Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um partido perigoso

por Rui Crull Tabosa, em 25.09.11

Há pouco mais de cem dias, pusemos termo a um dos mais negros períodos da nossa História recente.

Um período caracterizado pela sublimação da arte da propaganda ao Estado-rosa (quem não se lembra das sumptuárias festanças nas inaugurações das famigeradas SCUT?), pelo descontrolo das contas públicas (uma dívida de 83 mil milhões de euros acumulada nos governos de Sócrates) e pelo rebaixamento dos valores cívicos, éticos e morais (afinal, o exemplo vem de cima…).

Derrotado nas últimas eleições, poderia o PS libertar-se dessa sinistra herança socratista, mostrando ao País que os tempos do despesismo já lá vão. Mas não, António José Seguro, figura simpática, embora pouco liderante, como o comprovou o seu continuado silêncio durante estes anos, continua a preferir a demagogia como forma de luta política.

No princípio de Julho dizia, porventura inspirado no inenarrável Jorge Sampaio, que "Há mais política para além do memorando da troika".

Agora, embora incapaz de reconhecer publicamente os evidentes erros da gestão socialista nos últimos anos, veio declarar-se contra o estabelecimento de limites ao endividamento e ao défice na Constituição, quando todos sabemos que essa é uma condição indispensável para a credibilidade das políticas orçamentais dos Estados na zona Euro e mesmo para uma eventual criação dos Eurobonds, tão defendidos pelo mesmo Seguro no último Congresso socialista.

Esta displicente visão sobre a necessidade de Portugal ter finanças sãs apenas revela que o PS não aprendeu com o passado e não merece confiança no futuro.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De tric a 25.09.2011 às 23:41

eu acho que é mais uma comunicação social perigosa, para não dizer, perigosissima...
Sem imagem de perfil

De Ping ping a 26.09.2011 às 09:34

O Seguro é obviamente um lider fraco, melhor dizendo fraquíssimo, sem uma ideia na cabeça.

Mas esses limites na CdR é das medidas mais parvas que imaginar se pode.

Também se lê isto na CdR:

Portugal preconiza a abolição do imperialismo, do colonialismo e de quaisquer outras formas de agressão, domínio e exploração nas relações entre os povos, bem como o desarmamento geral,

simultâneo e controlado, a dissolução dos blocos político-militares e o estabelecimento de um sistema de segurança colectiva, com vista à criação de uma ordem internacional capaz de assegurar a paz e a justiça nas relações entre os povos.

Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 26.09.2011 às 09:48

Conhecendo a impenitente queda para o esbanjamento dos dinheiros públicos em Portugal, parvoice é não impor limites jurídicos à delapidação do erário público.
Não percebe que se trata de reforçar, no País, mas também perante os nossos financiadores externos, as garantias de boa gestão orçamental? Não vê o crime que foi aumentar o envididamento público em cerca de 100% nos últimos 6 anos, passando de 80 mil milhões de euros para quase 170 mil milhões? É assim uma ideia tão parva? Só para quem não percebe o buraco para o qual Portugal foi atirado...
Sem imagem de perfil

De Percebo, percebo a 26.09.2011 às 10:12

Percebo muito bem, assim como percebi o que sobre este assunto disse Cavaco Silva. E também percebo que uma enorme percentagem do que está na CdR é letra morta e apenas isso.
Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 26.09.2011 às 10:19

Quanto à CRP conter aberrações socialistas e constituir factor de instabilidade política estamosc de acordo.
É aliás curioso que quase só a extrema-esquerda (e, é claro, Jorge Miranda) defendam esse folheto do jurássico...
Sem imagem de perfil

De E o que Cavaco disse foi: a 26.09.2011 às 10:14

"Constitucionalizar uma variável endógena como o défice orçamental - isto é, uma variável não directamente controlada pelas autoridades - é teoricamente muito estranho. Reflecte uma enorme desconfiança dos decisores políticos em relação à sua própria capacidade de conduzir políticas orçamentais correctas".

Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 26.09.2011 às 10:24

E não lhe parece que, com uma dívida pública na ordem dos 170 mil milhões de euros, tanto como o PIB, é plenamente justificada "uma enorme desconfiança dos decisores políticos em relação à sua própria capacidade de conduzir políticas orçamentais correctas"?
Acha que chegámos à bancarrota por acaso?
Sem imagem de perfil

De Concluindo... a 26.09.2011 às 10:37

Apenas disse que também acho que "Constitucionalizar uma variável endógena como o défice orçamental - isto é, uma variável não directamente controlada pelas autoridades - é teoricamente muito estranho".

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Costa

    Limitar o poder excessivo? Não sei se não será já ...

  • Anónimo

    "Mesmo quando se fala da guerra colonial (para os ...

  • Anónimo

    Que bem dito!

  • Anónimo

    (cont.)"havia rumores de fuzilamentos sumários; um...

  • Anónimo

    (cont.)Ainda assim, nos primeiros momentos a eufor...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D