Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




De pequeninos se lhes torce o destino

por João Távora, em 25.02.10

 

A república ensinada às criancinhas, aqui



18 comentários

Imagem de perfil

De Réspublica a 25.02.2010 às 18:42

Um livro digno de alguém com o Q.I. do George W. Bush ou para acender a lareira.
Sem imagem de perfil

De NunoFCouto a 25.02.2010 às 19:58

Amigo Rés, para a lareira até que o destino é nobre, eu utilizá-lo-ia para fins mais relacionados com a higiene íntima, o problema é que até o bacio é relutante em engolir essa coisa.

Um livro sobre a República escrito por apedeutas e aprovado por jacobinos... Estavam à espera do quê ?
Sem imagem de perfil

De Ega a 25.02.2010 às 21:16

EXCERTO DE «MEMÓRIAS DE UM ÁTOMO»:

Era uma vez a República.
A república era uma senhora muito boazinha e sempre jovem. Nascida já no tempo da Grécia antiga, gostava muito de todos os seus filhos que eram todos menos os escravos, esses malandros que tinham de trabalhar enquanto os filhos dela «democratavam» no àgora.
A República gostava, por isso, de toda a gente mas uma vez um Rei, chamado Cristo, fez a maldade de dizer que não devia haver escravos.
Passaram-se uns meses e foi surgindo por toda a parte outra mauzona chamada Monarquia que, uns meses depois, quis acabar com a escravatura em muitos sítios, como Portugal e o Brasil.
Mas já antes a República descobrira outros mauzões em França (de onde vem os meninos para o Mundo inteiro, no bico da cegonha) e... zás! A República enfiou-os todos debaixo da guilhotina, só para lhes cortar o pescoço e tapar-lhes a boca, que é como quem diz, cortar-lhes aquelas partes todas do corpo, desde a língua até à traqueia que a gente já não sabe porque a Anatomia é uma ciência muito chata.

Um dia a república chegou a Portugal, matou o lobo mau e ficou a viver aqui na casa da Avózinha. E prometeu imensos doces para os netinhos todos. A distribuir por igual.
Vai daí, a República não queria que as senhoras votassem. Mas a República enfrentou tanto barulho das senhoras que - tão boazinha - as deixou escolher os partidos, até porque mesmo na terra dos maus elas já votavam.
E a República, sempre cheia de razão, batia nos que não gostavam dela.
E também batia nos que gostavam dela, mas queriam que se vestisse de outra maneira.
A República era muito boazinha mas tinha mau génio. Zangava-se quando alguém a contrariava e trazia uns amigos chamados pides para pregar partidas a esses malcriados.
Foi assim durante mais meses ainda.
Depois a República achou que os meninos já estavam fartos desse colégio. Então resolveu abrir uma escola nova, porque a república gosta muito de meninos bem comportados.
E passou a ensinar-lhes partidas giras e inventou um carnaval de todos os dias: os meninos podiam sempre fazer umas brincadeiras, jogar à batota, empenhar a mesada de muitos meses e depois não pagar o que prometiam pagar. Ou então, roubar aos outros para, sempre muito bem comportados, pagar o que deviam às pessoas.
Quando fores grande, vê lá se és como a República.

Mata e esfola todos os maus que são os que não gostam da República, os que têm mais do que tu e todos os que não te deixam ganhar o que quiseres, pisando quem tu quiseres.
Sem imagem de perfil

De NunoFCouto a 25.02.2010 às 22:56

Meu caro João.

Ainda às voltas com o livro ? Mas publica a coisa ou não ?

Não atire pedras aos telhados de vidro dos outros caro amigo, nem meta a República do Costa (não é o gato, é o outro...), do Salazar, do PREC, do Soares...

... Bom, realmente é verdade que esta porra meteu água por todos os lados, com a feliz excepção do Cavaco a PM; poderia ter também resultado noutras alturas não fosse terem morto o Sidónio e o Sá Carneiro (já agora gostaria de saber em que capítulos fala o livro desta historia) mas em suma, foi pobre esta República.

O problema é que para os lados da Monarquia a coisa também é confusa, uns dizem que D Manuel assinou um tratado que dá poder ao D Duarte, outros dizem que o Napolitano comprou o trono à D Maria, outros ainda dizem que a D Maria tem duas filhas que podem ocupar o cargo...

João da Ega, acabe lá a porra do livro para a gente fazer de si o Rei aqui da terra e não se fala mais nisso , se não for de Portugal que seja ao menos de Celorico!
Sem imagem de perfil

De NunoFCouto a 25.02.2010 às 22:59

E oh, queira fazer o favor de perdoar a indelicadeza que já me esquecia, cumprimentos à Srª Cohen.
Sem imagem de perfil

De Ega a 26.02.2010 às 00:09

Caro Nuno:

Começo a crer que longe não vem o tempo em que lhe ofereço os livros. Publicados. Mais do que um. Encotramo-nos com outros aqui dos blogs, com quem já somos amigos.
Temos uma disciplina rígida, diria «à Salazar», - todos respeitamos as diferentes ideias de todos. Mais um bom almoço.
São as únicas regras que eu aceito e imponho - respeito, educação.
Quanto ao mais: indiscutível a pessoa do Rei. Já sabe quem. O Amigo, obviamente, é livre de uma opinião contrária. Mas acordos nessa matéria - impossivel.
De qualquer modo, tema de conversa, se quiser.

Meu caro Craft - apareça. Podemos ficar aqui pelo meu exílio, no Porto. E dar um toque para a Lusa Atenas e mesmo para a capital. São almoços divertidos, creia.
Uma boa-noite.
Sem imagem de perfil

De NunoFCouto a 26.02.2010 às 01:34

Caro João.

Deixe lá a história do Rei, se o monarca for de qualidade reconhecida até lhe aceito a carta de foral, também não estou virado para discutir o sexo dos anjos ou o ciclo de vida da couve flor, que discuta a realeza entre si e depois que comunique à plebe para a gente nomear o representante das cortes.

Entretanto ligue lá para Coimbra e Lisboa e marque a coisa, encontramo-nos nos seus domínios aí da Foz, onde a mamâ lhe deixou a casa !

Sem imagem de perfil

De Ega a 26.02.2010 às 08:26

Não, meu caro, quando eu pensava que a mamã abria os cordões à bolsa para umas belas vistas sobre o rio, ali em frente ao Cabedelo... o P. Serafim apareceu com uma obra pia qualquer e eu tive de me resignar com a Boavista.

É onde vivo, neste exilio tristissimo, longe do poderio dos Egas de outrora. Corrido pelos Egas de agora. Enfim, uma história terrível, um drama autêntico.

Lá vou eu, de partida para S. da Madeira, ganhar o pão do meu sustento.
Bom dia para si.
Sem imagem de perfil

De NunoFCouto a 26.02.2010 às 14:57

Também, quem o mandou a si João da Ega andar a ler aquelas porcarias literárias modernas do realismo ?

Andou o meu amigo a levar vida de marialva e depois queixa-se dos castigos da mamã, até os padres pagaram pela ira do divino despertada pela sua vida airosa entre soirées e concubinas !
Sem imagem de perfil

De Ega a 26.02.2010 às 23:06

Chiuuu!
O meu Amigo quer que eu sofra o inferno na terra?
Sem imagem de perfil

De NunoFCouto a 01.03.2010 às 13:10

Deixemos então a discussão para as nossas Soirées em privado.

Um abraço caro João.
Sem imagem de perfil

De Ega a 26.02.2010 às 00:12

Já agora:
Se mete a Raquel ao barulho, faz-me um sarilho que nem queira saber...
Sem imagem de perfil

De NunoFCouto a 26.02.2010 às 01:35

O marido não se importa... e lá na praia ninguém viu nada !
Sem imagem de perfil

De Velho da floresta a 25.02.2010 às 23:19

Caro Ega, gostei, gostei mesmo muito, parabéns.
Sem imagem de perfil

De Ega a 26.02.2010 às 00:42

Obrigado, caro Velho da Floresta.
Vindo de si, esse comentário é sempre um grande incentivo.
Imagem de perfil

De Réspublica a 26.02.2010 às 18:11

Caro amigo a República (Respublica) nasceu em Roma, post regnum expulsa, na Grécia nasceu a Demokratia, havia obviamente uma diferença entre ambos os regimes, na República ocorria um sistema eleitoral e o governo eprtencia a um corpo representativo da urbe e, apenas em alguns casos, é que as assembleias populares eram convocadas, enquanto que na Demokratia ocorria o sistema direicto com todos a decidir nas assembleias populares. Não me diga que já esqueceu as lições do Sebastião Cruz.
Sem imagem de perfil

De Velho da floresta a 25.02.2010 às 23:20

Espantoso, não fazia a menor ideia de que perfídia chegava a este nível.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 25.02.2010 às 23:25

O que estas duas burraldas fazem para ir empochando uns cobres!

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    "Temos de chegar aos 70% de imunidade"? E fala-se ...

  • Eremita

    O Henrique tem uma tendência forte para não repara...

  • henrique pereira dos santos

    Tem razão não reparei que estava a falar de Itália...

  • Eremita

    Claro que isto é matemática. Todas as nuances que ...

  • Eremita

    Ah,  não era mesmo alucinação. Henrique,...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D