Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




44-33 = eleven(no)

por João-Afonso Machado, em 08.09.15

Foi o episódio do inglês técnico. A dominical licenciatura, abençoada, indulgente (que o digam Relvas e as suas equivalências), definitivamente engenheiral. Foi Manuela Moura Guedes borda fora, uma indisfarçável surtida pelo controlo da Comunicação Social, o anasaladinho dos seus remoques vingativos, venenosos.

Foram muitas outras peripécias. O processo Face Oculta, a escandalosa ocultação das cassetes que agora tanta falta fazem, piratas, Pinto Monteiro procurador, Noronha Nascimento juiz conselheiro, o saque e a destruição daqueles meios de prova. Sempre incólume, sempre invicto!

E sempre de dentes ferrados no poder. Obstinadamente. Indiferente ao caos financeiro e à dívida soberana, aos usurários juros consumindo o País.

Foi a derrota eleitoral e uma Paris milionária que se ria da sua auto-propalada pobreza. Foram as vindas semanais à televisão portuguesa, exclusiva e cegamente para desancar o Governo.

Finalmente foi a sua detenção. E um enredo estranhíssimo contado a partir de uns milhões na mão de um amigo, de malas cheias de dinheiro calado, do Grupo Lena, do Protal, de uma série longa de indícios criminais, da despudorada denúncia da politização de um caso judicial politizado pelo próprio - Sócrates.

Agora em regime de prisão domiciliária, não se priva da piscina. Terá jacuzzi? É um remake dos anteriores procedimentos: uma fachada apagada, a tentar passar despercebida, o interior repleto de números inexplicáveis, iniciáticos, as traseiras sumptuosas. Porque Sócrates não abre mão do seu novo-riquismo. Nem dos seus projectos de retoma política.

***

Walter Rosa fou um ministro do I Governo Constitucional, presidido por Mário Soares. O seu filho, militante do PRP da Isabel do Carmo, assaltava bancos para obter meios de financiamento para o jornal daquela organização revolucionária. Walter Rosa, confrontado com a ilicitude e o escândalo, de imediato apresentou a sua demissão e foi para casa. Sem piscina e sem jacuzzi.

Está aí a abismal diferença. Agarrado à cadeira do mando, como Sócrates, só talvez Salazar.

 

 



22 comentários

Sem imagem de perfil

De JC a 08.09.2015 às 14:32


Que triste comparação a de Sócrates com Salazar... Mesmo triste....
Desta vez esteve mal.....
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 08.09.2015 às 14:45

Sabe, como sou de direita e passam a vida a dizer que a direita é salazarista, sempre é de bom tom retribuir. E sem dúvida Sócrates agarrou-se ao Poder mais do que qualquer outro, de Salazar para cá.
Sem imagem de perfil

De JC a 08.09.2015 às 15:27


Ser salarazista não tem qualquer conotação negativa, bem pelo contrário.
Nestes 40 anos de "liberdade" quiseram-nos fazer crer que sim, mas quem estudar a história do Estado Novo - a verdadeira, não a dos Fernandos Rosas, Raquel Varelas e quejandos - verá que não.
Ambos se agarraram ao poder, é verdade, mas com propósitos completamente opostos: um, para enriquecer à custa de trafulhices, outro em defesa da Pátria contra os trafulhas; um morreu pobre, outro ainda vive e sabe-se bem como.
Sem imagem de perfil

De Hajapachorra a 08.09.2015 às 16:30

Parece um neonazi a falar do fuhrer ou um comunista a referir-se a Estaline ou um... socretino a bajular o animal feroz. Por agora, sim, cautelosamente aponho esta restrição, não há comparação possível entre sócrates e salazar: o vigarista nunca mandou matar ninguém.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.09.2015 às 17:05

João Afonso, pelos vistos, está a ofender o Salazar. Lembre-se que o Salazar era um homem honesto e frugal, que não tinha piscinas e comia caldos de galinha criadas em São Bento. E raramente mudava de roupinha.
Sem imagem de perfil

De c a 12.09.2015 às 16:09

 Salazar era frugal e estava habituado a pouco dinheiro, mas  usava camisas de seda feitas no Pitta.
Sem imagem de perfil

De João. a 08.09.2015 às 17:07

Salazar, morreu pobre? Portugal era o quintal dele.
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 08.09.2015 às 19:26

Ao comentador JC: não gosto de Salazar. Podia apontar uma mão cheia de razões, mas fico-me por duas: repugna-me a perseguição política; a Direita é sempre modernidade e não a estagnação salazarista.
Mas eu fiquei-me por factos. Seria interessante comparar as 2 personalidades: S. e S. Talvez um dia, num post mais longo
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.09.2015 às 22:33

Porquê adiar a comparação? João Afonso Machado. Sabemos todos que o Salazar se compara favoravelmente ao Sócrates. O Sócrates é um homem também agarrado ao poder e, ao contrário do Salazar, ganhou fortuna na politica. Não tenha receio de o afirmar. 
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 08.09.2015 às 22:39

Não tenho receio de afirmar coisa nenhuma.
Sócrates roubou o bolso dos portugueses e até roubaria a sua liberdade nos estritos limites em que a poderia roubar hoje.
Salazar roubou a liberdade de quem dele discordava, perseguiu primariamente e estupidamente, impediu Portugal fosse além da Década de 50 e manteve uma mentalidade tacanha que não resistiu aos revolucionários de Abril.
Ainda por cima serviu-se dos monárquicos e impediu a Restauração.
Ponto final.
Sem imagem de perfil

De c. a 12.09.2015 às 16:28

A questão é que em 40 anos de democracia Portugal não mudou a posição relativamente a outros países europeus. Cá continuamos no fundo, em quase tudo -  até no analfabetismo.
Por outro lado, na década de 60, no governo de Salazar, Portugal cresceu a 10% ao ano pelo que se percebe mal a sua frase de que impediu que o país fosse além da década de 50...
A vexatio quaestio é que Salazar não apenas não atrasou Portugal (e o autor deste comentário sempre assim pensou até há pouco a par com o que  parece ser ponto assente) como foi no seu regime que Portugal teve índices de crescimento mais elevados!
Também não creio que Salazar tivesse uma  mentalidade tacanha: Salazar era um intelectual autoritário pessimista que o pensamento económico francês que conhecia (mesmo o dos autores socialistasm também eles pessimistas quanto à industrialização) ajuda a compreender.
Claro que um regime como o de Salazar é indefensável, mas temos de raciocionar a partir de dados verdadeiros, não de mitos.
 
Sobre comparações tolas: O 44 é um videirinho ignorante.
Sem imagem de perfil

De João. a 08.09.2015 às 15:22

Vocês são uma das mãos da campanha negra que o PSD [não] quer fazer contra o PS. Parabéns. Estão a subir na vida.
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 08.09.2015 às 19:31

Ao comentador João:
Subir na vida?
Há muitos anos fui candidato a deputado: era o nº 2 do PPM pelo Porto.
Fica dado o grau das minhas ambições políticas
Sem imagem de perfil

De João. a 08.09.2015 às 20:28

Ter ambições políticas não é mau por si mesmo nem há nada de mal em concorrer a deputado, nomeadamente pelo PPM.


O que eu prevejo é que a instrumentalização do processo de Sócrates que o PSD "não" quer fazer vai ficar a cargo da blogosfera e dos homens das colunas de opinião nos jornais que por vezes e cada vez mais coincidem, por ex: Corta-Fitas, Insurgente, 31 da Armada, coluna de opinião do Observador, o passista que escreve no Público e participa no Governo Sombra, o H. Raposo no Expresso, enfim, uma turminha que vai andar muito coordenada mas só por acaso, é claro.
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 08.09.2015 às 21:12

Para mim (pela parte que me toca) não se trata de instrumentalizar o processo.
Trata-se de comentar um percurso politico absolutamente único, diria quase inverosimil, sendo o personagem um ex-1º Ministro.
Se na Direita aparecessem casos idênticos critica-los-ia e demarcar-me-ia do mesmo modo. Já aqui muitas vezes referi no mesmo tom Isaltinos & Cª.
Sem imagem de perfil

De jo a 08.09.2015 às 16:53

Tendo Sócrates deixado de ser primeiro ministro sem haver golpe de estado nem mudança de regime, então houve uma evolução na continuidade.


Bem me parecia que Passos é o "marcelo" deste regime. Lá ar de sonso tem ele.
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 08.09.2015 às 19:29

 Ao comentador Jo: Vai-me desculpar, mas meteu água: por essa ordem de ideias (não haver golpe de Estado), o marcelo deste regime é Soares. Ou então é o Salazar, pensando ainda não ter caído da cadeira e permanecer no mando.
Sem imagem de perfil

De jo a 09.09.2015 às 02:01

Sócrates  foi eleito, Passos também. Convém não esquecer que Salazar foi um ditador que prendeu, torturou e matou opositores.

Veja lá no calendário. O governo de Passos foi o que se seguiu ao de Sócrates, não foi o de Soares.

Quanto à honestidade ímpar dos formadores do pessoal dos aeródromos já foi tudo dito.
Imagem de perfil

De João-Afonso Machado a 09.09.2015 às 10:10

V. obviamente percebeu - e é isso que eu não gosto nestes «debates» - referia-me à sua "evolução na continuidade". Por isso referi que nós evoluimos na continuidade desde Mário Soares, ou seja, desde o 1º Gov. Constitucional.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.09.2015 às 18:59

Por amor de Deus, não compare Sócrates com Salazar nem a brincar!
Maria  
Sem imagem de perfil

De JC a 08.09.2015 às 20:21

Maria, já comparou.
Sem imagem de perfil

De E não só a 09.09.2015 às 17:18

Além de Salazar, Afonso Costa, Bernardino, Mário Soares...
O Salazar apenas conseguiu estar lá mais tempo.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Lobos disfarçados de cordeiros

    Ainda bem que encontrei alguém que pensa como eu, ...

  • Luís Lavoura

    O que me parece difícil será encontrar Estados que...

  • Anónimo

    MMilagre português : o vírus está a circular em bo...

  • Vagueando

    "Os problemas parecem sempre ter a mesma origem. E...

  • zazie

    Quanto ao que retira da coisa eu retiro o oposto.S...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D