Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um talento muito especial

por João Távora, em 20.11.10

 

Se é verdade, como refere hoje no Público no seu habitual tom jocoso Vasco Pulido Valente, que o sucesso da cimeira da OTAN confirma uma excepcional capacidade Lusa para administrar acontecimentos de grande complexidade logística e protocolar – em tempos eu próprio me envolvi profissionalmente na organização da Cimeira da OSCE com 52 chefes de Estado e de governo (!) e numa outra mais modesta, também da Nato mas ministerial -  o facto é que, o traço comum entre estes grandes eventos (aos quais  se podem incluir a Expo 98 e o Euro 2004), é, em maior ou menor grau, o eufórico e gigantesco despesismo, que com mais ou menos patrocínio externo, todos eles incorrem. Assim, lamento desiludir o popular cronista e historiador, mas eu diria que a nossa espantosa “capacidade de organização” corresponde a uma vocação e talento dos portugueses em fazer vida de ricos, a mesma que nos impede de "nos governarmos a nós próprios".



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.11.2010 às 19:14

Nesta altura os homens do destino do mundo ainda não estavam a ver o fotógrafo, pois não?


Sua Exª. o nosso PM, esse sim, estava atento.Como convém.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.11.2010 às 21:29

Estão a ver? Estão a ver? Diz Sócrates.
Dou-me com Deus e com o Diabo! Querem melhor que eu?
Trouxe o Chavez, que manda no pó! Conheço o Kadhafi que tem muitos camelos.
Jintao, bem esse, então, é cheio de dinheiro.

Obama, é simplesmente o primeiro Homem do Mundo.

Até o Sr. Carla Bruni e aquela alemã muita chata, todos eles me adoram.
Isto é o resultado de ter dado Portugal. Como se tira do Tratado, aquele que tem o nome da nossa velha Lisboa.

Vamos saír da crise em breve. Só tenho bons amigos, gregos e troianos.


 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.11.2010 às 22:02

No que respeita a fatos, o de Sócrates realça, pois então! Como o de Obama. Vieram dos Estates, e olhem que por lá há bons alfaiates, com bons cortes, ó larilas!
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 21.11.2010 às 22:29

Não estou totalmente de acordo, João.  É certo que houve despesa por parte do Estado, até porque as questões de segurança couberam a Portugal. Há ainda que dizer que a NATO também financia uma parte destas despesas. Mas, então o que dizer disto?


1. Perfeita organização, num evento que recebeu milhares de pessoas que tiveram de ser controladas, transportadas e alimentadas.
2. Um Cimeira da OTAN na capital portuguesa, sem que isso significasse qualquer desacato de monta. Note-se que tal não se deveu à preguiça nacional, mas sim à organização das forças policiais do estado e claro está - ficou nítido -, à generalizada compreensão e apoio por parte da população. Em Paris, Madrid, Berlim Estocolmo, etc, teria sido bem diferente, não duvide. Aqui tudo funcionou e muito bem. Espantoso para os nossos aliados, não é?
3. A visibilidade do país e as palavras em directo, proferidas pelos chefes das principais potências, congratulando Portugal pela organização. O prestígio também conta e faz marcar pontos, disso pode estar certo.
4. A moderação e sageza da policia portuguesa, que actuou de uma forma exemplar. A falha consistiu no catering que se esqueceu dos agentes da ordem, deixados de plantão muitas horas e sem qualquer refeição. Tivesse a população sabido e decerto teria acorrido às avenidas com bolos, bebidas e sanduíches. Não duvido.
5. É claro que a organização foi feita por múltiplas entidades preparadas para estas coisas e que o governo disso beneficiou em termos de visibilidade. Mas afinal, qual é o problema disso? A NATO e a defesa nacional, devem estar acima da insuportável partidite. É por isso mesmo que somos monárquicos, coisa que mais tarde ou mais cedo, o país um dia entenderá. 


Sinceramente, parece-me que foi positivo. 
Sem imagem de perfil

De Marquesa de Carabás a 22.11.2010 às 00:14

Caro Nuno,

Tem razão. Tocou aí num ponto importante que espero venha a ser reconhecido públicamente: o enorme esforço por parte das forças policiais que desenvolveram um trabalho exemplar, com horários muito sobrecarregados. Mostraram brio profissional e competência. Foi aliás, já reconhecida pelos participantes e pela imprensa estrangeira. Espero que os orgãos de soberania não se esqueçam do louvor público que lhes é devido.
Lisboa foi uma capital segura para os cidadãos e para todos os participantes, apesar das contingências.
Há quem ache que o aparato foi demasiado e que se podia fazer o mesmo trabalho de forma menos visível. Não sou dessa opinião. Penso que aqui era importante mostrar segurança pela presença das forças bem visíveis no terreno, quer à população, quer aos participantes.
Há algumas coisas em que somos bons: temos das melhores policias e Serviços de Informação do mundo. Disso não tenho nenhumas dúvidas.





Marquesa de Carabás

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D