Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Só num mês as famílias portuguesas retiraram 1,5 mil milhões dos bancos, naquele que é um record desde 1989. A notícia do ionline refere que as famílias portuguesas retiraram 1450 milhões de euros de depósitos em bancos só em Setembro, a maior queda registada num só mês desde 1989 - ano em que o Banco de Portugal começou a compilar essa estatística.

Primeiro foi em Agosto, mês em que os portugueses já tinham retirado 923 milhões de euros dos depósitos. Agora com esta nova retirada, que muitos atribuem à necessidade de haver dinheiro extra para fazer face ao início das aulas, a soma vai já nos 2,4 mil milhões em depósitos perdidos pelos bancos em 2 meses.

A crise económica do país, nomeadamente a subida da taxa de desemprego é uma das causas apontadas.

Quem ler esta notícia poderá pensar que a responsabilidade é apenas da crise ou seja, dos problemas de ausência de liquidez por parte dos clientes, sabendo-se que, até ao momento, os bancos permanecem com os seus lucros intactos. Mas também aqui as coisas parece que estão a mudar e os bancos começam a demonstrar fragilidades que até à presente data não evidenciavam. É, aliás, absolutamente fantástico como ninguém sequer ousa questionar se a banca não tem responsabilidades neste verdadeiro insucesso que foram as quebras acentuadas nos depósitos das famílias.

E a verdade é que, na opinião, tem e não são poucas. Veja-se alguns exemplos: O que pensar quando o elo de confiança que tem de existir entre os clientes e uma instituição bancária se quebra em virtude de atitudes unilaterais por parte de um banco? O que sucede quando uma empresa precisa de apoio da banca e esta se nega a fazê-lo, fechando ou recusando o crédito? O que dizer da verdadeira incompetência revelada por alguns balcões de instituições bancárias, incapazes de, em tempo útil, dar uma resposta cabal a uma dúvida colocada ou entregar um documento, pago pelo cliente, com a urgência devida? Como é possível uma transferência bancária paga na sua origem num país da UE com taxa de urgência demorar 6 dias a ser creditada na conta de um cliente em Portugal? O que pensar quando, no âmbito de um processo sucessório, bancos como o BCP e o BPI demoram 4 meses (!), depois de entregue toda a documentação legal exigida - habilitação de herdeiros e comprovativo das finanças, para desbloquear as verbas herdadas ou facilitar o simples acesso de familiares a um cofre bancário? Será que numa circunstância como esta os portugueses continuam a confiar na banca ou esta é apenas "um mal necessário", cuja utilidade reside, tão só, na possibilidade que lhes dá de evitarem ter o dinheiro debaixo do colchão? É que os bancos actualmente - serviço de multibanco à parte - pouco mais oferecem ao cliente do que um serviço de "guarda" de dinheiro, pago com juros ridículos e sem controle efectivo por parte do cliente sobre a forma como as suas aplicações estão na realidade a ser utilizadas.

Alguma reflexão por parte da banca sobre esta e outras questões talvez não fosse despicienda e isto apenas para tentar evitar que, também este sector, entre em crise em Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Muito bem escrito.Devemos ter sido amigos e vizinh...

  • Sarin

    Porque nem sempre discordamos, permita-me partilha...

  • Anónimo

    novos-ricos cheio de 'entusiasmo urinário'

  • Luís Lavoura

    Parece que o João Távora está contente com o perfi...

  • Anónimo

    Diga lá então, dá-lhe prazer ver um animal a sangr...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds