Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A casinha do moralista da república

por Rui Crull Tabosa, em 22.09.10

Baptista-Bastos (com hífen, que é mais giro...) é um desses moralistas ao serviço da velhinha que no próximo mês de Outubro completa cem anos.

Adora encher a boca com 'república' práqui, 'república' práli, delira sobre a ética da dita e as putativas ameaças à mesma, mas esquece de dizer que vive numa casa camarária, em Lisboa, à custa de cunhas e favores certamente incompatíveis com o 'princípio da igualdade' que tanto deveria prezar.

Sabedor de que quem não chora não mama, esse republicano de pacotilha confessou que "Quando precisei [de casa] pedi", esclarecendo ainda que "Não há aqui prendas. A casa que alugava há 32 anos em Alfama estava a cair, eu tinha três filhos e não tinha meios. Escrevi à presidência a pedir uma casa".

São também exemplos como o deste inenarrável inquilino municipal que minam os alicerces éticos do regime e justificam que o povo se afaste cada vez mais desse fartar vilanagem dos 'filhos da República'.

(iIlustração de Pedro Vieira, tirada daqui).


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.09.2010 às 20:10

Mas se o tipo é moralista está de acordo com o CF, prezado Crull.
Sem imagem de perfil

De Munícipe defraudado a 22.09.2010 às 20:52

Pois é. Mas na mesma altura em que a Câmara socialista lhe dava uma casa (que nega a tantos munícipes pobres que dela precisam), o BB comprava outra em Constância.
Quem não tem vergonha...
Nota - A propósito, quando é que o "dossier" das casinhas vem a público? A "pobrezinha" Dina Aguiar, jornalista da RTP, por exemplo, já devolveu o estúdio que a Câmara lhe facultou (e à filha) para que dêem largas ao seu génio artístico?
Sem imagem de perfil

De Antifarsista a 22.09.2010 às 21:03

Todas as quartas-feiras esse moralista de trazer por casa debita os seus sermões no DN, numa prosa intragavelmente presunçosa.
Curioso é o facto de o jornal acolher todos os comentários favoráveis ao sujeito, censurando sistematicamente os que lhe lembram o telhado de vidro da casinha da Câmara...
Gandas demokratas!
Imagem de perfil

De Réspublica a 22.09.2010 às 21:09

Ainda veremos, caro Crull, o B-B substituír a famosa frase "onde estava no 25 de Abril", por onde estava no 5 de Outubro, esta ética e estes republicanos serão a melhor propaganda para o fim do regime...
Sem imagem de perfil

De Marquesa de Carabás a 23.09.2010 às 11:44

Fico triste com estas notícias. O BB não precisava disto.
Recordo uma outra faceta do BB, num local onde a politica ficava na porta da rua e da porta para dentro funcionava a criatividade.
Aí sim! Goste-se ou não, o BB deu cartas, numa geração de ouro: a de Stau Monteiro,  de Ary, de O'Neil, do BB, com quem tive também, o prazer de trabalhar.
Tinha uma capacidade de improviso absolutamente espantosa, num tempo em que se inventavam spots, ditados em directo aos locutores e, se criavam campanhas inteiras numa noite.



Cumprimentos,




Marquesa de Carabás

Sem imagem de perfil

De JB a 23.09.2010 às 16:52

O vosso moralismo é bem pior do que o do Batista Bastos. Sobretudo muito mais perigoso. Para isso, há um nome feio. O Baptista Bastos sempre viveu mal, ganhou sempre pouco na sua profissão, e vivia numa casa degradada em Alfama, com mulher e três filhos. Muita gente desse bairro foi realojada pela Cãmara em habitações melhores. O Baptista Bastos foi um deles. Lutou, como tanta gente em todos os municípios, por uma moradia melhor para a sua familia, e pediu, atenção, não só para si mas para todos os habitants do bairro nas suas condições. Fez o que faria qualquer homem decente. Assassinatos de carácter, ele nunca fez, como vocês agora fazem. Ajudou e defendeu muita gente, inclusive amigos que estavam nos seus antipodas politicos, como o João Coito e o António Maria Zorro. Conhecem? É que nem fazem a minima ideia de quem eles são, assim como não conhecem e nunca vão conhecer o Baptista Bastos.
Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 23.09.2010 às 17:00

Desculpe lá, mas e os outros que vivem mal e têm de ir viver para os subúrbios ou não conseguem sair de casa dos pais?
Nunca leu as prosas de BB? Os textos em que ele faz - aí sim - assassinatos de carácter como eu ainda neste post linkei?
Acha que um indivíduo pode andar a dizer loas sobre a república e, seguramente, o princípio da igualdade, e depois aproveitar-se dos seus conhecimentos e arranjar uma casinha para si? Sabe, eu e quem eu conheço comprou as suas casas e ainda as compra e vai continuar a comprar por muitos anos, sem ajudas, sem cunhas, sem favores políticos, ao contrário do seu admirado.
A isto chama-se vergonha na cara!
E o que eu dispenso mesmo é que quem se foi 'governando' com prebendas, venha depois arrotar postas de pescada moralistas!
Tenha juízo.
Sem imagem de perfil

De JB a 23.09.2010 às 17:23

Que “prebendas”? Que “conhecimentos”? Que tem “dizer loas à república” com o pedir uma casa à câmara, coisa que fazem milhares de cidadãos anónimos deste país que vivem em casas a cair, com filhos para vestir e alimentar? Que tem isso a ver com “o princípio da igualdade”, quando essa é precisamente um das funções do Estado e quando existem departamentos camarários exactamente para essas funções? Quem você conhece que compra casas sem “cunhas”, um dia, vendo-se desesperado, moverá mundos e fundos para fazer o mesmo que fez o BB, incluindo pedir ajuda à Câmara, sem que você, nem ninguém tenha o direito de os condenar. Mas quem é você, Rui, ou alguém, para condenar o Baptista Bastos? Quem é você para recomendar “vergonha na cara” ou “juizo” a quem quer que seja?

Sem imagem de perfil

De João Afonso Machado a 23.09.2010 às 22:15


Estarei de acordo quando se fala de «ética republicana».
Fiquemos por aí.
A Ética é coisa diferente. É só a Ética. A burrice dos republicanos foi tentarem impingir que havia dusas (ou mais).
Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 23.09.2010 às 22:57

Temn a ver e muito. Eu, quando saí de casa dos meus pais, não escrevi à câmara a pedir que os contribuintes - muitos deles sem casas dignas - me pagassem a minha. Pedi dinheiro emprestado, que não tinha nenhum, e estou a pagar a minha casa, não à custa dos outros, mas do meu trabalho. A isto chamo vergonha na cara, já que nunca gostei de parasitagens.
E a verdade é mesmo essa: para que muitos tenham casas sem para elas ter feito esforço nenhum, outros as têm de pagar, muitas vezes vivendo nos subúrbios onde as casinhas são mais baratas. Porque razão BB não foi viver para Mem Martins ou Almada, onde seguramente as casas eram mais baratas? Não, queria viver na Capital, mas como não podia comprar casa ou pagar renda, comprei-lha e pago-lha eu, eu e os outros contribuintes que sustentam a choldra que vive à conta do trabalho dos outros!
É por essas e por outras que, como já deve saber, Portugal está à beira da falência...
E sim, posso recomendar 'vergonha na cara', que nunca roubei nem pedi para mim o que outros não têm.
Defenda lá o seu amiguinho, que só fica bem aos dois.
Sem imagem de perfil

De JB a 24.09.2010 às 10:39

Meu caro, o mundo não gira à sua volta. Há mais mundo do que aquele que você conhece e sobretudo nunca diga, com essa arrogância toda, desta água não beberei, que um dia pode precisar.


Ainda não explicou que “prebendas” pode ter tido um homem que viveu décadas numa casa miserável num bairro pobre, com mulher e três filhos. Imagino que imaginava o Baptista Bastos a passear de mercedes e a viver na Lapa, onde recebia ministros, condecorações e envelopes grossos de dinheiro, e a pedir à cãmara que o realojassem numa vivenda do Restelo para poder ter um jardim  privado. Não se importa de explicar que “prebendas” eram essas e onde o homem as terá guardado?


Fica a saber que todas as pessoas do prédio onde o BB vivia foram realojadas, porque o prédio simplesmente não tinha condições para alguém lá viver. Esse e outros prédios, numa zona onde nunca terá posto os pés, ou, se o fez, terá sido para comer sardinhas assadas no santo antónio. Conheço eu bem apartamentos nessa zona, com divisões minúsculas e podres divididas por cortinados.


Nem ele, nem os outros, foram viver para Almada ou Mem Martins, onde as rendas seriam mais baratas, é verdade. Até posso reforçar isso: podiam ter ido viver para a Serra de Monchique, se não tivessem dinheiro para mais. Podiam todos aqueles a quem a câmara atribui casas ou dá subsídios, ir viver para a serra de Monchique. Em vez disso, imagine, vão à sua câmara pedir ajuda.


Acho que deve lutar pelo fim dos serviços de assistência social da câmara aos mais necessitados, incluindo realojamento, com o argumento de que se você pode comprar, eles também podem. Mas, mais uma vez, não cuspa para o ar. Um dia, posso também eu queixar-me de que faz parte da choldra que me anda a ir ao bolso. E por aqui me fico, que não tenho estômago para mais.

Imagem de perfil

De Rui Crull Tabosa a 24.09.2010 às 21:20

Comparar Almada ou Mem Martins, nos subúrbios de Lisboa, à serra de Monchique revela bem uma má fé má fé digna de 'meninges que riscam diamante', isto para usar um dos muitos insultos que o seu admirado BB atirou a terceiros...
E sim, esquece que muitas pessoas não conseguem  - não têm posses - para viver em Lisboa e têm de ir para os arredores, mas, é claro, o seu BB é fino e não podia sair de Lisboa (e isto aoplica-se aos restantes habitantes do prédio, se foi esse mesmo o caso...). A casa está a cair? Sai e vai para outra que possa pagar, em vez de esperar que sejam os contribuintes a pagar o estilo cosmopolita de cada um. Sim, é umas questão de ñão se ser chulo.
Finalmente, dar a entender que BB é um "dos mais necessitados" é verdadeuiramente um insulto aos reformados e idosos que sobrevivem com pensões miseráveis!
Tenha vergonha nos exemplos que dá!
Sem imagem de perfil

De Velho da floresta a 24.09.2010 às 00:30

Os citados por si João Coito e António Maria Zorro, eu sei quem foram e conheci-os bem, a ambos paz as suas almas que foram grandes homens e grandes patriotas. Que eu saiba (e sei muito bem o que aconteceu no DN) o despudorado individuo que você defende, nunca os ajudou em nada, NADA.
Para aquilatar o carácter do Baptista Bastos, tenha em conta que ele escreveu e disse de Paulo Teixeira Pinto, aquilo que mafoma não disse do toucinho, porém quando este lhe acenou com um lugarzito na editora, em vez de recusar como lhe competia, foi a correr aceitar o lugar, carácter, pffff , um biltre sem carácter nenhum diga antes.
Sem imagem de perfil

De JB a 24.09.2010 às 10:40


 
Poderá, se quiser, discutir isto com este:

http://combustoes.blogspot.com/2008/05/o-equvoco-baptista-bastos.html (http://combustoes.blogspot.com/2008/05/o-equvoco-baptista-bastos.html)

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com



Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • balio

    É um funcionário público, ao que dizem técnico su...

  • João Ribeiro

    Sabe bem, ler isto.

  • RR

    Se o P(N)S fala para valer, em vez de andar aí a b...

  • cela.e.sela

    «Ora zus, truz, truz,Ora zás, trás, trás,Ora chega...

  • O apartidário

    Um candidato do outro mundoO PS, ou uma parte do P...


Links

Muito nossos

  •  
  • Outros blogs

  •  
  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2023
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2022
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2021
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2020
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2019
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2018
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2017
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2016
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2015
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2014
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2013
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2012
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2011
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2010
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2009
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2008
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D
    222. 2007
    223. J
    224. F
    225. M
    226. A
    227. M
    228. J
    229. J
    230. A
    231. S
    232. O
    233. N
    234. D
    235. 2006
    236. J
    237. F
    238. M
    239. A
    240. M
    241. J
    242. J
    243. A
    244. S
    245. O
    246. N
    247. D