Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




50 anos

por João Távora, em 24.04.24

Evidentemente saúdo a democracia recuperada há 50 anos no 25 de Abril - quase desbaratada de seguida. Afinal, foi ao tempo da monarquia liberal, ao longo do século XIX, que se ensaiaram os primeiros e acidentados passos duma democracia moderna, um processo interrompido com o regicídio e a 1ª república.

Para celebrar o nosso regime liberal representativo não são necessários exercícios infantis de diabolização do passado. Acontece que não nos aliviam a consciência das misérias e preocupações do presente, uma delas com a Liberdade.


4 comentários

Imagem de perfil

De O apartidário a 24.04.2024 às 20:57


O aniversário do regime (artigo de Abril de 2023)

"Abril produziu uma geração de políticos incultos e demagogos que, sem nenhum pudor, afastaram progressivamente aqueles que ainda se reconheciam por alguma verticalidade e noção de dever, passando a gerir o País de igual modo como o fariam numa qualquer agremiação recreativa.

Focados na política espectáculo, governam para as televisões e ao sabor das sondagens e da opinião publicada, tendo como exclusiva preocupação as eleições seguintes e estando-se a borrifar para o legado a deixar às gerações futuras.

Pensa-se apenas no dia de hoje e ignora-se por completo o dia de amanhã!

A democracia de Abril menospreza por inteiro os problemas que condicionam o nosso crescimento económico e social, preferindo focar-se nas causas que não põem comida na mesa dos portugueses, como o aborto, a eutanásia, os casamentos homossexuais, a adopção de crianças por casais homossexuais e agora, mais recente, a última moda, a oportunidade dos miúdos poderem escolher, em ambiente escolar, o género com que se identificam, seja lá o que isso for!

A ideologia do género impôs-se ao aumento da produtividade, daí estarmos cada vez mais empobrecidos e com uma sociedade dividida e fracturada.É esta a herança da revolução que os politiqueiros do sistema se preparam para comemorar."

Mais aqui https://sol.sapo.pt/artigo/797540/o-aniversario-do-regime


PUBLICADO POR O apartidário ÀS 20:29



    Sem imagem de perfil

    De Anonimus a 25.04.2024 às 11:30

    Focados na política espectáculo, governam para as televisões e ao sabor das sondagens e da opinião publicada, tendo como exclusiva preocupação as eleições seguintes e estando-se a borrifar para o legado a deixar às gerações futuras.



    Sim, fenómeno exclusivamente português...
    Sem imagem de perfil

    De lucklucky a 24.04.2024 às 22:53

    Tenho a certeza que ninguém vai falar que de 1 ditadura o 25 de Abril criou 7 ditaduras só em 25 de Novembro reduzidas a 6...

    E também ninguém vai falar dos mais de 1 milhão de mortos em África pós 25 de Abril. 
    Sem imagem de perfil

    De Anónimo a 25.04.2024 às 21:30

    " Se alguém quisesse acusar os Portugueses de cobardes, destituídos de dignidade ou de qualquer forma de brio, de inconscientes e de rufias, encontraria um bom argumento nos acontecimentos desencadeados pelo 25 de Abril.
    Na perspectiva de então havia dois problemas principais a resolver com urgência. Eram eles a descolonização e a liquidação do antigo regime.
    Quanto à descolonização , havia trunfos para a realizar em boa ordem e com vantagem para ambas as partes : o Exército Português  não fora batido em campo de batalha; não havia ódio generalizado das populações  nativas contra os colonos ; os chefes dos movimentos  de guerrilha eram em grande parte homens de cultura portuguesa ;  havia uma doutrina, a exposta no livro "Portugal e o Futuro" do general Spínola, que tivera a aceitação nacional, e poderia servir de ponto de partida para uma base maleável de negociações. As possibilidades eram ou um acordo entre as duas partes , ou, no caso de este não se concretizar, uma retirada em boa ordem, isto é, escalonada, ordenada e honrosa.
    Todavia, o acordo não se realizou, e retirada não houve, mas sim uma debandada em pânico, um salve-se - quem - puder.
    Os militares portugueses , sem nenhum motivo para isso, fugiram como pardais, largando armas e calçado, abandonando os portugueses e africanos que confiavam neles. Foi a maior vergonha de que há memória desde Alcácer Quibir.
    Pelo que agora se conhece, este comportamento inesquecível e inqualificável deve-se a duas causas . Uma foi que o PCP, infiltrado no Exército, não estava interessado numa retirada em ordem, mas num colapso imediato que fizesse cair esta parte da África na zona soviética.. O essencial era não dar tempo de resposta às potências ocidentais. De facto , o que aconteceu nas antigas colónias portuguesas insere-se na estratégia africana da U.R.S.S , como os acontecimentos subsequentes vieram mostrar.
    Outra causa foi a desintegração da hierarquia militar a que a insurreição dos capitães deu início e que o MFA explorou ao máximo, quer por cálculo partidário, quer por demagogia, para recrutar adeptos no interior das Forças Armadas.Era natural que os capitães quisessem voltar depressa para casa. Os agentes do MFA  exploraram e deram cobertura ideológica a esse instinto das tripas, justificaram honrosamente a cobardia que se lhe seguiu. Um bando de lebres espantadas recebeu  o nome respeitável de "revolucionários".


    Parágrafos iniciais do artigo de António José Saraiva , publicado no DN  de 26-1-79, com o título " O 25 de Abril e a História".
    O texto completo pode ser encontrado em "Os Filhos de Saturno"...


    Juromenha

    Comentar post



    Corta-fitas

    Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

    Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



    Notícias

    A Batalha
    D. Notícias
    D. Económico
    Expresso
    iOnline
    J. Negócios
    TVI24
    JornalEconómico
    Global
    Público
    SIC-Notícias
    TSF
    Observador

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Comentários recentes


    Links

    Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D