Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma meia meia feita e outra meia por fazer...

por João Távora, em 21.12.10

 

Os publicitários, como as crianças, são uns exagerados: só assim se compreende a maneira fanfarrona como nesta Santa Quadra menosprezam o tradicional par de meias no sapatinho de Natal. O grau de decepção ao desembrulhar umas meias de lã oferecidas por uma extremosa tia é proporcional à leviandade do presenteado: no pico do nosso Inverno, que ao contrário do que diz a propaganda é bastante agreste, estes nobres artefactos aquecem-nos o corpinho, que o milagre do Natal aconchega a alma.

De resto lembro-me bem do aborrecimento quando na minha infância ia para a escola fria e húmida com meias velhas e deslaçadas a deslizar para o calcanhar. Estas são ingratas arrelias difíceis adivinhar por um adulto incauto num infante estoicamente concentrado em sê-lo. Recordo-me na casa dos meus pais em que éramos cinco irrequietos irmãos, que havia um grande cesto das meias no quarto dos armários, e do duro desafio que constituía aí encontrar um par em condições: atrasado para sair para a escola, de olhos turvados pelo sono, mergulhava em desespero no cesto em busca de umas que emparelhassem. Pesados os factos, tudo indica que algures naquele andar de Campo d’ Ourique, havia uma misteriosa dimensão para onde desapareciam meias desirmanadas.

Talvez por isso hoje dou valor a um bom par de meias, que convenhamos, é coisa difícil de encontrar: para o calor há-as de algodão fino que depois de calçar três vezes tendem a enrijecer irremediavelmente. Para o frio, muitas delas até caras e felpudas, perdem rapidamente o fio no calcanhar e no dedo grande. Suspeito que seria grande motivo de risota se um dia fossem inspeccionados os pés de muito boa gente, como por exemplo os nossos deputados na assembleia: não sabemos verdadeiramente a realidade que um rebrilhante par de sapatos Sebago pode ocultar.

Por tudo isto considero que um par de meias é um belo e irrecusável presente, mais ainda se forem das boas, umas resistentes Falke ou felpudas Burlington (que já tiveram melhores dias). Por mim não se façam rogados, e… tenham um Santo Natal.



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Jorge Lima a 21.12.2010 às 18:38

Também aceitas nos anos, João?


Santo Natal p+ara todos,,,
Sem imagem de perfil

De Lura do Grilo a 21.12.2010 às 21:47

Um primo tinha uma tia que lhe oferecia sempre umas meias de lã pelo Natal.


Tantas ela fez que um dia lhe saiu:
- Este é o Natal das Meias!


Nunca mais recebeu nada!
Sem imagem de perfil

De Sancho Pensa a 26.12.2010 às 18:21

A história das meias esburacadas fez-me lembrar a resposta de um ilustre causídico de Viseu, sentado na banca de curioso engraixador (não dos de agora!), que lhe observava escandalizado:
- Mas o senhor doutor não tem meias!
- Tenho tenho! E tenho cuecas do mesmo pano... e já com um buraco!

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Lobos disfarçados de cordeiros

    Ainda bem que encontrei alguém que pensa como eu, ...

  • Luís Lavoura

    O que me parece difícil será encontrar Estados que...

  • Anónimo

    MMilagre português : o vírus está a circular em bo...

  • Vagueando

    "Os problemas parecem sempre ter a mesma origem. E...

  • zazie

    Quanto ao que retira da coisa eu retiro o oposto.S...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D