Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ainda não, ainda não ...

por José Mendonça da Cruz, em 21.06.13

Dilma Roussef proclamou do alto do seu medo que o Brasil acordou mais forte, e, em resposta às manifestações, prometeu mais educação gratuita, mais bolsas, mais viagens para o estrangeiro.

Nem se esperava que a resposta de qualquer esquerda consistisse em algo diferente das exactas ilusões com que cava problemas e arruina países.

Mas Dilma precipitou-se. A rua que ela diz que vai ouvir é uma mistura heterogénea, uma mistura tão pouco mobilizável como o nosso 15 de Setembro.

As manifestações do Brasil estão cheias de uma contraditória mistura de penduras e dos que estão fartos de os pagar. Estão cheias de penduras do «bolsa família», penduras do «minha casa minha vida», penduras do «minha casa melhor», penduras anafados dos créditos superbonificados para viver sem trabalhar, penduras dos que compram casa e electrodomésticos sem orçamento para os pagar, penduras que, à cautela, já vão gritando por seus «direitos», sua «justiça», seus «transportes gratuitos». Mas as ruas também estão cheias dos que estão fartos de pagar: fartos de pagar os embustes de crescimento à força de obras faraónicas, as ilusões de erradicação da pobreza à custa da engorda obscena do funcionalismo e das burocracias, a corrupção dos que enchem a boca de «solidariedade» e os bolsos de luvas - e ainda se intitulam, com sarcasmo dilacerante, de Partido dos Trabalhadores.

Mas ainda não. Dilma ainda pode descansar. A coincidência dos penduras com a gente que desejaria um país decente é só efémera.

Mas em 2015 não será. Já hoje, o crescimento do Brasil (nos dois dígitos há anos, nos 9% há um) caíu abaixo do 1%. Já hoje a inflação que o estadista Henriques Cardoso domou, espreita, animada pelos gastos perdulários (e os desvios milionários) dos Lulas e das Roussefs. Já hoje o superavit orçamental galopa para o défice. E em 2015, os estádios, as estradas, os aeroportos, as bolsas, o peso e o arcaísmo da máquina estatal, a venalidade e a corrupção estarão a pagamento. E o povo brasileiro será recordado de que não há almoços grátis e o dinheiro não aparece sempre (mas não a esquerda - a esquerda não aprende nunca).

País irmão, de facto... Conhecemos isto tão bem...

Conhecemos tão bem mesmo que não sobra nem réstea de dúvida de que, quando a direita, talvez sob o nome de Aécio Neves, tiver que pôr ordem na ruína, o sucessor de Dilma há-de criticar descaradamente as políticas de salvação. E há-de propor em alternativa, uma «política de crescimento», uma «política para as pessoas». 

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.06.2013 às 10:53

défice yada yada yada superavit esquerda co'horror co'horror penduras blá blá e daqui a nada a dilma ainda põem pretos, favelados, vagabundos e sabe-se lá que mais a estudar yada yada cagar postas de pescada à césar das neves a esquerda e os pobres blá blá co'horror.
é isso, mendonça. esta coisa de a democracia funcionar, de governantes se verem forçados a trabalhar para quem os elegeu, é absolutamente chocante. Estamos melhor aqui no burgo, gerações perdidas, um futuro sem esperança esmagado debaixo das botas de intelectualóides a tratar cinismo e falta de humanidade como ideologia. 
Imagem de perfil

De José Mendonça da Cruz a 22.06.2013 às 15:13

há vida para além do défice yadayada e aliás o défice nem existe yadayada o dinheiro aparece sempre yadayada os indicadores económicos não traduzem políticas e eventos são só magia negra yadayada uma política «de afectos» é aquela que gasta o que não há yadayada quando não houver mais tira-se «aos ricos», aos que pouparam, «aos mercados», ao «casino», «aos alemães» daaaaaa a economia nem existe blhabadu se eu tiver 100 e gastar 3000 a culpa é da direita duh. É assim o mundo disfuncional deste anónimo, é a isto que ele chama democracia. E quem não acreditar é César das Neves, perverso, explorador, feio, porco e mau.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.06.2013 às 19:36

Sem ser sobre estte assunto é bom lembrar um dos periodos da nossa recente História, ler:


"Descolonização de Angola" - Alexandra Marques

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Salva qualquer um com magros resultados no balanço...

  • Anónimo

    o pescador é um predadoranualmente são lançadas no...

  • Anónimo

    os seres humanos anteriores à agricultura morriam ...

  • António

    A I.L. pode não ter amarras, mas tem tiques. Não f...

  • Anónimo

    Não havendo escrúpulos,sem atenção à diversidade d...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D