquer tipo de pressão momentânea, nem referindo que foi elaborada e apresentada uma panóplia de perguntas a cada universitário.

 

João Ladeiras da caixa de comentários

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quanto custa?!

por João Távora, em 05.11.11

 

A notícia de fundo de hoje do Diário de Notícias baseia-se numa reportagem da simpatizante socialista, a militante Fernanda Câncio, que foi para as estações de metro e autocarro fora d’horas dar voz à indignação dos utilizadores nocturnos dos transportes públicos ameaçados pela revisão dos horários, obra dum malandro chamado Pedro Almeida Gonçalves, suspeito de no passado ter dirigido a expansão do metro da capital. Bem vistas as coisas trata-se duma criteriosa investigação cientifico-jornalística que visa contrariar um estudo misteriosamente vindo a público, parte de um relatório em curso para uma eventual racionalização das redes de transportes públicos das áreas metropolitanas do Porto e Lisboa. Os jornais ao serviço das agendas partidárias… a que preço?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A tirania do jornalismo amestrado

por João Távora, em 30.10.11

 

Entre referências ao dúbio comunicado do Secretariado Nacional do PS sobre as declarações de Passos Coelho em Assunção na Cimeira Ibero-Americana  nos noticiários radiofónicos das 17 e das 18,00s fui esta tarde mimoseado por duas vezes com uma palavrosa incitação ao ressentimento e insurreição popular pelo reverendo Louçã, a estrela da tarde na TSF e Antena 1 em disputa ombro a ombro com os relatos da bola.

O desproporcional protagonismo dado pelas rádios e televisões ao Bloco de Esquerda, um partido marginal representante de pouco mais de 5% dos eleitores constitui uma aviltante e gratuita agressão aos restantes portugueses. Jerónimo de Sousa que se cuide, e o novo presidente da ERC Carlos Magno a quem já por algumas vezes ouvi reclamar sobre o assunto que passe das palavras aos actos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bater no ceguinho

por João Távora, em 29.09.11

 

Não gosto de unanimismos. Assim, foi pasmado que assisti ontem ao debate entre jornalistas na SIC Notícias sobre a inédita entrevista ao presidente da república. Um "debate" entre jornalistas tem, salvo raras excepções, o condão de exibir uma fastidiante consonância corporativa. Assim, nenhum dos convidados fez o mais pequeno esforço por disfarçar a sua antipatia "de classe" para com o personagem, sendo que os esgares de ressentimento de António José Teixeira pareceram-me até despudorados. Deste fenómeno de unanimidade, que se evidencia pelo menos desde que se começou a adivinhar a inevitável a reeleição de Cavaco, o que me aflige mesmo é a dificuldade dos jornalistas tirarem daí as devidas ilações: o modelo semipresidencialista remete-nos para uma mistificação a respeito dos poderes e isenção do cargo. Um mito benigno para os da sua facção, maligno para os seus detractores, trágico para a Nação. Ou seja, a falta de uma Chefia de Estado orgânica é bem mais grave quando o país se acerca do olho do furacão e carece como nunca dum sólido símbolo de unidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para catástrofe já basta a realidade

por João Távora, em 13.08.11

 

O frenesi dos jornais à volta das declarações de rendimentos dos ministros e gastos na organização dos seus gabinetes, sem enquadramento ou critério editorial que não seja o sensacionalismo que sempre resulta da coscuvilhice parece-me lamentável. A evidente coresponsabilização do 5º poder na situação a que chegámos e consequentemente quanto aos desafios que nos esperam, exigiriam também ao jornalismo, no meu entender, uma séria reflexão e reformulação dos seus processos e valores. Por exemplo, num artigo de hoje do Jornal i, “Gabinetes do governo já custam mais de um milhão de euros por mês”, não encontramos uma linha, um quadro que compare, coloque sob perspetiva, os recursos despendidos pelos últimos executivos na sua organização. Isso sim seria uma investigação de interesse público que ajudaria a entender da “bondade” da atual gestão dos ministérios, e quem sabe no final talvez… se revelasse uma verdadeira “notícia”! De resto face à impopularidade das fatais medidas para a redução do deficit e controlo da dívida pública (a começar pelos tão reclamados cortes nas gorduras do Estado que inevitavelmente importunarão o “Monstro” com consequências fáceis de adivinhar), a exorbitação das mais básicas pulsões de inveja e ressabiamento no pagode afigura-se-me uma estratégia totalmente redundante. Para catástrofe já basta o que basta.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Costa, Costa! Então já não há um pouquinho de verg...

  • Anónimo

    O Costa é Costa, o Costa é hipócrita e demagogo, o...

  • Anónimo

    O peixe oficial é mais raia que o parta.Henrique P...

  • Anónimo

    Caro senhor, o Henrique Pereira dos Santos tem vin...

  • Pedro Nunes

    Já tinha saudades de ler os textos do Henrique.


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D