Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Logo a seguir à entrevista do primeiro-ministro Passos Coelho, ontem, na TVi, aprendemos imediatamente as deixas da esquerda, seguidamente entoadas pelos jornalistas e comentadores do costume: «a entrevista não tem nada de novo», «a entrevista foi muito técnica e nada política».

É compreensível.

Passos Coelho explicou detida e claramente o que se passou com os cortes de 13º mês no funcionalismo e nas empresas públicas, mas é compreensível que muitos jornalistas não vejam nisso nada de novo. Admiti-lo seria confessar que o tema estava muito mal explicado ou intencionalmente confundido. Isto aconteceu, aliás, a propósito de muitos temas levantados por Judite de Sousa, que foram explicados e não o estavam.

Passos Coelho explicou detida e claramente o que se passou e vai passar-se nas negociações para acabar com «rendas excessivas» no sector energético e nas PPPs em geral, mas é compreensível que muitos jornalistas considerem o tema velho. Considerá-lo novidade seria admitir que ele estava incompetente ou intencionalmente confundido, favorecendo a rábula segurista de que o governo é forte com os fracos e etc. (Quem, aliás, visse a entrevista sobre este tema, ontem à SicNotícias, do secretário de Estado dos Transportes teria tido amplas oportunidades de ficar animado e esclarecido).

Passos Coelho foi, depois, rigoroso, acerca de execução orçamental, despesa e receita, venda de dívida pública, cumprimento do memorado de entendimento e condições de extensão de prazo ou empréstimo, défice, desemprego e reformas estruturais. Mas compreende-se que esse rigor e secura sejam vistos como «técnica». Vê-los como política séria seria confessar que política era o mercado abastecedor de ilusões, irresponsabilidade e mentiras em que se constituiu o governo Sócrates.

Passos Coelho foi rigoroso ainda ao afirmar que o pior ainda não passou, e ao insistir que evoluções económico-financeiras alheias à nossa vontade podem exigir novas medidas. Sublinhou sempre que era um último recurso, e que nada faz prever tais medidas no momento. Mas a dificuldade em lidar com a língua portuguesa quando despojada de artifícios e usada de forma exacta levou a que muitos jornais abrissem com a afirmação de que Passos Coelho não garante que não haja novas medidas de austeridade -- uma total inversão lógica.

E é claro que nenhum dos jornalistas ou comentadores mais rosados compreendeu que esta possibilidade longínqua e condicional de mais austeridade é uma espada de Damocles, é o melhor instrumento de contenção das ilusões almofadísticas do PS, e é, portanto, «política» da mais evidente.

Por fim, foi só timidamente apontado aquilo que esteve por demais evidente: que Passos Coelho está muito sólido e informado. É compreensível que doa a muitos jornalistas e comentadores verificar isso mesmo, e que o calem. Felizmente que não parecemos correr o risco de ter Ricardo Salgado a dizer outra vez que «temos um grande primeiro-ministro» -- desse-se esse caso, e a certos jornalistas e comentadores ia doer demasiado. Já lhes basta terem que inflamar-se (ou dar provas de um intrigante nervosismo) de cada vez que alguém explica como é que chegámos à beira da ruína, ou seja, como é que governou o PS.

    

Autoria e outros dados (tags, etc)



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Mas também a 29.03.2012 às 12:33

Muitos temas levantados pela d. Judite, que, aos 51, gosta de se fazer passar por rapariga nova, já tinham sido levantados mais vezes que muitas e insistir neles não adiantava, evidentemente, nada.
Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 29.03.2012 às 14:21

Excelente Post, caro José!
Sem imagem de perfil

De bst a 29.03.2012 às 16:40

A entrevista não foi boa.
Passos Coelho teve uma atitude defensiva-agressiva, quando com uma frase podia ter calado a entrevistadora, que parecia estar apenas interessada em que o PM admitisse que não poder garantir que não houvesse mais medidas de austeridade.
E posia ter calado, como depois acabou por calar, lembrando que estamos falidos e por culpa daquele senhor com quem ela era tão subserviente.
Sem imagem de perfil

De O Falso Rei das Pampas a 29.03.2012 às 18:09

O Secretário de Estado de que falas foi o bacano que deu aquela gorjeta à Lusoponte ?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Sem dúvida. A Constituição em vigor -obra de socia...

  • Anónimo

    Os meninos da geração dos "flocos de neve" são os ...

  • Anónimo

    Concordo com os comentários «Anónimos», vale bem a...

  • Anónimo

    Com o devido respeito pelas opiniões contrárias, e...

  • Anónimo

    A verdade não é determinada por um voto maioritár...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D