Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Maria Clementina

por João Távora, em 26.01.08


Foi há muito, muito tempo que encontrámos a Maria Clementina abandonada numa ninhada de gatos. Voltávamos então para casa, nós os cinco irmãos ainda pequenos, com a minha mãe, de uma tarde de brincadeira no Jardim da Estrela. A memória é vaga, mas lembro-me de que a bichana não abria os olhos, e que parecia desesperada com o seu miar débil e insistente. Apesar do aspecto raquítico, foi escolhida pelo seu traje original: focinho rosado sob uma mascarilha branca, pêlo prateado com umas imaculadas luvas e botinhas brancas nas patas.

Acomodada numa caixa de sapatos, e sem parar de gemer, cedo o bicho chamou a atenção do meu pai no seu escritório. Terá sido assim, desviando a atenção da sua eterna leitura, que resmungou o seu primeiro voto de desagrado pela adopção. Voto que pesaria por alguns anos sobre a vida da gata e a minha cabeça.

Foi à noite, connosco todos de pijama à volta da cama dos meus pais, que a minha mãe conseguiu injectar um pouco de leite com uma seringa de plástico na minúscula boquinha da gatinha. E foi nessa ocasião que a baptizámos de Maria Clementina, ao que a minha mãe, com o seu peculiar sentido de humor, acrescentou o apelido Joly Braga Santos. Foi este o seu polémico nome, que tanto chocaria a nossa fiel mulher-a-dias, a Lídia, uma senhora de profunda religiosidade, muito ciosa do seu culto mariano.

Maria Clementina cresceu em sabedoria e graça, já que de tamanho nunca foi grande coisa. Fazia grandes e repentinas corridas pelacasa fora, trepava paredes e cortinados, apanhava moscas com a patinha e rebolava, enrolada na minha mão, mordiscando-a com pequenos coices. Adoptei-a como minha, e com o tempo essa propriedade foi reconhecida por todos, excepto pela própria: de sesta em sesta, saltitava de colo em colo e de noite para noite aninhava-se em diferentes camas, o que me deixava despeitado e ciumento. Mas lembro-me bem de ter assistido a Tardes de Cinema dominicais com a Maria Clementina ronronando, aninhada sobre as minhas pernas cruzadas.

Esforçava-me por legitimar essa hegemonia e assumia o árduo trabalho de criar um felino naquele 3.º andar de Campo de Ourique: renovava a serradura no caixote e cuidava da sua alimentação, surripiando os mais apetitosos restos e, quando podia, numa saída às compras, trazia-lhe umas latas de Kitty Cat: assim conquistava o coração da Maria Clementina, que subia pelas minhas pernas, em sonoros roncos de prazer, enquanto eu suava a abrir-lhe uma lata.

Mas o facto é que a gatinha vivia lá em casa numa semiclandestinidade, e isso era uma sombra negra na minha vida e penso que também na dos meus irmãos. Após uma primeira rejeição pela parte do meu pai, Maria Clementina conquistou-o por um curto período, quando, graciosa e ainda bebé, fazia irresistíveis brincadeiras e jogos que não o deixavam indiferente. O problema adensou-se com o tempo: a gata adquiriu o vício de arranhar os sofás, crescia e perdia o encanto. O pior era quando periodicamente era acometida por umas estranhas crises que chegavam a perdurar infindáveis dias, em que “uivava” autenticamente, arrastando-se languidamente pelo chão, indiferente às nossas zangas e chamadas “à terra”. Era o cio.

Por essa altura a minha mãe caíra doente, situação que perduraria por muitos anos, e por grandes que fossem as fúrias do meu pai contra o bichano, nós, as crianças, nunca soubemos bem como lidar com tal situação.

Aconteceu uns anos mais tarde, quando a Maria Clementina lutava com uma feia doença de pele que o veterinário e eu não conseguíamos debelar. Foi numa tarde fria de Inverno, pelas vésperas de um Natal qualquer, que aquilo que eu mais temia aconteceu. A gata, numa das suas incontidas correrias, deitou a árvore de Natal ao chão, e partiu umas porcelanas de que o meu pai muito gostava. Nesse dia, quando cheguei a casa, já não ouvi a sua fúria insana que ocorrera minutos antes, só os choros reprimidos das minhas irmãs. Quanto à Maria Clementina, a bronca tinha sido a gota de água e a sentença desta vez era irremediável.

A nossa gatinha, por ordem inabalável do meu pai, foi abandonada nesse dia na rua, ali para o lado dos Bombeiros. Ainda a vi refugiar-se assustadíssima debaixo de um carro estacionado. Era a sua primeira experiência de rua.

Durante muito tempo, confundi a pena que tinha do bicho com a pena que tive de mim. Durante muito tempo, quando passava naquela esquina da Rua Correia Teles com emoções contraditórias, procurava, incrédulo, por sinais da Maria Clementina. Que, afinal, nunca mais deu sinal de vida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



19 comentários

Sem imagem de perfil

De Once In a While a 31.01.2008 às 11:34

a sua percepção do assunto hoje cara ângela .. eu .. com 10 anos de idade, limitei-me a chorar a perda do animal e a "injustiça" da vontade do Pai. Injusta mas a cumprir .. como todas por aquelas alturas.

Obrigada pela partilha de um brilhante texto, de facto.
Sem imagem de perfil

De Ângela a 31.01.2008 às 10:29

"A verdadeira bondade do homem só pode manifestar-se em toda a sua pureza e em toda a sua liberdade com aqueles que não representam força nenhuma. O verdadeiro teste moral da humanidade (o teste mais radical, aquele que por se situar a um nível tão profundo nos escapa ao olhar) são as suas relações com quem se encontra à sua mercê: isto é, com os animais. E foi aí que se deu o maior fracasso do homem, o desaire fundamental que está na origem de todos os outros."
Milan Kundera, "A Insustentável Leveza do Ser"

Talvez com as brilhantes palavras de Kundera fique mais perceptível a minha opinião acerca do assunto.
E, sim, de facto, cada fala de si e por si...
Sem imagem de perfil

De Once In a While a 28.01.2008 às 16:59

Cara ângela .. cada um fala de si e por si.
Sem imagem de perfil

De Once In a While a 28.01.2008 às 16:57

era a isso mesmo que me referia caro João .. :)
Sem imagem de perfil

De João Távora a 28.01.2008 às 16:10

Agradeço os simpáticos comentários. Reconheço que estas crónicas são por ventura um pouco “arriscadas”, mesmo que lhes arredonde umas pontas, cara Once in a while. De resto as coisas são como são - mal de mim se ainda andasse engalfinhado com o meu passado.
Sem imagem de perfil

De Ângela a 28.01.2008 às 16:08

Caro "once in a while",
assumindo o epíteto de "defensora dos animaizinhos", relembro-lhe que, quando se quer, arranja-se uma solução: outra casa, um amigo que tenha uma casa no campo, qualquer coisa desse tipo.
E nunca, por nunca, se abandona, sem dó nem piedade, um animal indefeso nas ruas.
O pai ordena, mas é um ser humano, certo? E o conceito de humanidade também se lhe aplica, certo?
O argumento "outros tempos" não colhe. Para além de já ter uns aninhos, os meus pais nunca foram complacentes com "caprichos" ou vontadinhas. Mas ensinaram-me a ser humana e a respeitar todos os animais - racionais e irracionais.
É o que tento fazer, é o que se tenta fazer em milhentas campanhas de sensibilização que todos os anos pretendem evitar essa infeliz prática que, infelizmentem, não posso apelidar de "outros tempos".
Sem imagem de perfil

De Once In a While a 28.01.2008 às 15:30

Caro JT brilhante esta escrita e o sentimento transmitido .. mesmo que fosse menos verdade ..
Mas acredito em todas as palavras .. aconteceu parecido em casa do meu falecido Pai .. e quando o Pai ordenava, não havia "defensores dos animaizinhos" que nos valessem ..

Outros tempos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.01.2008 às 14:28

realmente a ideia de deixar um animal abandonado não é nada correcta, do meu ponto de vista.
podia ter tentado procurar alguém que ficasse com a Maria Clementina e isso adiaria um pouco a partida da gata. Esta seria a desculpa perfeita para ficar com ela por mais algum tempo! E quando o novo dono fosse encontrado dar-lhe-ia, com certeza, tudo o que ela precisava, não ficando, então, sugeita a morrer de fome e de sede ou atropelada por um carro qualquer, o que muito provavelmente aconteceu.
Sem imagem de perfil

De Ângela a 28.01.2008 às 11:55

O fim é mau de mais para ser verdade!!
Sem querer ofender ninguém, mas, se em qualquer circunstância abandonar um animal que depende de nós é mau, é muito pior fazê-lo em vésperas de Natal. Lindo espírito natalício...
A gata partiu porcelana...? E a porcelana coitadinha não conseguiu chegar às urgências a tempo e morreu??
Por outro lado, a gata, criada dentro de uma casa, habituada a ter sempre comida e água e a receber mimos, deve ter reagido muito bem à mudança radical. Não deve ter resistido mais que dois ou três dias e deve ter acabado por morrer trucidada por um carro ou à fome...
Linda maneira de se tratar um animal de que se gosta. Imagino se não gostasse...!
Peço desculpas se alguém se sentir ofendido, mas acho inconcebível que se deixe fazer uma coisa destas...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.01.2008 às 11:17

Conto neorealista com gata fora.

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Os políticos encontraram o pão e circo que precisa...

  • Anónimo

    Regressar à GalileiaO Lago de Tiberíades é um luga...

  • Anónimo

    Isto aqui, sim que foi uma grande medalha de louvo...

  • Anónimo

    Protocolos de encontrosA ALDEIA GLOBAL TORNOU-NOS ...

  • Anónimo

    O povo nunca esquece nada. Deixa-os cá vir...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D