Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os monárquicos e o PPM

por João Távora, em 06.04.10


A demissão do inenarrável Nuno da Câmara Pereira ao fim de mais de dez anos de porfiado esforço para a desmobilização e falência do PPM não deixa de ser uma boa notícia para os monárquicos. No entanto, apesar de nutrir um profundo respeito pelos fundadores desse partido, personalidades de craveira impar como Gonçalo Ribeiro Teles,  Francisco Rolão Preto, João Camossa e Henrique Barrilaro Ruas, o equívoco da existência dum partido monárquico, hoje mais do que nunca constitui uma ameaça à credibilidade da Causa, promovendo a confusão nas pessoas mais desinformadas a respeito do cariz supra-partidário da instituição que advoga e da real representatividade dos monárquicos no País, que afinal se encontram dispersos na militância e pelo voto por todo espectro partidário. Deverá ser portanto com profunda apreensão que os milhares de monárquicos organizados nas Reais Associações à volta da Causa Real aguardam notícias sobre o destino do Partido Popular Monárquico, que apesar de tudo encerra uma “marca” com história e algum prestígio. Enquanto o partido existir, essa constituirá sempre uma perigosa tentação à mercê duns quaisquer oportunistas, sem escrúpulos ou craveira.



3 comentários

Imagem de perfil

De Réspublica a 06.04.2010 às 16:41

O PPM surgiu como tentativa de alternativa democrática, conjuntamente com o PSD e, também, o CDS aos partidos socialistas e comunistas, pelo que criaram conjuntamente a AD, mas degenerou posteriormente num partido quase-pessoal de certos membros da causa monárquica, defensores de certas pretensões ao trono, veremos como vai continuar...
Sem imagem de perfil

De anónimo a 06.04.2010 às 19:16

Porra ! (desculpe Távora) a criatura alapou-se de tal forma que nunca mais saía.
Já conheci gentinha execrável mas como este taurino-fadista ...pior que sarna.
Sem imagem de perfil

De Ega a 06.04.2010 às 19:45

É tempo de o PPM pensar sériamente no seu futuro.
O que se passa é um partido «monárquico» (logo defensor de um determinado regime) andar em lides eleitorais, onde se discutem ideologias e programs de governo, sistemáticamente a coleccionar votações ridículas e fazendo à república o sistemático favor de aferir o nº de monárquicos em Portugal pelo nº de votos no PPM.

Em 1974-76, outras razões subistiam para que o PPM existisse e concorresse. Mais não fosse, o seu programa ecológico, agrário, urbanistico.
Mas sobre essa matéria temos agora o Quartin Graça e o «seu» MPT.

A discussão do regime não se pode fazer através de um partido sempre sujeito às contigências do voto útil e desprovido de meios para campanhas eleitorais dispendiosas - porque essas é que são ganhas.
O PPM cessou os seus dias. Da forma mais triste, infelizmente. Agora, a Monarquia está no discurso da Causa Real e das Reais Associações. E NA VOZ DE TODOS OS MONÁRQUICOS DOS PARTIDOS PORTUGUESES, ÀS DEZENAS NO PARLAMENTO, QUE SEM MEDO SE DEVEM ASSUMIR COMO TAL.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Uma conduta social básica é "Obedecer às ordens de...

  • Anónimo

    Mentiroso. Não foi Vitor Gaspar a assinar o memora...

  • Luís Lavoura

    Peço desculpa pelo meu erro, não é "Monte das Flor...

  • Anónimo

    Embora não conhecendo nada de política entendo que...

  • Anónimo

    Muito bom. Gostei bastante de ouvir. Parabéns por ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D