Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pai...

por Luísa Correia, em 19.03.13

(Na Gulbenkian...)

"A minha alegria em velho consistiria em ter aqui meu Pai para falar com ele. Não é só saudade que sinto: é uma impressão física. Agora é que acharia encanto até às lágrimas em termos a mesma idade, conversarmos ao pé do lume e morrermos ao mesmo tempo"… (Raul Brandão)

Autoria e outros dados (tags, etc)



4 comentários

Imagem de perfil

De João Távora a 19.03.2013 às 17:31

Lindo de morrer. Grande Raul Brandão!
Vou roubar, Luísa. 
Imagem de perfil

De Luísa Correia a 20.03.2013 às 00:27

Não é, João? E é exactamente o que sinto.
Sem imagem de perfil

De Bloguista Atento a 19.03.2013 às 21:21

Do magnífico Luiz de Mont'André in www.maquinadelavax.blogspot.com:



Os portugueses sempre nos preocupamos de saber como nos vêem os outros, talvez até demasiado, sobretudo entre os escóis (alguns praguentos chamam-lhes por vezes escolhos…), que muitas vezes têm projectado uma imagem das coisas pátrias captada por olhos (ou óculos) estrangeiros, ou, pior ainda, pelo que julgam ser esse olhar, num jogo de espelhos que reflectem tanto imagens autênticas como factícias. E geralmente quem costuma ver-se a si próprio pelos olhos de outros corre o risco de ficar… malvisto. Porque mais entende o sandeu do seu do que o sábio do alheio, como o lembra Manuel da Costa na Arte de Furtar, e aliás constará da sabedoria das nações. E nem a própria síntese de Aubrey Bell deixa de avultar este pendor: «Os Portugueses, povo altivo e entusiástico, com certo amor da pompa e da aventura e uma receptividade ateniense, habitantes de extenso litoral e sem fronteiras definidas, foram naturalmente sujeitos a influências externas.»

Mas est modus in rebus, e a consulta da opinião estrangeira em doses moderadas não empanará a vista que se mantenha implantada no «seu», sem confundir perspectivas nem circunstâncias. E, justamente, pareceu-me que nesta história inglesa da literatura lusa o que em geral mais e melhor se apreciou foram os autores que revelaram maior autenticidade e sintonia com a sua circunstância portuguesa.

Com efeito, afora os nomes óbvios que resumem uma época, a simpatia e interesse do nosso inglês foi para autores como - Jorge Ferreira de Vasconcelos: «É difícil encontrar outro escritor português que nos dê ideia tão nítida da época – desta última pujança da grandeza de Portugal – ou daqueles bravos, amorosos e sonhadores portugueses que consideram o Amor tão exclusivo monopólio do seu país como o foram o marfim ou as especiarias da Índia»;
Imagem de perfil

De Luísa Correia a 20.03.2013 às 00:28

Obrigada pela sua visita, Bloguista Atento.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    O que eu mais desejo é que o André Ventura contrib...

  • jonhy

    CaDA UM DEFENDE OS SEUS INTERESSES. Já Portugal te...

  • Anónimo

    Preso por ter cão, preso por não ter cão?. Pobre T...

  • Anónimo

    O Público, essa folhinha de esquerda, diz hoje que...

  • Anónimo

    ...e, antigamente até, as cartas de recomendação e...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D