Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




40 milhões

por henrique pereira dos santos, em 18.06.18

Já há uns tempos a QUERCUS tinha feito uns comunicados sobre o facto de haver 40 milhões de eucaliptos a sair de viveiro para serem plantados (o comunicado é também assinado por uma associação fantasma cujos orgãos sociais não se sabe quem são e cuja escritura de constituição é feita por uma pessoa, a sua ex-mulher com quem na altura estava casado e a sua empresa, portanto se não cito essa associação não é por distracção mas por não me parecer útil perder tempo com números de ilusionismo).

Hoje é João Camargo a voltar a falar nesse número como sendo uma coisa inacreditável, demonstrador da política de expansão do eucalipto.

O rigor de João Camargo a falar destes assuntos é o mesmo que apresenta a falar das suas qualificações, apresentando-se como investigador em alterações climáticas.

Meia dúzia de minutos chegam para qualquer pessoa, incluindo os responsáveis pelos jornais que lhe dão guarida e o apresentam como investigador em alterações climáticas, verificarem que se trata de mais um caso como o de Barreiras Duarte e tantos outros: João Carmargo, de acordo com o site do ICS (Instituto de Ciências Sociais), é um estudante do programa doutoral em Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável e está a fazer um tese sobre "Adaptação às Alterações Climáticas, nova metanarrativa para a Humanidade?",

Está na página dos estudantes do ICS, não está, evidentemente, na página dos seus investigadores.

A QUERCUS ainda tem o bom senso de transformar estes 40 milhões de árvores em hectares, apresentando o número razoável de 35 mil hectares de plantação possível com estes 40 milhões de árvores (vamos agora esquecer os vários factores que nos fazem ter a certeza de que na realidade o valor de área plantada é menor, e usemos este número como bom), mas João Camargo nem se dá ao trabalho de fazer isto, usa 40 milhões como evidência de "muito", muito esse que demonstra a forte política de expansão do eucalipto.

Admitamos o eucalipto representa 13% da área ardida, como indicam as séries estatísticas longas e apliquemos aos cerca de 600 mil hectares ardidos em 2016 e 2017. Só em área ardida de eucalipto temos mais do dobro dos tais 35 mil hectares, o que desde logo indicia que os 40 milhões de árvores, provavelmente, nem chegariam para repôr o que ardeu.

Acontece que em 2016 e 2017 a geografia dos fogos acompanha muito mais a distribuição do eucalipto, e portanto a área de eucalipto ardida nesses dois anos é muito mais que os habituais 13%.

Vamos admitir que todo o eucalipto recupera após fogo e não é preciso substituir nada (não é bem assim, mas serve, a parte em que é assim, apesar de tudo, é bastante razoável). Se tivermos 850 mil hectares de eucalipto em Portugal (não anda longe), se forem explorados em três cortes espaçados por doze anos (também não é bem assim, mas tem o rigor mínimo para explicar o que pretendo), isso significaria que, só para manter a área de ocupação, seria preciso plantar mais de vinte mil hectares, por ano, ou seja, bem mais que metade da tal área horrososamente exagerada que é possível plantar com 40 milhões de árvores a sair dos viveiros.

O que me interessa aqui é apenas fazer notar a facilidade com que se usa um espantalho como 40 milhões de árvores (ena tantas!) para contrabandear uma ideia que até merecia uma melhor discussão porque tem elementos relevantes que é bom não perder de vista: a ideia de que há eucalipto a mais e que isso resulta de políticas comandadas por interesses económicos escondidos.

Não espanta que pessoas como João Camargo, que escrevem livros a explicar que Portugal arde mais que os outros países porque tem muito eucalipto, usando como argumento que os pinhais do Sudoeste de França não ardem tanto e que a área de pinhal tem diminuído ao mesmo tempo que cresce a área ardida (o argumento é tão surrealista que, para não ser acusado de estar a fazer leituras criativas do livro, cito: "A grande presença de pinheiro-bravo no território, apesar de ter características de elevada inflamabildiade, não é particularmente explicativa para a evolução histórica das últimas décadas, já que o declínio da sua área tem sido acompanhado do aumento da área ardida"), usem espantalhos destes para fazer avançar a sua agenda política, o que é verdadeiramente estranha é a facilidade com que um espantalho evidente (saírem 40 milhões de árvores dos viveiros, para plantação de uma espécie que tem a presença que o eucalitpo tem na paisagem, não indicia nenhum aumento brutal da sua área de ocupação, mas antes uma preocupante incapacidade de ultrapassarmos os 150 a 200 mil hectares geridos racionalmente de povoamentos da mesma espécie) se espalha e é acolhido pela imprensa como sendo um grande problema e um problema que ajuda a explicar a morte de pessoas em incêndios.

Custa muito perguntar: 40 milhões? E daí? Qual é exactamente a questão? E porquê?

Autoria e outros dados (tags, etc)



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2018 às 09:58

São mais os eucaliptos que morrem após um corte mal feito do que os eucaliptos que morrem devido a fogos.
Ou seja, mesmo na exploração normal com três cortes de que o Henrique (corretamente) fala, há muitos eucaliptos que morrem (e têm que ser repostos) aquando dos cortes, por exemplo por estes terem sido feitos fora da época mais adequada para a rebentação.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2018 às 10:34

É por causa destes "investigadores" em que se baseia o nosso PM, que depois vem debitar as asneiras que se conhecem, como a famosa "o que limparmos este ano não teremos que limpar para os próximos". Isto com a ajuda de uma CS ignorante e nalguns casos maldosa e interesseira.
Assim não vamos lá.
 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2018 às 13:00

Esse tal de costa ou está a ficar cada vez mais estúpido ou foi sempre assim.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2018 às 16:29

camargo, tal como antonio das mortes, não distingue um chaparro duma couve-flor


o agit-ptop compreende desinformação e contra-informação


mas nestes casos tem ar de ser 
ignorância, estupidez e má fé  
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2018 às 17:00

Não deixa de ser curioso que o primeiro incêndio a merecer algum destaque tenha sido à custa de mato em Odivelas nas proximadades de uma escola.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2018 às 22:12

Quando acontece na periferia imediata de Lisboa, qualquer fogacho tem honras de tv.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2018 às 20:02


No âmbito da minha profissão cruzei-me com João Camargo e acedi ao seu CV - é bem verdade que um balão cheio de ar consegue voar alto, assim sopre o vento. Se puderem ver, façam isso.
A proposta da tese de doutoramento ("Adaptação às Alterações Climáticas, nova metanarrativa para a Humanidade? - Mainstreaming das Políticas Públicas climáticas no Mediterrâneo, hotspot intercontinental de alterações
climáticas") é um gozo financiado por um programa doutoral da FCT.
Sem imagem de perfil

De maria a 19.06.2018 às 13:19

Sugiro criar um Grupo dos Perguntadores Compulsivos ou o Grupo Idade dos Porquês: juntar as pessoas por areas profissionais ou de interesse e encher os meta-narradores com as perguntas que detestam: em que dados se baseiam, traduzir para português os números que apresentam, quais as suas fontes, confronta-los com contradições e pedir que expliquem como se fossemos todos muito burros o nexo de causalidade entre X e Y. Para os meta narradores do BE, perguntar sempre o que "querem fazer" e como. 


PS | mais importante que ser especialista em alterações climáticas é ser dirigente do Bloco. 




Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Completamente de acordo . Para esta gente que apar...

  • Anónimo

    Este país não tem futuro.Está a ser vendido a reta...

  • Martim Moniz

    E qual é o nacionalismo certo?(o que diz que não d...

  • Anónimo

    Inventei um slogan para o corta-fitas: "Corta-Fita...

  • Luís Lavoura

    Não estou a ser irónico. Um apartamento em Lisboa ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D