Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Crónica do meu descontentamento

por João Távora, em 02.09.06
Vamos afinal de contas todos pagar alegremente discretas “Salas de Chuto” e, com sorte, um qualquer patrocinador oferecerá as seringas. E vamos todos pagar uma dose de substituição ao Zé, que um dia destes indiferente, sem anúncio no jornal, irá a enterrar algures na periferia, num frio e solitário funeral oferecido pela previdência social.

Rejubilemos! O ministro Correia de Campos apresentou há dias o Plano de Acção Contra as Drogas e Toxicodependências que inclui duas antigas e mediáticas medidas: A implementação das salvíficas “salas de chuto” e “máquinas de distribuição de seringas” nas prisões.
Não consigo compreender aquilo que me parece uma inadmissível cedência na verdadeira luta contra a droga, substituindo-a por uma hipócrita política de “controlo de danos”.
Há mais de vinte anos que, sobre diferentes prismas, quis o destino que eu acompanhasse a problemática da toxicodependência. Ao longo da minha vida, amigos meus houve que “caíram em combate”; e outros que corajosamente se levantaram para enfrentar uma longa travessia do deserto. Esta atitude não só foi conquistada pela força da sua vontade, como também impulsionada por uma impiedosa pressão social exercida pelo seu círculo social e familiar: Levanta-te que a alternativa é a sarjeta!
Mas a sociedade bem pensante quer as sarjetas da cidade bem limpas e assépticas.

Agora aceitam-se estas medidas em total desrespeito ao valor inalienável da vida e dignidade da pessoa humana, enfraquecendo a “pressão” social sobre o indivíduo toxicodependente. Estas medidas tornam-se inevitavelmente num sinal claro por parte do Estado de aceitação do “direito” (!) da autodestruição por parte do cidadão.
Pelos princípios que professo, não aceito qualquer cumplicidade com os actores deste terrível flagelo, e confesso que sinto vergonha de pagar os impostos que remuneram os iluminados e liberais burocratas autores destes sinistros projectos.

Conheço de perto quem anda pelas ruelas e becos da cidade a incentivar e recolher homens e mulheres "sem esperança" e "sem futuro". Pessoas perdidas mas que, devidamente enquadradas e acolhidas, decidem enfrentar-se numa implacável luta interior, num processo terapêutico feito de uma batalha desesperada contra os seus fantasmas e descrenças. E foram muitos os homens e mulheres que, contra todas as estatísticas, recuperaram esperança, dignidade e auto estima. E quantos anónimos "condenados" se tornaram em empreendedores cidadãos? E quantas vezes, no seu círculo, com uma inigualável “escola de vida” acabam por se destacar da mediania numa postura de responsabilidade e de exigência pessoal sem igual? Que seria feito destes rapazes e raparigas se, a determinada altura, lhes tivessem acenado com seringas, salas de chuto, drogas de substituição e – quem sabe – alguma roupa nova?

Conheci em tempos uma Comunidade Terapêutica, integrada no Estabelecimento Prisional de Lisboa. Na altura 20 homens cumpriam um exigente programa terapêutico e comportamental, na esperança de alcançarem uma outra liberdade. A distribuição de seringas é por certo mais económico que reformar as prisões, implementar alas “limpas de droga” ou incutir uma vertente terapêutica e de reeducação dos indivíduos residentes.

Vivemos uma estranha época em que antes se venera o consumidor, já não a pessoa a sua integridade ou valores. São tempos de opulência e arrogância que favorecem uma intestina competição pelo sucesso rápido e a qualquer custo. Não há lugar para derrotados.
Então, “longe da vista, longe do coração”. O nosso (coração) é para se atafulhar de imagens televisionadas, de guerras em “som surround” e assépticas catástrofes alheias - se possível longínquas - e assim expressarmos a nossa civilizada indignação.

Com o cérebro empanturrado com um qualquer “Reality Show” da moda, ou bacoca telenovela, nem olhamos à guerra que demos por perdida mesmo à nossa porta. E vamos todos pagar uma dose de substituição ao Zé, que um dia destes indiferente, sem anúncio no jornal, irá a enterrar algures na periferia, num frio e solitário funeral oferecido pela previdência social.

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Sem imagem de perfil

De AMN a 02.09.2006 às 22:06

"confesso que sinto vergonha de pagar os impostos que remuneram os iluminados e liberais burocratas autores destes sinistros projectos".

João, os liberais defendem a liberdade de cada um proceder à sua auto-destruição.

Mas, para essa liberdade, não convocam o Estado. Recusam mesmo, ao Estado, qualquer política de incentivo ou desincentivo a essa auto-destruição.

Daí que as salas de chuto estaduais, se presumem uma concepção liberal quanto à liberdade de cada um escolher o seu modo de vida, afastam-se decididamente dessa concepção no momento em que direccionam impostos de todos para os vícios de alguns.

Coisa diferente será a liberdade de estabelecimento privada de salas de chuto. Mas essas não se integrariam em qualquer política burocrática.

Um abraço,
adolfo

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Aquilo que se vê na SIC beneficia o Sócrates? Mas ...

  • Tiro ao Alvo

    A César o que é de César e o resto, em primeiro lu...

  • Anónimo

    Vai repetidamente à AR, e nunca é aprovada, legisl...

  • Anónimo

    Para mim trata-se de mais uma peça que insidiosame...

  • Anónimo

    Podem dizer o que quiserem que ninguém, no seu per...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D