Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fora de série (7)

por Corta-fitas, em 27.09.07
O Pai Ingalls

No princípio dos anos 80 La Familia Ingalls – assim foi traduzida para castelhano a série norte-americana Little House on the Prairie – foi uma das séries mais amadas na Argentina. Vivia eu em Buenos Aires com os meus pais e irmãos e por isso recordar a saga de Michael Landon é lembrar-me desses tempos em Olivos. Creio até que foi a primeira série que vi. Com seis e sete anos não reparava que cada episódio encarnava os postulados arreigados da moral protestante da América. Nem me apercebia que o melodrama de uma família rural norte-americana à procura do seu lugar no velho Oeste do século XIX continuava a ser a expressão, mais de um século depois, do sonho americano. O que eu sim reparava, de maneira irreflectida claro, era na intensidade da figura do Pai – Charles Ingalls, interpretado por Michael Landon. Cada episódio explorava a tensão entre a presença e a ausência do Pai. Se Charles não estava, tudo parecia correr mal à boa família de Plum Creek - a mãe, Carolyne, e as três filhas – Mary, Laura e Carrie. Charles era a protecção, a sabedoria, a força física daquelas mulheres. Laura era de facto a protagonista – a doce rebelde e desassombrada Laura Ingalls (Melissa Gilbert). Mas era à sombra do Pai, o seu ídolo, que ela respirava liberdade. Mesmo os pícaros irmãos Nellie e Willie, filhos do ridículo e snob casal Oleson - Nels e Harriett - donos do armazém, se rendiam perante a estatura moral do Pai Ingalls. Aliás, a família Oleson era precisamente o contraponto dos Ingalls. Com os Ingalls ríamo-nos dos perversos, mas também desastrados Oleson. Com os Ingalls moralizávamos tudo e todos.
Michael Landon nunca escondeu a agenda moralista da série. Ele próprio decidiu fazer dos escritos de Laura Ingalls Wilder (Little House, 1938) um exemplo. E o que é certo é que durante nove anos consecutivos (de 1974 a 1983) a NBC fez sucesso ao defender os valores da família unida que superava sempre todo o tipo de contrariedades e até as discriminações de cara alegre. À parte o irrealismo moral, foi uma série que me prendeu à televisão e que hoje me leva a questionar o que fez desaparecer tão repentinamente a figura do Pai da cultura familiar ocidental.

Autoria e outros dados (tags, etc)



7 comentários

Sem imagem de perfil

De cfa a 28.09.2007 às 00:20

Viva, Isabel. Valeu a pena esperar.
Sem imagem de perfil

De teresa ribeiro a 27.09.2007 às 23:16

Venham mais textos assim! :-)))
Sem imagem de perfil

De João Távora a 27.09.2007 às 22:25

A Isabel devia aparecer mais vezes...
Sem imagem de perfil

De Once In a While a 27.09.2007 às 18:25

que grata recordação me trouxe este seu texto .. obrigada :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.09.2007 às 12:55

La Casa de la Pradera........
Sem imagem de perfil

De FAL a 27.09.2007 às 12:45

Isabel,

Gostei muito do seu "post". Eu também via a Casa na Pradaria por cá... Enfim, outros tempos.

Um bj
Sem imagem de perfil

De Pedro Correia a 27.09.2007 às 12:32

Excelente texto. E excelente questão, Isabel.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Aquilo que se vê na SIC beneficia o Sócrates? Mas ...

  • Tiro ao Alvo

    A César o que é de César e o resto, em primeiro lu...

  • Anónimo

    Vai repetidamente à AR, e nunca é aprovada, legisl...

  • Anónimo

    Para mim trata-se de mais uma peça que insidiosame...

  • Anónimo

    Podem dizer o que quiserem que ninguém, no seu per...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D