Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O grande embuste

por João Távora, em 16.12.09

O meu rapaz mais velho que está este ano no 12ª ano tem Psicologia como cadeira opcional, uma daquelas para encher balões e que não contam para os exames. A leccionar a cadeira saiu-lhe na rifa um personagem animadíssimo que se reclama Astrofilósofo (o quer que isso seja), assunto sobre o qual disserta nas aulas e escreve numa publicação popular. 

Entre as várias afirmações bombásticas deste senhor que chegam em conversa à mesa de jantar lá de casa, estão verdadeiras pérolas da incultura vigente: que as religiões são todas perversas, ou que ele  não está ali para ensinar a matéria mas para fazer dos seus alunos “melhores pessoas”. Lindo serviço este que estamos a patrocinar com a nossa anuência e os nossos impostos. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



18 comentários

Sem imagem de perfil

De l. rodrigues a 16.12.2009 às 12:42

Pode ser Deus a testar a fé dos crentes
por via do ministério da educação.
Sem imagem de perfil

De João Gante a 16.12.2009 às 13:32

Sinceramente, João, julgaria que alguém normalmente tão bem informado estivesse a par do papel fundamental dos Astrofilósofos na construção da nossa civilização.

Uma pesquisa no Google indica que é algo estranhamente próximo da astrologia...Não houve aqui há algum tempo uma polémica qualquer sobre um curso de auras e crianças indígo que era aceite pelo ministério da educação como competência para professor?

E nenhum desses especialistas pode usar o seu dom de presciência para ver em que estado ficará a educação?
Sem imagem de perfil

De Vaga Ideia a 16.12.2009 às 13:36

Astrofilosofia não é uma área das Novas Oportunidades?
Sem imagem de perfil

De Bernardo a 16.12.2009 às 13:55

O seu filho, por acaso, não está na Anselmo de Andrade, em Almada não?
É que a minha irmã tem um professor de Psicologia estranhamente parecido com essa descrição...
Sem imagem de perfil

De Mata-Piolhos a 16.12.2009 às 14:03

Cheira-me que é um inimputável de nome Prudêncio...
Sem imagem de perfil

De jose silva a 23.12.2009 às 12:22

Parece o (im)prudêncio!
Imagem de perfil

De jose-catarino a 16.12.2009 às 14:44

Declaração de interesses, como agora se usa: sou professor desde 1976 e orgulho-me disso.
Posto isto, o que mais falta no ensino são "disciplinas" inúteis ou de utilidade duvidosa (e.g., Estudo Acompanhado, Formação Cívica, "Área de Projecto", Sociologia, e outras cujo nome nem lembra ao Diabo). E não faltam também cabecinhas pensadoras, que, por vezes, nem escrever sabem, ignoram a tabuada, nunca leram um livro, nem talvez um jornal na vida, mas têm ideias brilhantes sobre tudo. Infelizmente, sou constantemente forçado a ouvir as respectivas reflexões profundas...
Quanto ao dinheiro dos impostos, de acordo: mas pense nos 5000 licenciados (em quê? para quê?) que vão empastelar ainda mais as nossas repartições, pense no milhão -- desconheço o número exacto-- de funcionários públicos existentes, pense nos 7000 (admito que haja alguma incorrecção no número) de professores primários destacados para bibliotecas e tachos afins, vá ao site da Caixa Geral de Aposentações, pergunte pela idade dos reformados Educadores de Infância e 1º Ciclo -- e relativizará a sua indignação.
Sem imagem de perfil

De Luísa a 16.12.2009 às 14:50

Na minha experiência, João, o 12.º ano ainda só serve para que os nossos estudantes percam, de vez, os já precários hábitos de trabalho que trazem dos anos lectivos anteriores. É um ano pouco mais do que fictício, sem conteúdo estruturado e sem interesse. A minha filha, durante todo o 12.º ano, não pegou, nem – o que é realmente grave! – precisou de pegar num livro (de estudo).
Sem imagem de perfil

De Bernardo a 16.12.2009 às 15:59

Isso, realmente, é obra...Curiosamente eu achei precisamente o contrário, nomeadamente que a diferença entre o 12º e os dois últimos anos foi considerável e , consequentemente, tive que pegar nos livros todos.
Sem imagem de perfil

De João Gante a 16.12.2009 às 17:29

Igualmente, notou-se a diferença em relação aos dois anos anteriores.
Sem imagem de perfil

De Luísa a 17.12.2009 às 00:59

Bernardo e João, é possível que as coisas difiram entre as várias áreas. Eu falo pela área de Artes e nessa área, no ano lectivo de 2008/2009 e no liceu que a minha filha frequentou (que é um liceu público com boa reputação), não houve que estudar (nem quase que fazer). Foi um ano perdido.
Sem imagem de perfil

De john a 16.12.2009 às 17:25

Nos meus tempos de décimo-segundo ano, Psicologia era, sim, uma cadeira opcional (em Humanidades, tal como IDES, Tradução de Inglês, Tradução de Francês e Sociologia), mas não era de todo uma cadeira "para encher balões". Bem pelo contrário: era uma excelente introdução à Psicologia, para quem considera que pode ser uma disciplina importante (e interessante).

Se hoje é assim, então lamento muito. Mas com professores como esse astronabo que descreve, não há tema ou disciplina que resista.
Sem imagem de perfil

De Juca a 16.12.2009 às 17:49

Olá,

Em vez de vir para aqui mostrar a sua indiganção porque é que não se dirige ao local adequado e apresenta a sua queixa?

Não estará a querer conversa?
Sem imagem de perfil

De FD a 17.12.2009 às 00:23

Desde que provoque discussão já é bom... pelo menos nessa parte faz algum serviço publico :)

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Bola novinarka a spisovatelka neschopna n a pisala...

  • Anónimo

    Ó génio, isso chama-se eleições ;)

  • Anónimo

    A representatividade é inexistente. Voto sim, mas ...

  • Anónimo

    E que tal mudar de políticos ?

  • Anónimo

    Esse jornal, o Expresso, ou traz poesia ou noticia...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D