Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sobre as boas maneiras

por João Távora, em 01.09.10

 

Faz-me alguma confusão a banalização duma  linguagem violenta e rasteira que prolifera  em cançonetas, filmes e programas de televisão, direccionados à juventude ou a uma certa classe social "alternativa". Basta ver um filme de acção americano para classe média, um qualquer standup rasco, bonecos animados para adolescentes, ou escutar as palavras dum irrelevante recitador de RAP, para sermos agredidos com a mais hostil gíria e descontextualizado insulto a tudo o que mexe.  Um dia destes vi na MTV, num reality show na moda entre os adolescentes, uma rechonchuda cachopa americana vilipendiando ao vivo a sua namorada traída; numa verborreia onde o epíteto “cabra” era o mais carinhoso dos adjectivos. Eram seis da tarde.

As boas maneiras não resolvem tudo, nem sempre contêm a semente de violência ou de auto-destruição que não raro brota na alma humana. Mas o pior é que as palavras e os símbolos nunca são só palavras ou símbolos; estão colados aos seus significados precisos que assim se exaltam. Estranho que a mesma adolescentocracia que tolera e trivializa estas aberrações “culturais”, vem a jusante chorar lágrimas de crocodilo e indignar-se com a violência doméstica, discriminação e outras enfermidades sociais que afinal alguma educação e valores teriam por certo resolvido ou atenuado.

Autoria e outros dados (tags, etc)



19 comentários

Sem imagem de perfil

De Não vamos tão longe a 01.09.2010 às 18:24

Não é preciso ir tão longe nem atravessar o Oceano.

Basta andar por aí em locais públicos como, por exemplo, transportes e respectivas estações, para ouvir, claramente "ouvisto", o horripilante vocabulário empregue em voz alta por alguns grupos de adolescentes.

PS- Uma coisa curiosa quanto à violência doméstica é que nunca são noticiados como violência doméstica os casos de violência doméstica no seio de casais homossexuais [esta do seio fica meio esquisita, mas enfim].
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.09.2010 às 19:04

Ouvisto, vistes, comprar o «passo», bué, yo, tás fixe, ya, cota, vaia, deia, puse-o...Ai que saudades de dar aulas, entravam armados e saiam fritos.
Mas com o chefe do executivo que temos e com um antecedente de sampaio, o pá, o porreiro, são bué da usados.
Ressalvo, porém, que há as boas maneiras under do verniz, e quando este estala! Na América, o bitch e o biatch, yo bro, yo sis, são palavras de ordem, mas nem todos usam...
Os mais velhos reprovam e repreendem, só que os snoopies da musica têm infelizmente muita influência nas palavras, que são adoptadas de imediato pelos modernaços.
Sem imagem de perfil

De Ainda se fosse só isso a 02.09.2010 às 09:17

Não é só isso, não.

É o emprego a cada passo do palavrão, tanto por eles como por elas.

E não é preciso alguém esforçar-se muito por ouvir; basta estar perto, mesmo que involuntariamente. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2010 às 20:02


Não, efectivamente não é só isso, nem só o palavrão. Os juízos de valor sobre quem não se conhece, o insulto, a raiva, tudo o que efectivamente as boas maneiras mandam conter, são frequentemente projectados por quem se arvora em dono ou dona da educação.
 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 09:01

Vê-se à légua que não anda por aí, fora do condomínio fechado, ou se anda é surdo. E cego voluntário.
Sem imagem de perfil

De Vida em Sociedade a 01.09.2010 às 19:54

Querido Amigo, Muito bom o seu artigo e é uma idéia importante essa que você está destacando. Mas acho que a frase abaixo está meio solta, faltando demonstrar melhor o que lhe ocorreu, acho que está faltando um "link" entre o que pensou e o que afinal escreveu quando disse As boas maneiras não resolvem tudo, nem sempre contêm a semente de violência ou de auto-destruição que não raro brota na alma humana.


Bem talvez tenha sido eu que não tenha entendido bem não é? Abraços e continue escrevendo sobre este tema. Deixo aqui nosso link para continuar conversando com seus leitores sobre a questão das boa maneiras e dos adolescentes.


Vida em Sociedade: Boas Maneiras, Virtudes Humanas e Cristianismo para a Vida Cotidiana. Informação Útil para a educação dos filhos em família em boas maneiras, cortesia, etiqueta, civilidade, virtudes humanas e cristianismo para as situações cotidianas da vida em sociedade. Material de Reprodução Livre e Gratuita - Brasil - Ano IV http://vidaemsociedade-sa.blogspot.com/ (http://vidaemsociedade-sa.blogspot.com/)
Sem imagem de perfil

De Velho da floresta a 01.09.2010 às 21:26

Senhor João Távora apesar de num plano ideal concordar consigo, penso que concordará comigo que as boas maneiras são historicamente uma qualidade de uma pequena porção da população, já a boa educação poderá ser um pouco mais alargada e incluir os conceitos como respeito pelos mais velhos e manter-se no seu lugar, que eram tradicionalmente seguidos de forma geral pela populaça, mas qualquer tipo de comportamento mais refinado e polido será sempre apanágio de uma relativamente pequena parte da população, pois a restante tentará papaguear os termos "bem" e imitar os comportamentos educados, até que algo aconteça que faça estalar o verniz e aí já não há nada a fazer.
Sem imagem de perfil

De APC a 02.09.2010 às 01:37


Well done, Velho da Floresta !
Eu não diria mais, nem melhor.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2010 às 17:21


Exacto "Velho". Eu até ia fazer um comentario sobre Gil Vicente, que não é propriamente nosso contemporaneo. Mas o "Velho" já demonstrou que a falta de "boas maneiras" não é  apanagio das novas gerações.

EMS
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2010 às 19:58

E quem ensina as novas gerações? Quem deixa que as novas gerações sejam assim?
Imagem de perfil

De jose-catarino a 01.09.2010 às 22:25

Não é preciso atravessar o Atlântico: basta ler alguns dos blogues da lista "outros blogs"; alguns, parece que muito apreciados, não vão além do rol de palavrões e chalaças pretensamente graciosas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.09.2010 às 23:23


Sendo certo, porém, meu caro que podemos até falar palavrões com conhecimento e com cultura. Alguns dos grandes palavrões que todos condenamos, quando proferidos com sentido ordinário, têm na sua origem o que nunca nos passaria pela cabeça e que à data da sua origem estava legitimado.
Imagem de perfil

De jose-catarino a 03.09.2010 às 10:24

Estou de acordo. Os palavrões fazem muita falta, sobretudo quando bem empregues. O que acho confrangedor é ver gente que parece não conhecer outro léxico e os emprega como a criança que acabou de os aprender. Sou professor e passo o dia a ouvir um na boca das raparigas e outro na dos rapazes. Duas palavras, ainda por cima repartidas por sexos,  é muito fraco conhecimento lexical. Sem falar na (im)pertinência do seu emprego.
Sem imagem de perfil

De Apoiado! a 03.09.2010 às 12:06

Exactamente.

Falou quem sabe e não se recusa a constatar a realidade.

A rasquice a que se chegou é confrangedora.

Image



 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 12:46

Sim, concordo consigo. Naturalmente, que não me referia ao caso concreto que menciona, francamente desolador e preocupante. O que pretendi comunicar foi a origem de alguns «palavrões», que a muitos não passa pela cabeça e cujo uso adulterado levou ao sentido ordinário com que é grosso modo utilizado, minorizando, assim, o efeito que poderia alcançar-se num discurso - até escrito - de registo mais cuidado.
Imagem de perfil

De Réspublica a 02.09.2010 às 11:23

Caro amigo, mas em Portugal é a mesma coisa, aquela série virolenta sobre o regicídio, cujo único mérito é apresentar o Luz de Almeida com um aspecto quase satânico de bigode retorcido para cima, tipo Dick Detestável, é certo que o Mestre Aquilino e o Afonso Costa são os heróis, mas não há sequer honra entre republicanos...
Nessa séria surge linguagem vulgar e com o intuito de denegrir o rei D. Carlos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 20:52

VIRULENTA! Faça cópias de vez em quando!
Sem imagem de perfil

De Bons conselhos a 03.09.2010 às 09:55

Viajar à noite num comboio de Sintra ou de Cascais aconselha-se vivamente.

Circular por uma zona de divertimento noturno, como o Bairro Alto ou Santos, também faz muito bem.

De preferência, experiências a fazer sem companhia.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2010 às 12:56

Ui, já fez e gostou. Diga-nos mais. É agora que estamos em week end de verão, um roteiro seria benvindo.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Pedro Nunes

    Já tinha saudades de ler os textos do Henrique.

  • Anónimo

    O Henrique devia ser leitura obrigatória. ;-) Obri...

  • Anónimo

    a sociedade citadina actual é coprofágica, vai mor...

  • Luis Lavoura

    Essa de querer comer somente peixe, por razoes amb...

  • Anónimo

    Salva qualquer um com magros resultados no balanço...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D