Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Da amizade, verdadeira e finita

por João Távora, em 13.08.13

Longe de mim querer o ónus de contrariar os poetas, os idealistas e muito menos os adolescentes. Mas acontece que a verdade exige que de vez em quando lhe prestemos tributo, e é nesse sentido que vos posso garantir que a eterna amizade, tipo “encontramo-nos por aí daqui a vinte anos como se fosse no dia seguinte” é o mais das vezes um mito, talvez inofensivo, mas um rotundo mito. E acreditem no que vos digo, pois que sou um experiente especialista nisso de ter bons amigos, graças a Deus: sempre fui pessoa de grandes amizades, cada uma delas única e lealmente cultivada. De antigamente, lembro-me bem daqueles (sempre poucos é certo) que tanto me marcaram na dobra amarrotada da adolescência: das nossas cumplicidades construídas com a descoberta da vida, no erro e na virtude, das conversas intermináveis em que emergiam soluções definitivas para os problemas do Mundo e da existência, vislumbradas entre fumo e garrafas de cerveja; na interpretação dos nossos ídolos da música, da literatura e da história, como se apenas nós os entendêssemos verdadeiramente, numa egolatria partilhada e consentida. E as emoções vividas em estados limites de exaustão, nas noitadas; de arriscadas e arrepiantes façanhas e aventuras, estados d’alma que sempre convidam ao arrebatamento e ao exagero de juras de fidelidade siamesa, mais-que-eterna, quase sólida.
Mas depois sem pré-aviso, os caminhos desviam-se de forma mais ou menos subtil e a vida separa-nos com uma intrigante naturalidade. Vêm os amores, os casamentos, os filhos e novas famílias. Chegam trabalhos mil, conquistas, falhanços e frustrações. Sim, são possíveis amizades para toda a vida (sei que o meu pai teve uma assim) mas hoje sou obrigado a admitir que mesmo terminadas não deixaram de ter sido genuínas. Deixaram de ser “praticadas”, enterradas que foram após um fortuito reencontro, quem sabe embaraçador, em circunstâncias inesperadas: acontece que vinte ou quarenta anos depois já não somos as mesmas pessoas, o tempo e as circunstâncias fizeram de nós pouco menos do que estranhos, quando já só nos queríamos preservados e incorrompidos nas respectivas memórias. Cúmplices num sentimento incómodo de estranha incompatibilidade, que o bom e velho amigo nunca irá cobrar esta primeira e última traição: "amigo não empata amigo" (frase detestável, esta), a vida continua imparável presenteando-nos cruamente com novos bons amigos, poucos, que isso é da sua natureza. 

 



1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.07.2018 às 20:42

Quero uma fita 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • henrique pereira dos santos

    Quem? Isabel Camarinha? Sim, é o que digo no texto...

  • Anónimo

    pelo seu comentario se calhar nunca trabalhou para...

  • Anónimo

    Sem dúvida, um excelente texto. Que bem fundamenta...

  • Anónimo

    Não é parva não Senhor...Dizem que pró ano, nos ós...

  • Anónimo

    chamar a Holanda um pais civilizado é uma pura abe...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D