Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Diário Económico publicou ontem um notável artigo de Olli Rehn, o comissário europeu dos assuntos económicos, que vale bem a pena ler na íntegra.

Escreve este responsável europeu que “O programa de ajustamento económico de Portugal entrou na segunda fase com progressos significativos, que reforçam a perspectiva de vir a ultrapassar esta crise sem precedentes. O país tem conquistado confiança entre os seus parceiros internacionais e essa crescente confiança traduzir-se-á em ganhos para a economia portuguesa através de um modelo de crescimento mais equilibrado e sustentável, que produzirá mais e melhor emprego.”

Reconhecendo estar “consciente das dificuldades que muitos cidadãos portugueses enfrentam”, designadamente porque “Muitos perderam o emprego ou foram afectados por cortes nos salários ou nas pensões” e que, por isso, “Têm o direito de esperar por políticas económicas responsáveis que salvaguardem o bem-estar das gerações presentes e futuras”, Olli Rehn não deixa de sublinhar que “É esse o principal objectivo do programa de ajuda financeira e de ajustamento económico da UE/FMI, ao qual está também inerente a reposição da confiança numa economia que desde há muito tempo vem a deteriorar-se.”

Ao contrário dos incendiários de esquerda e dos derrotistas e acomodatícios de todos os quadrantes cá do burgo, o comissário nota que o “Forte empenho, perseverança e amplo consenso político e social serão decisivos para que a correcção dos desequilíbrios económicos e financeiros seja alcançada com êxito.”

Recorda que “Em 2011, Portugal estava na iminência da bancarrota e solicitou apoio à UE e ao FMI para evitar uma correcção abrupta, que teria tido consequências económicas e sociais extremamente graves” e sublinha que “A situação da economia portuguesa está a melhorar, embora não existam soluções rápidas”, tendo a União Europeia decidido “conceder mais um ano a Portugal para reduzir o seu défice orçamental.”

E se reconhece que “Os progressos alcançados desde então são notáveis”, avisa que “Apesar de tudo, ainda há muita coisa por fazer. O Orçamento para 2013 contempla medidas difíceis para todos os cidadãos portugueses. Serão necessários mais esforços de consolidação orçamental em 2014. Nos últimos decénios, Portugal cimentou um conjunto louvável de serviços públicos, embora estes fossem, em grande medida, financiados pela dívida acumulada. Para salvaguardar esta rede de bem-estar, é necessário encontrar novos modelos organizacionais, mais eficientes e justos, mas que também promovam o crescimento.”

A conclusão é categórica: “No geral, as reformas em curso em Portugal abrem caminho ao optimismo (…). A determinação em implementar a agenda de reformas será decisiva para Portugal regressar à prosperidade”.

Por mim, não duvido que esta importante declaração de confiança da União Europeia no esforço nacional será olimpicamente ignorada por todos aqueles - e são infelizmente muitos - que não desistem de voltar à vida velha do despesismo, da irresponsabilidade e do fartar vilanagem.

Só posso pois esperar que a força de carácter dos Portugueses deixe esses velhos do Restelo a falar sozinhos, por se saber bem que, ao defenderem o status quo do passado, mais não pretendem que manter os seus privilégios e deixar o dilúvio para as futuras gerações. Se os ouvirmos não vamos lá.



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Vasco M. Barreto

    Caríssimo, Tendo em conta que passa a vida a escre...

  • Vasco M. Barreto

    As minhas desculpas: o post em causa é de um outro...

  • Vasco M. Barreto

    A propósito de verdade, apagou nas últimas horas u...

  • Anónimo

    https://observador.pt/opiniao/o-povo-merece-a-arro...

  • Anónimo

    Acho que está enganado: os portugueses são uns pap...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D


    subscrever feeds