Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O fim da era Sócrates

por Duarte Calvão, em 01.11.10

A era Sócrates acabou neste fim-de-semana. Com um processo de negociações do Orçamento que lhe correu muito mal e duas sondagens esmagadoras, sem margens de erro que lhe valham, terá agora que liderar a contragosto um Governo que se vai arrastar durante seis meses a tentar executar um Orçamento de miséria, com uma derrota nas presidenciais pelo meio, até às eleições antecipadas que darão uma vitória certa ao PSD, caso o PS torne a apresentá-lo como candidato a primeiro-ministro. O que, porém, parece que não é certo.
Apesar de eu não ter simpatia pela actual direcção do PSD, tenho de reconhecer que jogou bem nas negociações do Orçamento. Mas tenho a impressão de que a intervenção de Cavaco Silva foi essencial para o triunfo de Passos Coelho (logo ele, tão enfático em querer ultrapassar o “cavaquismo” no seu partido…), não só pela sugestão de Eduardo Catroga, mas sobretudo porque quando Sócrates, na terça-feira, deu ordens a Teixeira dos Santos para provocar a ruptura nas negociações com o PSD, o presidente deverá ter feito saber a Sócrates que não aceitaria a sua demissão. Ou seja, trocou as voltas ao primeiro-ministro que, como me parece evidente, se preparava para seguir o exemplo do seu mentor António Guterres: depois de deixar o país de pantanas, ir embora e culpar o futuro governo do PSD pela crise económica criada pelos socialistas.
Entretanto, graças ao nosso sábio sistema republicano, vamos ter que agonizar mais de meio ano até termos de novo um Governo a sério, num momento em que vivemos a maior crise pós-25 de Abril. Sabem porquê, sabem porque é que o presidente não pode dissolver o Parlamento nos seis meses anteriores às eleições presidenciais? Porque o nosso sistema semi-presidencial “funciona” tão bem que desconfia que o mais alto magistrado da Nação pode usar isso como trunfo para a sua reeleição ou para favorecer um candidato que apoie… Com destaque para Jorge Sampaio, que só depois de dois mandatos presidenciais e de ter sido secretário-geral do PS “descobriu” que este prazo constitucional não serve, há agora uma série de pessoas a clamar contra a estupidez desta disposição. Como se agora adiantasse alguma coisa.
Vamos portanto aguentar impotentes a ver o país a cair durante o Inverno e a Primavera, mas sempre nos podemos ir divertindo com as mudanças de opinião de comentadores, empresários, banqueiros, jornalistas e por aí fora, que até há menos de um ano não hesitavam em considerar José Sócrates como “o melhor primeiro-ministro” para esta época de crise e que agora lhe vão virar as costas e culpá-lo por tudo e mais alguma coisa. As suas qualidades passarão a ser defeitos, as “reformas” passarão a ser causas da crise, o que era branco passará a ser preto. Um espectáculo repugnante já visto com o Cavaco primeiro-ministro e com Guterres, que mostra bem que também esses “opinadores” e “influentes” são culpados pela desgraça de país em que vivemos.



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.11.2010 às 20:27

E depois, quando ele caír, acha que o nome dele é retirado da montra de Rodeo Drive? É que figura ali como prime-minister of Portugal.
Imagem de perfil

De João Távora a 01.11.2010 às 20:43

destaco a extrema lucidez patente no último paragrafo!
Abraço
Sem imagem de perfil

De Pável Rodrigues a 01.11.2010 às 22:28

Não me parece que seja "o fim da era de Sócrates". Até porque, depois de todas as peripécias que envolveram o acordo PSD/PS para aprovação desta espécie de Orçamento, P. Coelho ficou, aos olhos da opinião pública, tão comprometido, ou ainda mais do que Sócrates, com a sua execução. Na minha modesta opinião, parece estarmos mais próximos do fim deste regímen político. Pelo menos, do regímen social/socialista saído da Constituição de 1976, votada  por parlamentares sequestrados e ameaçados por hordas de militares revoltosos e militantes de partidos extremistas, mas que apesar disso nunca foi referendada. 
Imagem de perfil

De Duarte Calvão a 01.11.2010 às 22:48

Parece-me, precisamente, que o ganho de Passos Coelho foi ter conseguido mostrar que apenas "melhorou" o Orçamento e o aliviou de algumas das medidas mais penalizadoras (fim das deduções, subida de IVA para bens alimentares, etc), continuando a dizer que é mau e a responsabilizar o PS pelo descalabro. Mas a verdade é que só o tempo dirá se os eleitores o vão co-responsabilizar pela sua execução.
Sem imagem de perfil

De jorge a 02.11.2010 às 15:57

A euforia não é boa conselheira, ´que tal mais moderação nas expectativas.

 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    pm pedinte profissional sempre de mão pronta a rec...

  • Anónimo

    Já se adivinhava que mais tarde ou mais cedo havia...

  • Anónimo

    sonham com o regresso de che e de dani vermelho nu...

  • Anónimo

    PR, pm, muitos ecos não passam de meninos citadino...

  • Elvimonte

    Que desgraça... MC Gomes personifica no vídeo a nu...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D