Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um efeito dominó

por Maria Teixeira Alves, em 11.07.14

O processo de desmantelamento do Grupo Espírito Santo parece uma doença em fase terminal. A ES Internacional devia no final do ano passado, mais de 7.300 milhões de euros. No final de 2013, a ESI e suas subsidiárias tinham 6.039 milhões de euros de papel comercial emitido, dos quais 2.256 estava colocado junto de investidores institucionais. A principal fatia do papel comercial, 3.783 milhões foi vendida aos clientes de retalho das diversas instituições financeiras do ESFG, incluindo o BES. Mas só este tem garantias de reembolso. Porque a dívida que foi colocada em clientes dos outros bancos da ESFG, que era a holding sob escrutínio da EBA - autoridade bancária europeia, por esse mundo fora, não tem qualquer protecção. Espanha, EUA, Panamá, França, Suíça, Dubai, etc, nessas sucursais ou filiais, os clientes, alguns portugueses, o pânico generalizou-se e houve uma corrida aos depósitos. Os clientes foram obviamente fazer queixa aos reguladores locais, que passaram a ficar alerta com os bancos Espírito Santo. A corrida aos depósitos fez com que nem se consiga neste momento ter acesso às contas à ordem e depósitos a prazo. Há um pânico generalizado. Há processos crime em preparação. Isto parece não ter muito interesse porque é longe, por que é private banking (banco de fortunas), porque é pequeno. Desenganem-se. A situação dos clientes nos Estados Unidos, na Suíça, etc, foi responsável pela divulgação da notícia pelos jornais estrangeiros, pelos canais de televisão como a CNN. 

A imagem dos Espírito Santo foi hoje manchada de uma forma irremediável, lá fora. Isso é inédito para uma família como a Espírito Santo. Uma reputação internacional destruída num piscar de olhos. Esses incumprimentos dos pequenos bancos Espírito Santo nesses países têm um efeito multiplicador que não pode ser descurado.

A imagem do BES fora de Portugal pode afectar até a capacidade de financiamento do banco no mercado monetário internacional. Daí que o problema seja também nacional, porque se o mercado se fecha para o BES, quem paga é o país. Porque alguém terá de financiar o BES.

 

Há muitas coisas ainda por revelar que estão a perturbar a cotação do BES. A CMVM suspendeu a cotação e bem. O banco perdeu 600 milhões de euros em bolsa em apenas 4 horas. Porque fez bem a CMVM? Porque o valor do banco é importante não só porque está dado como colateral de empréstimos, muitos deles foram contraídos na altura do aumento de capital do BES, contraídos pelas empresas que compõem o GES, mas também porque o buraco das empresas do GES é agravado de cada vez que o seu melhor activo, o BES, desvaloriza.

O problema do GES ainda vai no adro. Porque o papel comercial da ESI e da Rioforte está a intoxicar muitas das empresas do universo financeiro do GES, para além de intoxicar outras empresas de fora, como a PT e a Inapa, e para além de intoxicar as carteiras de clientes particulares. A ESFG está numa situação muito complicada devido à exposição à Rioforte e à ES International. Para estas empresas-holdings pagarem o papel comercial a alguns clientes na data do vencimento, a ESFG financiou-as. Por isso a exposição do Espírito Santo Financial Group (ESFG) ao Grupo Espírito Santo (GES) subiu para 2,35 mil milhões de euros a 30 de Junho de 2014, mais 980 milhões do que no final de 2013. Hoje a ESFG está numa situação de quase ruptura. Próxima do patamar de falência.  A ESFG pediu para ser suspensa na bolsa. A suspensão decidida pela ESFG abrange igualmente as obrigações emitidas pela Espírito Santo Financière (ESFIL).

Com a queda do GES, caem uma série de empresas ligadas por laços de dependência com o Grupo e com o BES.

Se o Estado entrar no capital do BES, através dos famosos Coco´s, as regras são hoje mais rígidas, por exemplo os detentores de obrigações convertíveis são chamados em primeiro lugar a converter as obrigações em acções. Depois, por exigência da troika haverá remédios a aplicar para atenuar um vantagem de concorrência, e haverá um rigor maior com os créditos incobráveis de algumas empresas, que se antevê que serão imediatamente executados. Enfim, vai haver um efeito de dominó.

 

A comunicação do plano de reestruturação da ESI vai clarificar o mercado, mas nem por isso deixará sossegados os investidores em papel comercial da holding do GES. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Cfe a 11.07.2014 às 08:31

Ontem eu via o jornal num canal da tv cabo (no Brasil) e falavam, do caso. Admirei-me porque achei que a dimensão do banco não seria compatível com a queda das bolsas ao redor do mundo.


Mas se calhar justamente por isso é que irão procurar uma saída a nível europeu para o problema. Quantos BES há pela Europa fora?


Portugal irá sofrer com a mancha dessa contabilidade criativa porque se a família Espirito Santo fez isso alguem o permitiu.
Sem imagem de perfil

De José Seabra a 11.07.2014 às 10:42

O post está muito bom, mas é "efeito dominó" e não "efeito de dominó".
Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 16.07.2014 às 03:22

Obrigada, já corrigi. 
Sem imagem de perfil

De anónimo a 11.07.2014 às 15:36


Não obstante, ainda há pouco tempo RESS era apresentado - também aqui - como um exemplo de aristocrata.
Está o povoléu bem tramado com aristocratas destes. 
Se desta vez o dinheiro não foi para os terrenos do Duarte Lima nem para tapar os tóxicos da CGD  oportunamente transitados para disfarçar a gestão socialista da Caixa, deve ter deixado algum rasto. Digo eu.
 Que só estou assustado na medida em que os meus impostos vão ser outra vez aumentados para pagar - na melhor das hipóteses -   os juros da capitalização que os fundos públicos vão fazer ao BES, ou - na pior das hipóteses - para pagar o custo da nacionalização do BES para evitar a crise sistémica. 
É  que, pelo andar da carruagem, já não me chega ser anti-socialista e lutar por uma sociedade livre, de mercado e capitalista, para depois  estes gajos fazerem borradas destas e ficarem mpunes...  O capitalismo só é inteiramente livre quando os prevaricadores são castigados. Pois que é esse o único auto-controlo do mercado.
É que a reacção dos mercados internacionais já não deixa dúvidas quanto á dimensão do problema e quanto ào nível de reacção governamental necessário.
Vou pagar o buraco destra família, sem nunca me terem convidado para almoçar, sequer.  Nem sabem que eu existo.  É parecido com  o caso do Dr. Bagão Felix. Ando  há anos a pagar-lhe as diferentes pensões e ele nem um almocito no monte dele oferece â malta.
Sem imagem de perfil

De OI a 12.07.2014 às 13:38

Maria,

Como é possível o grupo ter chegado a esta situação? Para onde foi tanto dinheiro? Ainda será consequência da crise de 2008 (se a resposta for afirmativa isso significa que brevemente teremos outros BES a "arrebentar" por esse mundo fora).

Abraço,
OI
Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 16.07.2014 às 03:25

Foi possível porque o banco dava crédito sempre à família e amigos até que o Banco Portugal proibiu de dar.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Por isso desenvolve sistemas de fiscalização para ...

  • Nuno

    "Descobri-o" quando li "Portugal: Paisagem Rural" ...

  • Anónimo

    Sr.Lavoura como de costume só lavouradas!A "famigl...

  • Anónimo

    devem ter  importado parte das noivas de Sant...

  • Anónimo

    as pessoas não existem para servir 'o estado a qui...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D