Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mário Soares e as magnas questões

por Maria Teixeira Alves, em 30.11.11

Eu cresci a ouvir falar mal de Mário Soares, isso talvez me tenha impedido de o ouvir com atenção. Estive hoje a ouvir a entrevista que deu à SIC, à Ana Lourenço, e apesar de o considerar um utópico (sobretudo quando diz que quem manda no mundo é o povo que elege os governos em democracia e não os mercados) achei muito interessante algumas das coisas que disse. É uma pessoa que está encantadoramente enganada sobre o que move o mundo, o que não deixa de ser fascinante.

 Porque é que os ricos hão-de mandar no mundo? Pergunta Soares, em tom de indignação,  referindo-se aos G7, G8 e G20? Ora a resposta é simples, nos dias de hoje o poder vem do dinheiro, porque o dinheiro é fundamental à sobrevivência de um país. De que serve falar de soberania, quando um Estado para sobreviver precisa de emitir dívida nos mercados. Desde que perdemos as colónias que deixámos de ser autosuficientes. A nossa soberania acaba no momento em que gastamos mais do que produzimos.

Portanto estas magnas questões são belas, mas neste caso a vida não imita a arte. Infelizmente. 

A verdade por detrás da bela ideia de democracia é que os políticos foram gestores abusadores, porque nunca sentiram o dinheiro que geriam como seu, o resultado foi o acumular de um excessivo endividamento. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



8 comentários

Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 30.11.2011 às 00:19

João Távora help me, publiquei fotografia e não aparece no post.
Sem imagem de perfil

De Que se há-de fazer? a 30.11.2011 às 09:26

Soares ficou conhecido por não ser capaz de distinguir um milhar de um milhão.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 30.11.2011 às 10:25

Com que então, é utópico dizer que quem elege os governantes em democracia é o povo e trata quem diz isso como tolinho? Maria Teixeira Alves, não esqueça então disso de cada vez que votar.  
Imagem de perfil

De João Távora a 30.11.2011 às 10:48

Já está a foto. Fica-lhe bem a caridade cristã: a Maria é muito benevolente com este senhor que é o maior demagogo (sem inocência alguma) português do séc. XX. 
Imagem de perfil

De Réspublica a 30.11.2011 às 11:00

Em minha casa também se falava desse sr... mas normalmente com referência a animais, nunca gostei muito de dizer o nome dele ou do ouvir, esse maldito pulha e ladrão!
Sem imagem de perfil

De carlos a 30.11.2011 às 14:27


Que motivações teve Sócrates e Teixeira dos Santos para colocar a Dívida Pública Nacional nas mãos de estrangeiros? Recorde-se que em 1996 os residentes detinham 75% da dívida e que em 2008 esse valor baixou para os 22%.
O deslumbramento que o euro causava, o fascínio da “globalização” que a entrada do euro anunciava, o alargamento do “mercado” traduzido em mais e maiores negócios, em mais e maiores lucros, inebriou então (1999) a nossa classe dirigente, os nossos banqueiros e os nossos grandes empresários.
A colocação da Dívida Pública passou a ser mais célere e facilitada. Privilegiou-se a venda da dívida a instituições estrangeiras.
– “No período 1997-2000, surge a preocupação da preparação e adaptação da gestão da dívida ao Euro. Em 1998 é reforçado o papel dos Operadores Especializados em Valores do Tesouro (OEVT), enquanto agentes de distribuição e colocação da dívida em mercado primário e como “market makers” em mercado secundário.
O objectivo da liquidez da dívida leva à criação no ano de 2000, do MEDIP, que se caracteriza por ser um mercado especializado para a negociação por grosso dos instrumentos da dívida pública baseado na utilização da plataforma electrónica de negociação MTS”.
O MEDIP arrancou com a negociação de Obrigações do Tesouro (OT) – instrumento de mercado para financiamento da República a médio e longo prazo – dinamizada pelos OEVT (operadores especializados em valores de tesouro) em que nele actuam, por compromisso assumido perante o IGCP (Instituto de Gestão do Crédito Público), com o estatuto de market makers. A 16 de Julho de 2003, na sequência de decisão da República de passar a emitir regularmente os novos Bilhetes do Tesouro (BT) para financiamento estrutural de curto prazo, a MTS Portugal, por decisão do seu Conselho de Administração, criou um outro segmento no MEDIP para a negociação por grosso destes títulos. Funcionando em paralelo com o das OT, o segmento de BT é dinamizado pelos intermediários financeiros a quem o IGCP atribuiu o estatuto de Especialistas em Bilhetes do Tesouro (EBT) que nele participam como market makers.
Para alargar a possibilidade de participação no MEDIP e dinamizar o mercado da dívida pública, o Conselho de Administração da MTS Portugal decidiu, em 2004, criar um terceiro grupo de participantes, os “Pure Domestic Participants” (PDP), com custos de acesso reduzidos.
No final de 2009, o MEDIP registava um conjunto de 29 participantes: 18 market makers e 10 market dealers em OT e 15 market makers e 6 market dealers em BT. Aquando do arranque do MEDIP, em Julho de 2000, participavam apenas 12 bancos. (fonte MTS).

Sem imagem de perfil

De tric a 30.11.2011 às 16:58

é o mais perigoso...por alguma razão, ele teve aquela atitude vergonhosa no ultimo Conselho de Estado...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Costa, Costa! Então já não há um pouquinho de verg...

  • Anónimo

    O Costa é Costa, o Costa é hipócrita e demagogo, o...

  • Anónimo

    O peixe oficial é mais raia que o parta.Henrique P...

  • Anónimo

    Caro senhor, o Henrique Pereira dos Santos tem vin...

  • Pedro Nunes

    Já tinha saudades de ler os textos do Henrique.


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D