Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Será que aprenderemos algum dia?

por João Távora, em 18.09.12

 

A ameaça de revoluções e outras quimeras é maioritariamente sustentada por aqueles que vêm ameaçados os privilégios oferecidos pelo regime que agora não os consegue garantir. A História comprova que as revoluções (além de destrutivas) são sempre ortopédicas, servem para perpetuar ou acentuar os vícios que emanam organicamente da realidade cultural da comunidade. 
Aqueles que se vêm obrigados a esfalfar, a cada mês, para garantir o sustento da sua família não têm disponibilidade para esses devaneios. Mudar o mundo é lento e dá muito trabalho porque isso começa na respnsabilidade e atitude de cada um perante a vida.



2 comentários

Sem imagem de perfil

De Fernando Lopes a 18.09.2012 às 11:36

Bom, parece que você já aprendeu de fonte e ciência certas, embebedando-se não só na política como numa pseudo-psicologia coletiva. A história deve comprovar-lhe, a si em particular, alguma experiência que tenha feito domesticamente – quem sabe, laboratório privativo – sob o assomo do delírio. Depois, como efeito colateral, saiu-lhe uma retórica mal amanhada. Agora veja lá se se decide: ou ficamos neste pé, mantendo os privilégios garantidos deste regime – como afianca –, ou mudamos sob o signo da quimera. Seria bom você partilhar os seus ensaios sobre as provas históricas com que confidencia, senão a coisa é esotérica. E não se esqueça, além da ortopedia – com aquelas intervenções especializadas em cima dos ossos, que mais parecem a chibatada para nos depravar -, de publicitar a teoria da clínica geral, que andamos tão mal de vícios orgânicos e de cultura tão perversa que carecemos urgentemente de uma terapia de consciência. Já quanto àqueles que se vêem obrigados a esfalfar, cada mês, para garantir o sustento, é bom consolá-los na rotina perene, que assim não lhes assaltará patologia alguma nem qualquer utopia destrutiva, garantindo que se esfalfem eternamente, em santidade e pureza, numa imaculada agonia até ao fim dos dias, que talvez sejam salvos, porque essa árdua e piedosa caminhada inicia dentro deles. Essa lenta mudança do mundo deverá ser só intestina, porque o resto, a exterior, comporta perigos – não vão eles agarrar-se a alguma prerrogativa caída do céu que depois não queiram largar…


Fernando Lopes

Sem imagem de perfil

De EMS a 18.09.2012 às 14:17

Historicamente as revoluções têm partido exactamente daqueles que não são preveligiados pelo regime (mas gostariam de o ser). E apoiados por aqueles que têm que se esfalfar pelo seu sustento mas não o conseguem devido ao desinteresse ou incompetência do regime vigente.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Na bicha, minha senhora, na bicha.Recusar colonial...

  • Luís Lavoura

    uma acção coerciva de uma violência brutal, sem cu...

  • Luís Lavoura

    Sim, Marina, as pessoas em Lisboa estão todas borr...

  • Anónimo

    https://observador.pt/opiniao/retorno-ao-normal-de...

  • Anónimo

    Deu-se ao trabalho de verificar as credenciais de ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D