Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A barbearia

por João Távora, em 03.09.10

 

 

Quando era pequeno, ir à barbearia do bairro era um ritual da minha masculinidade. Nem sempre voluntário, mas periodicamente inevitável, quando a juvenil guedelha hirsuta o exigia. Ao princípio ia com a minha mãe, que me entregava aos cirúrgicos cuidados do barbeiro e logo saía apressada, talvez pouco à-vontade, talvez para fazer outras coisas úteis.

 

Percebo perfeitamente, pois eu também não me sentia bem no território feminino, quando era forçado a acompanhar a minha avó ao cabeleireiro Brito & Brito, na Avenida da Liberdade. Eram momentos de opressão sufocante, com a ideia clara de ser um intruso naquele ambiente de laca e verniz. Aqueles estranhos capacetes espaciais, com circunspectas senhoras debaixo, de dedos em riste, pintados de fresco, e todos aqueles rolos, papelotes e turbantes nas cabeças simplesmente intimidavam-me, deixando-me estarrecido.

O que me lembro do meu barbeiro ali na Rua Almeida e Sousa em Campo de Ourique, era das suas mãos lavadas e relógio dourado no pulso. Sempre de impecável bata branca e de conversa fácil, com os seus dedos duros e frios a endireitarem firmemente a minha cabeça fugidia. Lembro-me das pinceladas de sabão morno e do raspar da navalha afiada na nuca e nas patilhas inexistentes. Era parte dos procedimentos. Lembro-me do fatal calendário de “garagem”, com uma loira bem curvada, do horário e dos diplomas emoldurados. Também sobressaíam, ao lado dos grandes espelhos, umas fotografias a preto-e-branco de garbosas e antiquadas cabeleiras, bem penteadas com Bel Hair ou Restaurador Olex. Fascinavam-me também os pesados cadeirões em ferro pintado, onde me sentava soerguido num caixote “adaptador” para as crianças pequenas. E do estofo de cabedal redondo, que com duas espanadelas se virava do avesso, para assento do cliente seguinte.

Naquele pequeno espaço, os homens comentavam as banalidades da política e do futebol ao som do Rádio Clube, com as tesouras sempre a cortar, a cortar, em golpes ritmados, tchic, tchic, tchic, tchic. Depois, vinha a pergunta redentora: “O cabelinho é para molhar?” Finalmente o sacrifício acabava, era tempo de voltar para as brincadeiras, para casa ou para a praceta, com os cabelos caídos a picar nas costas...

Um dia destes, aburguesado e imprudente com as pressas, descobri perto do escritório um moderníssimo cabeleireiro de homens, cheio de paninhos quentes e inauditas mordomias. Surpreendi-me logo com o pretensioso recepcionista, de modos efeminados, casaco fantasia e gravata Disney, que confirmava a marcação. Sentado na sala de espera, procurei em vão literatura apropriada para me entreter. Só descobri brochuras de produtos capilares milagrosos. Logo uma menina de rabo bamboleante me perguntou se queria arranjar as unhas... Eu, arranjar as unhas?!? Notei as conversas dum cliente com a manicura, talvez um bem sucedido gestor de import-export, que me soou excessivamente íntima: o homem emitia confiantes e bombásticas opiniões sobre política e finanças “de cordel”. Quando, de cabelos lavados, cheguei às mãos da decotada cabeleireira, balbuciei que não queria modernices, o que a deixou visivelmente contrafeita. Uma jovem estagiária veio oferecer uma massagem capilar... e um café. No final, paguei 25 €. Nunca me saiu tão cara uma “bica”.

Duas semanas depois, quando o cabelo mal cortado não assentava mais, decidi visitar o velho e fiel barbeiro aqui de São João do Estoril. Dispus-me a perder uma manhã de sábado a ler a imprensa popular e a cortar o cabelo como deve ser. Ouvindo o Jogo da Mala e o Bola Branca em ondas médias, sem paninhos quentes e embaraçosas mordomias. Um conservador é um conservador.

 

Texto reeditado



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Esclareça aqui o pessoal a 03.09.2010 às 12:10

A loira estava bem curvada para a frente ou para trás?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 12:32

E qual é o objectivo? Ia fazer alguma coisa? Ele é conservador. Não percebeu?
Não tem problema arranjar unhas, desde que as deixe à Homem. Não depile é sobrancelhas nem pernas. Isso, é que seria um tiro na masculinidade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 14:10

Um conservador católico que se preze nem repara no rabo bamboleante das meninas...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 14:44

Calma aí! O João Távora é católico mas não é santo. Acho muito bem que repare no rabo das garotas. Depende dos rabos.
Hum, será que foi ele quem escolheu a «sininha» de sexta - feira?
Sem imagem de perfil

De Calma, não! a 03.09.2010 às 15:23

Reparou no rabo da menina e no decote da cabeleireira, o que configura indícios de tara sexual...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 20:46

Então, o que é bom é para se ver. Se o homem olhou é sinal que estava vivo, aliás, há coisas que ele continua a não poder controlar. Ora, ora!
Imagem de perfil

De Luísa Correia a 04.09.2010 às 12:59

Como o compreendo, João. Estes rituais capilares são, também para mim, um castigo desde que me lembro de frequentar cabeleireiros. E nem com a nova prática das massagens na nuca me convencem. Aí está um ponto em que a ciência podia ajudar-nos, criando algum artefacto que nos permitisse ver e dominar «o que se passa nas nossas costas». ;-D
Sem imagem de perfil

De Bic Laranja a 05.09.2010 às 12:08

Há dias uma estagiária viu-me de cabelo cortado:
- Ena! Foi ao cabeleireiro.
- Cabeleireiro não. Barbeiro.
Ficou de expressão inerte sem me entender.
Cumpts.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • voza0db

    Este foi o comentário mais incongruente que li hoj...

  • voza0db

    Para Portróikal a Ryanair até é o ideal. Satisfaz ...

  • voza0db

    "o relançamento da TAP" terminará desta forma...ht...

  • Ana ☯

    Nem eu concordo com punições. Defendo a compreensã...

  • Anónimo

    Não julga. Sabe que não é assim. Veja o que a GB f...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D