Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma intervenção notável

por Rui Crull Tabosa, em 28.09.12

Num tempo em que tantos demagogos e comentadores profissionais tudo fazem para denegrir o trabalho do Governo e apoucar o enorme esforço dos Portugueses na redução do défice público, Fernando Ulrich prestou ontem um excelente serviço ao País, ao sintetizar em números o “notável” ajustamento que Portugal estar a levar a cabo.

E que disse Fernando Ulrich?

Começou por lembrar que “O défice orçamental, sem medidas extraordinárias, em 2009 e 2010 foi praticamente igual 17 mil milhões de euros, o que representou 10,2% do PIB num ano e 9,8% no outro. Em 2012, aquilo que se estima, sem medidas extraordinárias é um défice de 10 mil milhões de euros, 6,1% do PIB. Desde 2010 até 2012, o défice, sem medidas extraordinárias, reduz quase sete mil milhões de euros em dois anos, o que são quase 3,7 pontos percentuais de PIB e, a primeira coisa que temos de assumir é que é um resultado muito bom em qualquer parte do mundo”.

Por sua vez, o “défice sem juros e sem medidas extraordinárias foi à volta de 12 mil milhões de euros em 2009 e em 2010, que dá cerca de 7% do PIB em cada um dos anos”, sendo que, prosseguiu Fernando Ulrich, “Em 2012, será de menos 1600 milhões de euros, menos 1% do PIB. É um ajustamento de 10,4 mil milhões de euros em dois anos o que representa seis pontos percentuais no défice primário e sem medidas extraordinárias. Isto é notável e é um motivo de orgulho para todos os portugueses, estejam no Governo, estejam na oposição”.

E o presidente do BPI referiu-se, ainda, à despesa primária que, “sem juros e sem medidas extraordinárias, ela atingiu o pico histórico 83 500 milhões de euros em 2010, 48,4% do PIB. Este ano deverá atingir pouco menos de 70 mil milhões, ou seja, 41% do PIB. São menos 13.700 milhões de euros, em dois anos, o que são 8,2 pontos percentuais de PIB”.

É evidente que estes números não interessam à oposição – desde o Partido Socialista ao partido dos comentadores –, que, descaradamente, exploram as dificuldades da população e tentam novamente enganar os incautos com conversa fiada e discursos de bota-abaixo ou dos amanhãs que cantam.

Como Ulrich, quando vejo nas televisões essas ‘personalidades’ a “comentar a situação portuguesa mas sem atentar aos números”, apetece dizer que “prefiro ver a Gabriela”...

Autoria e outros dados (tags, etc)



8 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 28.09.2012 às 16:06

Sinceramente, cada vez mais me apetece velos dentro de um avião na Portela, com um bilhete de ida sem volta.
Sem imagem de perfil

De Mario a 28.09.2012 às 17:44

Tudo está bem então!!!! Enfim!!!!
Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 28.09.2012 às 19:57

Não, claro que não!
Mas está seguramente melhor do com aqueles - o PS - que conduziram o País à bancarrota com obras inúteis e milionárias. Ou não lhe parece?
Imagem de perfil

De makarana a 28.09.2012 às 20:46

já estamos em crise ha quase 40 anos, por culpa tanto de rosas como de laranjas.No entanto, como já referi, sócrates foi o unico primeiro ministro que se aproximou dos 3 % 
Essas receitas da execução orçamental tss tss.. não deviam ter aumentado impostos, cumprindo o vosso programa eleitoral
Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 28.09.2012 às 22:08

Terá razão no que se refere ao regabofe dos últimos 40 anos, para o qual contribuiram tanto eleitos como eleitores.
Agora quanto ao défice de 3% foi tão sustentável que em 2009 o mesmo Sócrates o atirou para os 10%. Estamos conversados e nem vale a pena falar das célebres PPP e dos outros desmandos do menino de oiro do PS.
E claro que não se deviam ter aumentado impostos e a Troika que se lixe e também os reformados, os funcionários, o SNS, etc. que não precisavam do dinheiro emprestado para nada... (note que já ninguém nos emprestava dinheiro e foi por isso que o PS pediu ajuda internacional).
Um pouco de memória, sff.
Imagem de perfil

De makarana a 29.09.2012 às 13:45

se o rui desconfiar dos 3%, em 2007,sugiro que vá ver ao eurostat.Ponto.
Quem contribuiu para o regabofe não foram nada os eleitores, mas sim os governantes, incluindo do psd que prometeram nestas eleições um determinado tipo de medidas e tomaram outras, traindo os eleitores.
Não, não se deviam ter aumentado impostos, medida essa que foi errada e inútil.como se ve pela receita.Aconselho o rui a ver o conceito de curva de laffer
Antes, pediria ao governo que substituisse os aumentos de impostos, por mais cortes extra na despesa
Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 29.09.2012 às 15:09

Não leu bem: não pus em causa o défice de 2007, mas sim a sua sustentabilidade e verdade. É fácil ter-se um défice de 3% quando se não pagam dívidas (ex. saúde onde o TContas identificou cerca de 3 mil milhões de euros relativamente a 2010, o que representa quase 2% do PIB, e esse valor é obviamente acumulado). ponto, portanto.
Foram também os eleitores, sim, que votaram em quem lhes mentia prometendo sempre mais e mais direitos, tipo 'as pessoas não são números', etc, com rendimentos mínimos e obras faraónicas à mistura. só em 2009 Ana Jorge estoirou 50 mil euros na cerimónia de lançamento da 1.ª pedra do novo Hospital de faro que será construído daqui a umas décadas...
Quanto a não haver subida de impostos, nem lhe respondo. Não percebeu ainda: se não existisse esse aumento fechavam-nos a torneira e os reformados, funcionários, o próprio estadso deixava de ter dinheiro para as funções mais básicas. É terrível quando se não quer ver a realidade.
Cortes extra na despesa? Vai tê-los, não duvide, e cada vez mais.
Imagem de perfil

De makarana a 29.09.2012 às 15:37

"É fácil ter-se um défice de 3% quando se não pagam dívidas (ex. saúde onde o TContas identificou cerca de 3 mil milhões de euros relativamente a 2010, o que representa quase 2% do PIB, e esse valor é obviamente acumulado). ponto, portanto."
Pois pois, desculpas.Se fosse como voce diz, o eurostat tinha aumentando o défice desse ano


"Quanto a não haver subida de impostos, nem lhe respondo. Não percebeu ainda: se não existisse esse aumento fechavam-nos a torneira e os reformados, funcionários, o próprio estadso deixava de ter dinheiro para as funções mais básicas. É terrível quando se não quer ver a realidade.
Cortes extra na despesa? Vai tê-los, não duvide, e cada vez mais."
Não me responde porque nao tem argumentos para dar. E porque não cortar a despesa em vez de ter aumentado impostos, que fizeram com que as receitas caissem? Então mas os senhores sempre criticaram o ps por ter aumentado os impostos ,e agora aplicam a mesma receita que o ps aplicaria? O vosso programa eleitoral prometia o corte nas pp, fundacoes, e rendas da energia,  organismos/institutos, e pouco ou nada fizeram a isso.
Então mas naõ era o estado que era gordo e não os privados? As pessoas já fizeram o seu ajustamento , agora é a vez do estado,
Quanto a ser no futuro, já vi voces no psd prometerem isso e mais, e nunca passou do mero paleio.Mais trabalho e menos lingua

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Aurélio Buarcos

    Trabalhar que é bom é que 'ta quiieto.Na melhor da...

  • João Távora

    Podia ser assim o final: "em consequência, a esque...

  • António

    Estavam todos na ADSE a tramar o João Távora.

  • António

    Começa a ser interessante o expediente brasileiro ...

  • Anónimo

    o mal do ex-mundo rural é ter  levado um pont...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D