Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O artigo de opinião de Pedro Silva Pereira já foi motivo de um post muito engraçado no blog 31 da Armada, mas não posso deixar de ironizar quando um membro do Governo que dava elevados plafonds de crédito aos seus ministros a título de "despesas de representação e prémios, condecorações e ofertas", e ao que consta cada responsável se abarbatou dos presentes obtidos em visitas de Estado como se fossem seus por direito, quiçá ao abrigo de uma convicção de que "O Estado Sou Eu", venha agora dar o exemplo do faqueiro de prata que (muito poucos) herdam da família, para se manifestar contra a lei.

Diz o ministro de Sócrates que "É manifesto o absurdo: todos sabemos como é frequente as pessoas terem algum património cuja origem, embora lícita, se vai tornando cada vez mais difícil ou impossível de determinar pelos próprios - e mais ainda pelo MP: a jóia de ouro que foi da bisavó e passa de geração em geração; o faqueiro de prata incompleto oferecido pela tia que já faleceu; as peças de cristal guardadas no armário, bem como outras prendas, às vezes em dinheiro, recebidas no casamento; o quadro que se comprou num mercado africano e toda uma infinidade de outros bens de cuja aquisição não se guardou o respectivo recibo. E isto já para não falar no caso da senhora que tem um colar valioso oferecido por um amante "indeterminado" ou nos múltiplos casos de rendimentos de origem lícita simplesmente não declarados ao fisco (omissão já punida, como tal, em sede fiscal)."

Será que do património "cuja origem, embora lícita, se vai tornando cada vez mais difícil ou impossível de determinar pelos próprios - e mais ainda pelo MP" fazem parte as peças valiosas que os chefes de Estado de outros países, embaixadores, empresários, etc deram aos membros do Governo de Sócrates e que ficaram em casa de quem os recebeu?



5 comentários

Sem imagem de perfil

De vitor conde a 20.02.2012 às 17:48

Boa Tarde,
Em relação ao artigo só tenho que dizer o seguinte, isto faz-me lembrar o que os antigos diziam.
UMA MENTIRA REPETIDA PASSARÁ A VERDADE. Este senhor devia ter vergonha naquela TROMBA.
Sem imagem de perfil

De hcl a 21.02.2012 às 08:47

Infelizmente chegámos a um ponto, onde, até Silva Pereira tem razão.

Como é possível?
Sem imagem de perfil

De Cfe a 21.02.2012 às 10:21

Aproxima-se um momento em que Portugal necessitará todo e qualquer pataco, inclusive dos emigrantes portugueses que estão em países onde o sistema fiscal é um anedota e os portugueses só pensam em prender quem não diz de onde vem o dinheiro.


Uma lei portuguesa com beneficiários certos:paraísos fiscais.
Imagem de perfil

De monge silésio a 21.02.2012 às 10:22

Ofereça-se ao deputado Adolfo M Nunes do CDS um manual de Direito Penal...pode ser que ajude os seus colegas de bancada a perceber. Vai ser duro, Adolfo, mas ...

Não Estudam. Percebes?
Sem imagem de perfil

De Durruti a 21.02.2012 às 23:01

Já lá dizia o velho Proudhon "a origem da propriedade é o roubo",

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Ana ☯

    ... e o "Estado" somos nós...... e, por falar em i...

  • Vorph "Girevoy" Valknut

    Socializam-se nos prejuízos, privatiza-se lucros. ...

  • voza0db

    Para os que acham que "o mundo inteiro" é apenas o...

  • voza0db

    Esta é [ainda] a lenga lenga que a OMS afirma no s...

  • voza0db

    Então é assim que os boçais reagem quando não comp...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D