Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Trem a Grande Vapor

por José Mendonça da Cruz, em 19.04.10

 

Quando centenas de pessoas acorrem a Santa Apolónia, confiantes em que o comboio é a solução de todas as suas ansiedades e problemas, a empresa pública CP recebe-as ... com 1 bilheteira aberta.

 

No meio de uma crise do transporte aéreo que não tem par nem no pós-11 de Setembro, quando milhares de turistas em Lisboa acorrem a Santa Apolónia em busca de bilhetes de comboio, dispostos a pagá-los até a preços de excepção, a empresa pública CP responde à procura com enfado e oferece 5 horas de espera. Não com 4, nem 3, nem 2, mas com 1 bilheteira aberta.

Quando podia pôr mais comboios na linha, ou mais carruagens nas composições, ou criar ligações por autocarro (coisa, aliás, familiar à CP, empresa pública que ligará Lisboa a Évora e Beja por autocarro durante um ano, por causa de umas obras em Casa Branca) para alguma ou algumas capitais europeias, em vez disso a empresa pública CP fica quieta, e, ao desejo de centenas de pessoas de entregar-lhe dinheiro, responde com 1 bilheteira aberta em Santa Apolónia e 5 horas de espera.

A empresa pública CP, que poderia pedir por ligações de comboio ou de autocarro a algum ponto da Europa o que bem entendesse, já que uma situação excepcional toleraria soluções a excepcional preço, não tem soluções nem serviços: tem apenas 1 bilheteira e 5 horas de espera.

Quando a crise passar (depois de a crise passar), provavelmente, a empresa pública CP gastará dinheiro a estudar como ter respostas adequadas a situações excepcionalmente favoráveis de crise, como oferecer menos de 5 horas de espera e mais que 1 bilheteira. Depois, ficarão todos muito contentes à espera de que aconteça aquilo que acaba de acontecer.

É este o modelo de empresa pública socialista. É assim que os socialistas entendem a reanimação da economia: clientes que gostariam de pagar, mas não podem; uma empresa que poderia vender, mas recusa a venda; e se tudo correr mal (como tem que correr, fatalmente) a garantia do dinheiro dos contribuintes. Relapsos, contumazes, ávidos, querem, ainda por cima, fazer exactamente o mesmo mas fazer-nos pagar muito mais caro. O TGV com esta gente não será outra coisa.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria da Fonte a 19.04.2010 às 01:34

Caro Mendonça da Cruz

Para isso seria necessário competência e dinamismo, duas qualidades que estes gestores milagrosos, óbviamente não têm.

Além disso, seria necessário pagar horas suplementares ao pessoal, para o que não existe verba.

A verba, foi para pagar aos gestores laureados.

Se o TGV, existisse, continuaria a haver apenas uma bilheteira, porque um TGV já teria partido, e o outro, ainda não teria saido, de regresso a Lisboa.

Maria da Fonte

Maria da Fonte
Sem imagem de perfil

De Pan a 24.04.2010 às 10:28


 
Pois como é que a CP poderia alguma vez disponibilizar comboios em alternativa aos aviões, se vendeu a maior parte das suas excelentes carruagens salão algumas delas de1ª classe fabricadas na Sorefame, como sucata, ao sucateiro Godinho?
 Grande parte delas encontram-se ainda abandonadas no Barreiro, porque foi interrompida pelas autoridades o seu abatimento pelo sucateiro Godinho, pois não estavam a ser cumpridas as regras de segurança e sanidade.
 Quem é que assume a responsabilidade de mandar abater centenas de carruagens em bom estado de circulação?
 Ninguém, neste país a culpa morre solteira! O Godinho é que se amanhou, porque comprou, ou melhor, deram-lhas como sucata, e retirava-lhe alguns orgãos
 e peças, que depois de pintados, eram vendidos vendidos como novos à própria CP.
 E assim hoje a C.P. nem tem carruagens para efectuar os comboios em Portugal, quanto mais fazer combóios para o estrangeiro.
 Por cumulo que possa parecer a CP por falta dessas carruagens que vendeu como sucata, tem de efectuar comboios intercidades com apenas com duas carruagens e locomotiva, pelo que obriga à redução de velocidade nesses comboios!
 Incrível, Portugal é um país governado por sucateiros!

J.M.F.
 
 
Sem imagem de perfil

De Vasco Rosa a 19.04.2010 às 06:02

José Mendonça, Não poderia estar mais de acordo consigo! Conheço muito bem Santa Apolónia e a forma como os clientes da CP são tratados, uma das maneiras é dizer que são clientes da REFER quando lhes convém... Para um país de turismo como o nosso essencialmente é e pode ser, é intolerável essa incapacidade de avaliar respostas adequadas a momentos de (alguma) crise. Mas o descalabro é geral. Um caso que ali observo muito: não há garantidamente carrinhos para malas ao dispor de todos, porque, dizem, os que havia foram lançados ao rio, e em troca temos 2 ou 3 velhotes, que deveriam estar em casa, a fazer esse serviço por 3 a 4 euros... A gestão duma estação central de comboios é incompatível com estes modos, mas não há quem se responsabilize e a cada vez que protesto e me respondem que devo «fazer sugestões» ou queixas, eu respondo cruamente que não sou administrador da CP e que basta um pouco de bom senso e profissionalismo para entender o que falta fazer. Mas a verdade é que por ali não há e há muito tempo. Raios!
Sem imagem de perfil

De Mário Jamé & António Praia a 19.04.2010 às 12:00


Estão a ver? Se houvesse TGV já nada disto acontecia e o pessoal tinha sido escoado em menos de um fósforo até Madrid de Espanha.
Sem imagem de perfil

De M.C. a 19.04.2010 às 16:25

Mário Jamé e António Praia

No qual TGV? No que já foi, ou no que ainda não chegou?

A CP, e de uma incompetência incrível, porque a sua obrigação era ter posto de imediato esses Alfas e Inter, que levam meia dúzia de pessoas, cada um, a funcionaram para Espanha, França ou até para mais longe.

Reduziam o número de comboios em circulação interna, e desviávam-nos para o exterior, se as carruagens existentes não fossem suficientes.

Mas como Portugal é um País de faz de conta...
Ninguém faz nada!

E a União Europeia é outra fantochada!
Porque se não fosse o que é, teria de imediato coordenado os transportes alternativos em toda a Europa.

Mas como a União Europeia, só pretende escravizar, em vez de resolver os problemas comuns, aqui está a prova da sua imensa inutilidade.

M.C.
Sem imagem de perfil

De Tiago Mouta a 19.04.2010 às 15:08

Num País onde existe uma fatia do PIB tão grande proveniente do turismo, seria lógico investir numa infra estrutura nacional ferroviária, no lugar de desmantelar a existente...
Para que necessito eu de um TGV???
Fará sentido demorar mais de Lisboa a Bragança, do que Lisboa-Madrid???
Uma malha ferroviária nacional ligando as principais cidades do País seria sem dúvida uma mais valia... As ligações à Europa não se resolvem com um TGV Lisboa Madrid... Quanto à bilheteira única, basta referenciar os prémios que recebem os gestores públicos para perceber este tipo de gestão de excelência nas instituições públicas...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Vasco Silveira

    Caro SenhorEu infelizmente não estou com cagaço: e...

  • pitosga

    A nossa alma de soldador está nas viseiras de plás...

  • pitosga

    A ladaínha é longa como qualquer uma que se preze....

  • pitosga

    Vasco Mina,Simples. E como tal, muito bom.ao

  • Ana Pereira

    Subscrevo muito do que escreveu. Pergunto: Que se ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D