Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um minhoto na Capital

por João-Afonso Machado, em 30.09.11

- Não se terá enganado no eléctrico? Para um turista como você, é aquele, o encarnado!

O "encarnado"... Estavamos na Praça da Figueira, ainda no movimento e na alegria dos dias de Verão. De que ela parecia comungar, brincalhona, provocadora. Mirei-a, nada ressentido, mas sem uma palavra em troca. Num silêncio que lhe recomendava juizo, mesmo devido à sua insistência

(- Um turista! Afinal não é você um turista aqui em Lisboa?)

porque turistas são os camones e os bifes e essa vaga imensa de japoneses, mais os outros todos. Um minhoto não é um turista, quando muito é um suevo, um galaico, vá lá. Não chegou ontem, vindo não se sabe de onde, de passagem apenas...

Simplesmente, o Destino, as voltas da vida, trouxeram-me à Capital. Por quanto tempo, não sei nem me preocupa. O bastante para concretizar os meus objectivos. E não quis empoeirar a tarde comentando a Torre do Tombo e as minhas investigações sobre os frades jerónimos de Belém, no termo de Lisboa, mais o mosteiro românico que fora deles, mesmo a dois passos de Braga.

- Já pensou na quantidade de riqueza humana e de História com que deparamos, daqui até ao Castelo?

Não esperava esta minha saída. Embatucou. Talvez nunca lhe ocorresse esse sentido de vaguear pela cidade. Nem essa Belém, no termo de Lisboa, é claro.

Por alguma razão eu escolhera o Castelo para ponto de encontro das minhas ideias. Sempre fora gente da minha terra, auxiliada por uns tantos cruzados a caminho da Palestina, que o conquistara aos mouros e o transformara em Portugal. E do alto daquela primordial colina eu gozava a sobreposição de mundos no tempo, desde então até aos nossos dias. Até Benfica e Carnide, hortas e azinhagas, até o que já foi e o que ainda há-de ser.

Um turista passeia, não procura um sentido para a vida nem se preocupa em deixar uma qualquer construção. Não, definitivamente, turista não.

E assim, entre meias frases e mutismos, passámos a Sé. Absteve-se de me perguntar em que me ocupava profissionalmente. Quanto a mim, pelo óbvio motivo de ter captado não ser a riqueza material preocupação minha.

O agitar dos seus saltos altos, um jeito ao penteado, anunciaram a proximidade do seu estaminé. Ia sair.

- Então adeus, até depois. E olhe, não deixe nem uma esquina da Costa do Castelo por historiar, 'tá bem?

Sorri. A pensar naquela infinidade de escadinhas todos os dias descidas, nas velhotas à janela, mais as suas gaiolas com pintassilgos. Acenei que sim e segui para S. Vicente. Não deixaria sem visita o Panteão Real, naturalmente.

 

 

 




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Elvimonte

    Com essa idade e ainda acredita no Pai Natal?Vamos...

  • Susana V

    Isto já é obviamente uma doença do foro mental.Já ...

  • Anónimo

    MTA, batatas... para si.

  • Anónimo

    Meu caro, não sou com certeza, também só concedo u...

  • Anónimo

    Tudo quanto se está a passar é com a anuência do S...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D