Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sem rumo, sem sentido?

por João-Afonso Machado, em 26.10.10

Sou assumidamente novato nisto que, cá entre nós, já ficou conhecido como a bloga. Explico até como me iniciei: em defesa da bandeira nacional, há um ano içada na varanda da Câmara Municipal de Lisboa. Depois fui andando - isto é: escrevendo - até aos amáveis e gratificantes convites que recebi para de comentador passar a colaborador. E assim consegui apreender. O quê, em resumo e substância?

Desde logo, este mundo virtual - termo também recém-chegado - é um caminho adequado a criar amizades. Sem fugir da terminologia própria, reais ou virtuais. Depois, está aí a fórmula mágica de as pessoas interagirem - mais um neologismo, enfim - assanhadamente, por vezes. educadamente, de preferência. Com distância ou proximidade. Quer dizer: racionalmente ou emocionalmente. Na forma identificativa de cada um, supondo que a inteligência dos demais consegue distinguir a margem que separa o acalorado do insultuoso.

Porque nem tudo é como devia ser, alguém se terá lembrado de moderar - mais um eufemismo - os comentários dos intervenientes. E muito bem! Nos estabelecimentos ao lado, onde essa prática não é costumeira, é só questão de clicar e observar. Um autêntico chavascal. De que, felizmente, o Corta-Fitas se preserva.

Só que há mais. Há muito mais para além do insulto torpe. Há o propósito humilhante, a provocação constante, o intuito persecutório. Sem o calão, mas com toda a maldade. Desinteressado do contraditório, apenas orientado para a demolição. De pessoas e de ideias.

Encurtando razões, avanço rápidamente para a tão versada questão dos anónimos. Dos "abrantes", digamos assim. Apenas para concluir que o uso do nick name, ou o comentário isolado de alguém que, nem assim, quer identificar-se em público é absolutamente inócuo. Tudo está em, num caso, um comentador se decidir pela defesa de um ponto de vista sob pseudónimo e, noutro, a opinião ser expressa - apoiando, distinguindo, refutando - por quem quer, desejando manter o sigilo sobre tudo o que vá além das ideias.

Não, o mal é outro. Tremendamente pior. E consiste no propósito - se calhar, não evidente - de destruir por destruir. Sem nome, mas sistemáticamente. Como se fosse muita gente, ou um acto isolado, apenas. Mas multiplicadissimo. E, afinal, tão fácilmente detectável pelo estilo de escrita, pelo cinismo, pela maldade, pela ausência de ideias... Tão fácilmente detectável pelo cansaço provocado nos leitores, pelos regulares desabafos destes, pela doentia apresentação de um sem-nome que todos nomeiam.

Neste universo em que somos senhores dos nossos destinos - ao menos aqui... - terá de ser assim? Até na bloga imperará a impunidade? Então que parte do mundo nos resta para vivermos e nos relacionarmos em paz?

Falando por mim, sou nada do género de percorrer, apenas por percorrer, o caminho árido onde não há propósitos nem destino. A sede e a irritação deixam-me ficar a meio.

 

 




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • JPT

    O corrector do Word insiste em alertar para esse s...

  • henrique pereira dos santos

    As épocas de gripe são monitorizadas pela mortalid...

  • Anónimo

    Demolir, diz bem."Delenda Carthago est"!

  • Anónimo

    HPS, eventualmente já terá lido sobre este assunto...

  • Anónimo

    Não é uma criatura nada desprezível, não senhor......


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D