Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A vertigem interior

por João Távora, em 28.12.10

 

Quando pensou que tinha descoberto o tecto do mundo e o centro da terra, aquele povo zangou-se com o seu Deus. De repente estranhou-O, pois no seu sábio parecer Ele deixara de lhe dar espectáculo: nem aparecia nas revistas nem tinha perfil no Facebook. Tornara-se desinteressante, discreto, passivo... um Deus pouco interventivo; sem resposta aos seus interesses imediatos e sem os critérios da pequena verdade instituída. Um Deus que não punha ordem no desacerto e na perversão (por sinal, cunhos sempre alheios) tornara-se numa grande desilusão, enfim, uma inutilidade. Insurgiram-se contra Ele, porque afinal desejavam-nO à sua imagem e semelhança. E que fazer com um Deus que não obedece aos homens “evoluídos”, que não corresponde às suas expectativas?

Mas isso não era grave, pois afinal, para o equilíbrio da economia, bastavam-lhes os seus modernos pequenos deuses, mais palpáveis e descartáveis, sempre sorrindo nas revistas ou novelas, coleccionáveis como cromos ao gosto de cada um. E como era importante “o gosto de cada um”!

Aquele povo sôfrego de redenção acomodou-se a um novo mundo apequenado por auto-estradas e fibra óptica, onde se vivia mais depressa, muito depressa mesmo, sem silêncios e pontos mortos. Para um ou outro mal, logo se conceberam pílulas milagrosas, que afinal a química ainda irá resolvendo. Iludindo o espaço e as sensações, criaram janelas e mais janelas, interactivas, electrónicas, portáteis. Através delas e de um teclado podiam espraiar-se por novos caminhos, brilhos e experiências. Mesmo sem espaço, sem relação, sem compromisso e sem silêncio. Fórmula infalível para que a criatura jamais sentisse a vertigem da sua imensidão interior.

De modo a nunca arriscar um estranho e diferente encontro.

 

Texto reeditado

Autoria e outros dados (tags, etc)



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Tiago Mouta a 29.12.2010 às 13:53


Caro João

Grandiosa "posta"!
É bem verdade que com comunicações ao segundo e um mundo pejado de falsos idolos e outros tantos falsos profetas, neste mundo de aparências e fogueira de vaidades não sobra tempo para nos ouvirmos pensar... Para os prazeres da introspecção!
Eu prefiro a palavra "Universo" o João utiliza "Deus" serão apenas designações para algo que nos transcende e que não compreendemos na totalidade... Todavia, não me parece que o Deus ou o Universo se compadeçam com os mercados ou agências de rating, com economia ou globalização, facebook ou twitter!!!
O próximo grande desafio da Humanidade, será sair da "zona de conforto" e mergulhar no desconhecido em busca de soluções, para a verdade, honestidade e integridade de todos.
Imagem de perfil

De João Távora a 29.12.2010 às 15:18

Obrigado por o ter lido, caro Tiago.
Os bezerros de ouro apoucam a existência, só isso. 
Abraço
Sem imagem de perfil

De Velho da floresta a 29.12.2010 às 22:18

Caro João Távora, o titulo do seu post e o seu conteúdo levam-me a outros tempos e a Ernst Jünger , que invariavelmente, é alguém cuja obra por algum motivo contemporâneo ou é para mim recorrente ou premonitória e regra geral sempre reconfortante. Assim o é também neste caso, onde o mundo actual é por nós apercebido em termos de informação pré-digerida e fiscalizada, enviada em pacotes desenhados com a dimensão de tempo, intensidade e intencionalidade à medida do consumidor tipo. Deus e a sua percepção pelo vulgo, não escapa a esta manipulação da informação, aliás assim é desde o de péssima memória concilio Vaticano II, pelo que a adoração do bezerro de ouro é sem duvida a mais celebrada cerimónia e a assunção da soberba como virtude uma constante. O espaço interior como local transcendental, isso caro João Távora é apenas para alguns poucos e para linhas escritas em livro, tais como as de"Der kampf als inneres Erlebnis ", que o tempo que nos resta seja profícuo e libertador.
Imagem de perfil

De João Távora a 29.12.2010 às 22:41

Caro Velho da Floresta, não conheço a obra de Ernst Jünger, mas prometo nele investir a minha atenção tão breve quanto possível.


Cordeais saudações

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Aurélio Buarcos

    Depende do animal.O sangramento foi utilizado dura...

  • JOTAPA

    Considerando que, na altura, a corrida ao espaço e...

  • Anónimo

    Há 50 anos o homem foi à lua a actualmente a human...

  • Anónimo

    Eu comparo a ida do homem à lua com os factos rela...

  • MAR!

    há cinquenta anos eu nem sequer planeada era! ma...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D