Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Perder-se nas redes da multidão

por José Luís Nunes Martins, em 19.08.13

Muitos são os que passam a maior parte do seu tempo a ver o tempo passar... vítimas de si mesmos não se dão conta que a vida será uma peça de teatro onde temos de criar, representar e assistir à realização de uma obra absolutamente prima... a nossa própria existência.

 

Infinitos monólogos preenchem a maior parte do espaço e tempo disponíveis...

 

Hoje existem muitas redes onde muita gente estabelece, alimenta e vive relações... que são reais, mas não necessariamente profundas... na maior parte dos casos muitas, mas não necessariamente boas.

 

Chegar a construir e erguer um amor com alguém é uma tarefa que requer muito... nalguns pontos do processo pode até exigir uma exclusividade absoluta... é, afinal, uma escolha que implica entregar a vida inteira. Arriscadíssima, nada é garantido, nem mesmo quando tudo parece milagre. As relações verdadeiras vivem da capacidade de se abdicar de si em favor de um nós, de um eu melhor. Profundo.

 

As redes sociais permitem que as vidas se cruzem, mas não potenciam a felicidade, porque jogam na superfície...

 

Há muita hipocrisia. Escassa disponibilidade para falar e ouvir a verdade. A mentira é aceite, promovida e desejada... por todos quantos já abdicaram da autenticidade que lhe era possível dar e receber...

 

Há muita preguiça. Tendemos a colar as pessoas que chegam às nossas vidas a preconceitos... escutamos a sua história apenas e só até conseguir encaixá-la numa das nossas pré-fabricadas categorias...

 

Em busca de si mesmos, através das multidões infindas que se escondem em casa, trocam intimidade por uma popularidade tão efémera que só alguém completamente iludido pode chegar a julgar ter sequer fundo verdadeiro....

 

É necessário ser capaz de discernir valores e prioridades, compreender que o urgente é sempre adiável e o importante é que deve merecer todos os nossos recursos. Mas, tende-se quase sempre a adiar o principal, cumprindo os pequenos e insignificantes objetivos que se constituem como um excelente pretexto para justificar, até perante o tribunal da própria consciência, a inabilidade de tomar nas próprias mãos as rédeas do seu destino.

 

E assim se passam horas, semanas e anos... em angústia e desespero controlados, as vidas perdem valor... desconhecem em que ponto estão... para onde querem ir... como lá chegar. Sonham buscar-se a si mesmas, mas sem, sequer, estarem dispostas a sair do mesmo sítio... a erguer-se do sofá do comodismo que acabará por lhe enterrar cada um dos sonhos... uma casa escura...

 

Viver é algo duro e duradouro, mais pesado e demorado para quem aqui espera que a salvação lhe chegue por sorte...

 

É preciso muita humildade para aceitar a realidade tal como ela é e não como as narrativas virtuais a descrevem. Todos se julgam lógicos e racionais, mas as decisões são tantas vezes motivadas por factores estranhos à inteligência e à vontade... as circunstâncias vão determinando mais que as identidades, sem grandes por quês ou para quês... é preciso ser mais forte que todas estas inações e dar um passo adiante.

 

A vida não tem de ser um monólogo. Devemos abrir espaço no nosso coração e no dia-a-dia para o outro. Ir ao seu encontro, de braços abertos; Recebê-lo, de braços abertos. Um amigo é algo magnífico porque nos ajuda a ser mais quem somos, melhores, afinal ele já nos vê como Deus nos sonhou...

 

Se somos protagonistas ou antagonistas da nossa própria felicidade é algo que nos cumpre decidir, não com vontades ou promessas, mas com os actos (nossos) de cada dia.

 

Até perceber que a nossa casa, o nosso mundo, não é destas janelas e porta para dentro, mas... para fora... até para lá das estrelas.

 

 

 

 

 

(publicado no jornal i - 17 de agosto de 2013)

 

ilustração de Carlos Ribeiro



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Dinada a 19.08.2013 às 13:41

Mais uma vez, brilhante.
Gosto bastante de o ler e, não menos, da sensação boa que fica, depois de percorrer um texto seu.
Deixo aqui uma perplexidade que, quanto a mim, funcionará como um "resumo mental" que retiro abusivamento das suas palavras:


Passamos demasiado tempo a "perseguir o Óptimo", deixando, as mais das vezes, "cair no esquecimento o Bom".


Bem-haja
Imagem de perfil

De José Luís Nunes Martins a 19.08.2013 às 19:45

Muito obrigado...
agradeço-lhe a generosidade da sua leitura e o facto de mo ter dado a saber...
quanto ao seu desafio: parece-me excelente a colocação das ideias tal como o fez. muito boa... a excelência estará, talvez, na capacidade de aceitar a nossa condição... e de, aí, nela, ser feliz, apesar de tudo.
permita-me um agradecimento mais. Obrigado.
Sem imagem de perfil

De Dinada a 19.08.2013 às 21:04

Sou eu que lhe agradeço, José Luís, por aquilo que nos dá a ler.
:)
(nunca páre, pede-lhe uma "seguidora" sua que não compra jornais ;) )
Imagem de perfil

De José Luís Nunes Martins a 19.08.2013 às 22:41

Obrigado. Muito.
(no que de mim depender, não pararei!)

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Carlos Conde

    Há formas de pensar que revelam muito.É uma chatic...

  • Anónimo

    Ah, é o velho argumento de que perde a autoridade ...

  • henrique pereira dos santos

    Têm benefícios fiscais, têm concessões de serviço ...

  • Luís Lavoura

    sugeri que todas as organizações que recebem apoio...

  • Anónimo

    Esta coisa ou lá o que é, é uma miséria agora. é u...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D