Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Poderão os países árabes viver em democracia?

por Maria Teixeira Alves, em 02.02.11

O que distingue este movimento, que eclodiu nestes países árabes, das revoluções pela democracia na América Latina e na Europa, é que estas revoluções árabes não têm direcção, nem organização, nem programa.

Pode ser que este seja o primeiro dia do resto da vida dos países árabes, que têm estado entalados entre as ditaduras laicas e o fundamentalismo religioso.

 

 

Mas é preciso perguntar:

 

O que há para lá de Mubarak? A Irmandade Muçulmana é o grupo mais organizado da oposição no Egipto. Quem é a Irmandade Muçulmana?  A Irmandade Muçulmana atacou o turismo através de grupos saídos das suas fileiras e o turismo faz viver dois a três milhões de famílias egípcias.

Este grupo anunciou que iria juntar-se aos manifestantes anti-Mubarak que têm abalado o regime egípcio nos últimos dias. Os especialistas não acreditam que este grupo, meio clandestino, seja governo. No entanto a Irmandade consegue fazer eleger vários deputados que se candidatam como independentes.

 

O que há para lá de Ben Ali? A Tunísia está sob um governo de União Nacional, desde a queda e fuga de Ben Ali. Liderado provisoriamente e até às eleições por Mohamed Ghannouchi. Mas nem por isso a violência parou na Tunísia. Nas ruas de Túnis há uma forte oposição ao governo de transição por incluir pessoas do partido de Ben Ali, o RCD. Desde a queda de Ali, foram constituídos três partidos que se preparam para disputar o poder. São eles: o Tunísia Verde, de Abdelkader Zituni, o Partido Socialista de Esquerda, de Mohamed Kilani, e o Partido do Trabalho Patriótico e Democrático, de Abderrazek Hamami.

 

Já há apelos a uma revolução esta sexta-feira na Síria, a que chamam o "Dia da Ira Síria".

Pode isto ser uma viragem estrutural do mundo árabe para a democracia? Ou é isto o rastilho para uma guerra no mundo árabe?



26 comentários

Sem imagem de perfil

De Não me parece a 02.02.2011 às 10:22

O mundo árabe vira-se apenas para Meca.

Image


 
Sem imagem de perfil

De Tiago Mouta a 02.02.2011 às 10:39

Cara Maria:

O que tem em comum os ex-lideres da Tunisia, do Egipto e da Síria?
Além de pouco (ou nada!) democráticos, tem "bias" aos EUA ou a Israel... Que de uma forma ou outra possuiam algum tipo de poder sobre esses territórios!!!
A revolta islâmica está a alastrar, a ganhar poder e dimensão!
Querem uma democracia criada pelos próprios com os seus valores culturais, não uma democracia imposta pelos EUA...
A guerra a acontecer no mundo árabe será apenas no sentido de unir estas nações contra um inimigo comum maior, quando isso acontecer... Podemos vislumbrar já uma guerra mundial!!!
Na cimeira da NATO, não andaram o tempo todo às voltas com o escudo antimíssil??? É capaz de ser preciso a dada altura...
Sem imagem de perfil

De Marquesa de Carabás a 02.02.2011 às 10:51


De que democracia fala Maria?
De um modus vivendi ocidental ou do american way of life?
Acha que alguma destas fórmulas se adapta ao mundo muçulmano?
Este parece-me ser o cerne da questão.
No Cairo reza-se a clama-se simultaneamente. Famílias inteiras estão na rua. O que é um dado importante, e ao mesmo tempo estranho, no mundo árabe. Muito estranho. Tão estranho, que nos parecem perdidos...
Não sei exactamente a importância de cada um dos grupos que menciona. Penso que nem eles, neste momento, têm consciência disso.
O mundo árabe está na rua, em plena convulsão, que não acalma com palavras brandas de Mubarack. Que na verdade, não penso que acalme om palavras nenhumas.
Poderemos estar perante a maior crise de identidade do mundo islâmico.


cumprimentos,



Marquesa de Carabás
Sem imagem de perfil

De o sátiro a 02.02.2011 às 23:32

Acho muita piada a estes masoquistas que criticam a democracia ocidental...pondo em causa que seja democracia!!!!...mas não vão viver para outro lado!
E não é hipocrisia....é COVARDIA.
Gostam, adoram, dos luxos capitalistas, mas estão sempre a condenar o ocidente.

problemas mentais graves? sem dúvida...
Sem imagem de perfil

De Paulo Jaime a 03.02.2011 às 09:53

Amigo Sátiro , o que está em causa é que certamente não gostaria que o mundo Árabe / Muçulmano impusesse a sua forma de viver e os seus valores aos Países do Ocidente , pois não ? Então aceite em nome dos seus valores democráticos que outros Povos e culturas decidam bem ou mal por eles próprios ..... o fundamental é haver eleições e os Povos que escolham !!!! Bem ou mal ( mais mal que bem no meu entender ) é isso que temos feito aqui não é verdade ?
Paulo Jaime - Carcavelos
Sem imagem de perfil

De o sátiro a 02.02.2011 às 23:40

O problema do mundo árabe (dos seus valores culturais!!!) é que são sociedades retrógradas, arcaicas, tribais, com vestígios da pedra lascada no tratamento das mulheres---tipo chicotadas em público...e lapidações...ou casamentos de "NOIVAS DE OITO ANOS", poligamia, capitalismo verdadeiramente selvagem, com exploração desenfreada dos trabalhadores emigrantes, que dificilmente se compaginam com os direitos humanos, a igualdade perante a lei, a liberdade de cada pessoa, a supremacia da lei civil sobre a barbárie do corão, etc..
obviamente, os defensores desta "cultura" nada têm a ver com a verdadeira democracia ( a que chamam american way of live...), eleições verdadeiramente livres, garantia de direitos civis das pessoas perante o poder político e islâmico, etc...
Mas não compreendo: porque é que esses críticos da democracia ocidental vivem por cá??? masoquistas? covardes? porque não vão para Cuba ou para o Irão?
Sem imagem de perfil

De Estou Cansado de Gente como o Sátiro a 03.02.2011 às 09:59

Desculpe Sátiro, mas parece que o senhor está equivocado.

Parece-me mais um daqueles participantes da Blogosfera , que apenas aparece para causar ruído , não trazendo nada de relevante ou construtivo para o debate.

O mais grave, é a forma como tira conclusões que não se entendem, neste contexto, partindo daí a vociferar contra tudo e contra todos, carregado de ódio.

Não se preocupe, você é perfeitamente normal.
Nós Portugueses odiamo-nos realmente.
Apenas não o assumimos.

Quanto às suas conclusões, aconselho-o a ler com mais calma e atenção, pois não li nestas linhas qualquer opinião, critica ou julgamento à democracia e valores ocidentais, apenas duvidas sobre o que acontecerá no mundo árabe e como se desenrolarão os acontecimentos.

Relativamente ao seus julgamentos, acerca dos que têm uma visão ou opinião diferente da sua...
Não comento.
Sem imagem de perfil

De CSI Reboleira a 03.02.2011 às 11:57


bem dito ó satiro

daqui um ceptico
Sem imagem de perfil

De Anónimo Veneziano a 03.02.2011 às 09:28

Vivi alguns anos no mundo árabe e realmente não creio que seja possível instaurar aí algo que se assemelhe a uma democracia seja de que tipo for. As razões disso são antigas e complexas. A agitação que se verifica no norte de África não prenuncia nada de bom. A ver vamos...


 
Sem imagem de perfil

De Marquesa de Carabás a 03.02.2011 às 11:47

Além de todas as diferenças culturais, entre aquilo que poderia ser designado pelo "mundo árabe" e não pode: efectivamente não há uma unidade real. Xiitas, Sunitas, Sufistas e dentro destes uma míriade de soluções e visões diferentes que me leva,  assim, de imediato a duas expressões:
Dar-al Islam e dar al harb. Essas sim, importantes, porque traduzem uma visão que não se coaduna com a democracia, tal como a entendemos. Uma visão de pertença, ou de exclusão. E mesmo assim, há que ter em conta outras correntes, como a Ismaelita, por exemplo...o que torna qualquer abordagem generalizada um erro e um perigo.



Marquesa de Carabás





Sem imagem de perfil

De Anónimo Veneziano a 03.02.2011 às 14:20

Querida Marquesa,
Claro que podemos ensaiar diversas teorias para explicar o que não dominamos a 100%. Por isso, não ouso fazer interpretações, mas daquilo que vivi deduzo que o problema está para durar. Mesmo assim, creio que na raiz da actual crise está uma pobreza endémica para cuja solução a Comunidade Internacional ainda não descobriu instrumentos eficazes. Como dizia o outro, com cinismo venenoso reconheça-se, a democracia só por si não dá de comer a ninguém...
Sem imagem de perfil

De Paulo C a 03.02.2011 às 12:44

Concordo em parte com todos os comentários, mas acho que a questão que se levanta é se um pais habituado a um regime de ditadura de sempre passar para um regime democrático de um momento para o outro? terão eles preparados para uma democracia estilo ocidental ou vão criar uma democracia ao estilo deles? seja qual for acho importante tentarem
Sem imagem de perfil

De PedroB a 04.02.2011 às 21:17

Caro Paulo C,

A resposta é

25 de Abril de 1974
Sem imagem de perfil

De CSI Reboleira a 03.02.2011 às 11:56

A democracia como a conhecemos é incompatível nos países arabes .É um conceito ocidental intraduzivel naquelas paragens até porque implicaria direitos iguais para mulheres , gays e lésbicas e todo o conjunto de leis igualitárias e de personalidade , laicas , que contrariam o Islão , religião sempre presente na vida de povos muito pouco condescendentes com conceitos estranhos á sua cultura.
Tem também que ver como a educação é fornecida aos jovens pelas familias .Muito liberais no estrangeiro ,  muito fascistas em casa.Povos que escondem as mulheres em casa e as tratam como mercadoria ... ou no minimo um activo imobilizado em potencia ... são muito "democratas " é da boca para fora .
Imagem de perfil

De Maria Teixeira Alves a 03.02.2011 às 13:15

Mas há direitos diferentes para os "gays"? Não fazia ideia...
Sem imagem de perfil

De CSI Reboleira a 04.02.2011 às 10:01


e não há ?

Casamento e futuramente adopção. Acha que isso é possível num País de chanfrados á pedrada e misógenos criados pela mãezinha como "o principe do nilo ".Até ver são enterrados vivos . É o que diz o livrinho lá do Hijaz.Gente doente com falta de sexo.Cabras e galinhas sofrem coisas atrozes nos países dos comedores de cuscus.
Sem imagem de perfil

De Paulo C a 03.02.2011 às 12:33

Apesar de concordar com todas as opiniões acho difícil um pais que sempre viveu sobre um regime de ditadura passar de um momento para outro para um regime democrático, mas se não experimentarem nunca vão saber se são capazes ou não.
Sem imagem de perfil

De Myka a 03.02.2011 às 12:44

As sociedades, de forma geral, acentam em 2 pilares principais: religião e finança. Ao longo dos tempos este equilibrio tem vindo a ficar instavel, tanto mais quanto maior a partilha de informação e globalização de conceitos. O conceito de democracia e suas variantes podem não ser a melhor resposta para algumas sociedades, pelo menos para já. É assim que tem acontecido com a europa ocidental desde à 3000 anos para cá. E temos que saber viver com a modificação e evolução de outras sociedades que procuram a harmonização.
Sem imagem de perfil

De Vasco a 03.02.2011 às 12:47

E porque é que nao poderiam viver em Democracia? Por acaso sao diferentes dos outros seres humanos? Os arabes lutam pelos mesmos direitos que os Ocidentais: o direito a uma vida digna, liberdade de expressao, fim da corrupçao... Apenas os individuos que consideram a industria hollywoodesca como uma ciencia a ter em conta, dirao que por tras de tudo isto estao os terroristas...

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D