Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um bom ano!

por João Távora, em 30.12.07
Com mais um calendário em fim de vida útil, cheio de apontamentos, reuniões e lembretes, aniversários e recados, marcamos a passagem por mais uma etapa da nossa existência. Sem que eu seja grande devoto destas celebrações, também sou levado na onda dos balanços e balancetes. E constato que o ano que termina me foi particularmente pródigo. Assunto que assim deixa de o ser, já que como nos rezava David Mourão Ferreira n’ um “Amor Feliz” a felicidade não tem história. Mas tem, todos nós sabemos que tem. Mesmo que uma história dessas possa soar a pirraça.
E a inveja é uma coisa muito feia. E chega a ser perigosa quando vem daqueles que “não padecem” desse mal. Porque quem não sente não é filho de boa gente. Ou é esquizofrénico.
Pois então fica escrito que eu sou “em geral” muito sensível a toda a sorte de sentimentos, humanas inseguranças e desejos, dos mais luminosos aos mais obscuros.
Duvido sempre de quem se proclama democrata, justo, ou sincero. Eu, por mim sei o que custam tais atributos. Depois, com tantas emoções, aprendi à minha custa que o inferno não são os outros, ele quando arde é dentro de nós. Corrosivo e demolidor se não for bem tratado pela razão.
Mas acreditem que sobrevivo relativamente em paz, apesar de tudo. Aprendi a viver com a efervescência de tantas e contraditórias energias. Que esse é o preço de viver uma vida inteira. Até conviver com o terrível medo, ameaça constante ao livre arbítrio, mas que finalmente nos pode salvar, à beira de um precipício ou a atravessar a avenida da Liberdade.
A vida ensinou-me a temer quem se embandeira ao mundo todo puro de coração. Pior do que ser imperfeito é desconhecermos o quanto o somos. Sem nunca perscrutar as nossas motivações. E depois, só não tem ciúmes quem não ama. Quem nunca dá o peito à conquista. E afinal, para essas inegáveis maleitas da vida, basta aplicar um pouco de juízo.
O meu 2007 fervilhou de histórias e emoções. Com gente a palpitar lá dentro e com tudo o que isso implica. E foi um bom ano, graças a Deus.



10 comentários

Sem imagem de perfil

De João Távora a 31.12.2007 às 18:32

Agradeço os simpáticos comentários. Um bom ano a todos, são os meus votos!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.12.2007 às 16:32

É a continuação do Matrix para 2008.
E a ficção a tornar-se realidade.
Não é por acaso que a "guerra dos mundos" voi mais visionado do que o discurso natalício do PM.
Apesar do ar de canastrão do Tom Cruise e do ar Tenente_Armani do PM.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.12.2007 às 16:24

2007 não foi bom.
Há que manter a memória e deixar os lugares comuns (e não me refiro à praia ou ao campo).
2008 vai ser munta mau.
Como diz JFV, temos o direito a desconfiar.
Antes pessimista do que optimista troll.
Assim posso preparar-me.
Sem imagem de perfil

De Pedro Correia a 31.12.2007 às 14:32

Ainda bem. E que 2008 seja pelo menos tão bom como foi 2007.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.12.2007 às 14:16

É verdade João, os outros colaboradores que me perdoem, os seus textos ( a nivel literário) são do melhor. Todos os outros escrevem bem e em cada um deles se nota uma peculiaridade específica (p.ex. as crónica avariadas da pinha do Villalobos), mas as suas têm algo de sui generis que muito aprecio.

Um Bom Ano Novo.
Sem imagem de perfil

De Su a 31.12.2007 às 11:59

"Aprendi a viver com a efervescência de tantas e contraditórias energias. Que esse é o preço de viver uma vida inteira"

Adorei a já habitual clarividência das suas palavras e a síntese e coragem (esta sempre bem explícita ao longo de 2007) da sua mensagem, João, mas esta frase tocou-me profundamente, porque viver de verdade, implica mesmo isso!

Um Bom Ano de 2008 é o que lhe desejo, a si e a todos os corta-fiteiros.

Um beijinho

Su
Sem imagem de perfil

De Joshua a 31.12.2007 às 05:39

Abraço, João. Gosto muito de ver os seres humanos deixarem-se de tretas e não temerem manifestar-se integralmente, mesmo nas suas contradições e na consciência das suas insuficiências e defeitos.

Os nossos defeitos, by the way, são, muitas vezes, supremas e introcáveis perfeições.

Abraço, mais uma vez!

o joshua do costume
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.12.2007 às 23:34

Haja alguém que não se lamurie neste país afundado em desgraças.
Parabéns João e faço votos para que 2008 lhe fervilhe mais ainda.
Sem imagem de perfil

De st3veS. a 30.12.2007 às 22:03

bom ano a todos!!!! A serio é o que desejo...


www.codificacoes.pt.vu
Sem imagem de perfil

De teresa ribeiro a 30.12.2007 às 22:00

Bom Ano, João. Que 2008 seja pelo menos tão fervilhante como o ano que agora acaba :)

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Entendo a escolha; estava mudo!

  • Luís Lavoura

    é preciso poupar o dinheiro dos contribuintes...

  • Anónimo

    A actual ministra creio que foi chefe de gabinete ...

  • Anónimo

    gasta-se o dinheiro dos cão tribuintes em colt ura...

  • Luís Lavoura

    Benjamin Mendy disse que não se sentiu ofendidoNão...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D