Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Em reprise

por João Távora, em 17.04.10

CAMPO D' OURIQUE


Campo de Ourique foi durante muitos anos o centro da minha existência. Um mundo quadriculado e plano, bom para andar de bicicleta, com o melhor cinema de Lisboa, o Europa. Sempre me pareceu o bairro perfeito, onde morava parte da minha família, se circulava com relativa segurança e possuía a mais útil carreira de autocarro, a n.º 9, directa para a Avenida da Liberdade e para o mundo. Cresci num 3.º andar, com a escola da câmara logo ali em baixo. O rumor da agitada reinação nos recreios da manhã ou da tarde inspirou a minha infância feliz.
Com uma família conservadora e os irmãos em casa, foi muitas vezes com os miúdos da rua que aprendi os mais fascinantes segredos da vida. No meio de jogos e correrias, de bicicleta ou com a bola nos pés. Ali ao lado da minha casa, ficava a Praça Afonso do Paço, um rectângulo inclinado com descampado ao meio, perfeito para o deslizar da minha reluzente bicicleta. Era aí que marcávamos o alcatrão com autódromos delineados a giz, nos quais nos debatíamos em corrida com os melhores e mais afinados modelos Matchbox de cada um. A cada saída da pista, retornávamos a última meta atravessada. O primeiro a completar uma volta ganhava. Ao cair do sol de Setembro, mesmo antes de recolher a casa, ainda valia galgar o muro ao fundo da encosta e trepar à copa da figueira para apanhar os últimos figos doces. E talvez romper as calças ou esfolar um joelho.
Mais crescido, quantas vezes à saída da Escola Manuel da Maia, ainda roubávamos tempo e na praceta ao final da Coelho da Rocha parávamos para a futebolada da ordem. Marcadas as balizas com as mochilas, dois para dois com guarda-redes avançado, esgalhávamosum animado desafio que, com sorte, não terminava com os atletas em fuga depois de partido um vidro.
O nosso pesadelo morava ao lado, ali em baixo da Rua Maria Pia. Os “índios” do Casal Ventoso permaneciam uma ameaça constante, significavam o fim da brincadeira, em fuga ou em lágrimas. Uma bola de futebol, mesmo de plástico de má qualidade, atraía demasiadas atenções. 
Os jogos eram disputados com um olho no burro e o outro no cigano. Nem de longe imaginávamos então o protagonismo que esse malfadado bairro tomaria nas nossas existências.
A minha vida em Campo de Ourique também se jogava às escondidas ou à bola nos pátios e jardim da magnífica igreja do Santo Condestável. Isso acontecia a seguir à catequese, antes da missa vespertina ou quando de passagem para a Travessa do Patrocínio, a casados meus avós. Este omnipresente templo neogótico que se vislumbrava da minha janela (construído com a colaboração do meu avô José, engenheiro civil), foi o palco dos meus primeiros e íntimos passos de aprendizagem espiritual.
Depois Campo de Ourique também me lembrará sempre o Jardim Maria da Fonte (da Parada), ao qual lá em casa chamávamos o Jardim das Rãs. O Eduardo dos Livros onde se podia comprar um número atrasado do Diário de Notícias, trocar uns livros do Patinhas,comprar os cromos mais difíceis ou até Valores Selados. E havia os esplêndidos bolos da pastelaria Aloma.
De Campo de Ourique foram os meus primeiros amores e foi aminha primeira namorada.
E havia a Compasso, loja onde se encontravam todos os discos, livros e artefactos que fariam a felicidade de qualquer um. Eram longos os momentos de deliciosa cobiça que nos concediam na loja, a mim a ao meu irmão. Era assim que, plenos de desejo e de bolsos invariavelmente vazios, folheávamos as últimas novidades de bd e pedíamos para rodarem um lp meticulosamente escolhido nos infindáveis escaparates de música.
Assim, foi em Campo de Ourique que cresci. Que me fiz rapaz, a bem e a mal. Que atravessei e palmilhei tantas vezes, tantos quilómetros. Para ir
à escola, ao liceu, à praça e à farmácia, aos meus avós, à igreja. Finalmente para mim prevalecerá sempre uma alegre recordação deste bairro burguês de toponímia republicana, mas afinal tão luminoso e desempoeirado, feito à medida das pessoas. Um sítio onde se pode ser feliz.
.
.
.
Texto revisto e reeditado



1 comentário

Sem imagem de perfil

De fernando antolin a 19.04.2010 às 14:46

Quando vim estudar e trabalhar para Lisboa,vivi 8 anos na Borges Carneiro(á Calçada da Estrela).Assim, Estrela e Campo de Ourique foram as segundas casa deste ribatejano desenraízado. Os almoços no sr.Justino(casa Valenciana julgo eu) ao alto e à esquerda da Calçada,na dita,a Leitaria Bibi, as sessões duplas no cinema Paris,o Europa para filmes mais sérios,o Canas,a Bota,a livraria Compasso,o Napoleão na Infante Santo,enfim recordações que se vão diluindo numa névoa de memórias felizes. Obrigado por me relembrar os "meus" bairros.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tanta tretaDe que falamos?Somos seres humanos ou m...

  • Anónimo

    Neste seu texto você parte de um pressuposto falso...

  • Jose Miguel Roque Martins

    Concordo. Essas importâncias, hoje para a seguranç...

  • Elvimonte

    A propósito de geografia.Os dois padrões das ILI -...

  • Anónimo

    Um conhecido constitucionalista esclarece a sua po...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D


    subscrever feeds