Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma comparação

por Luís Naves, em 13.11.09

 

 

No excelente Clube das Repúblicas Mortas, Henrique Raposo lembra Aliens, de que gosto imenso, embora apenas do primeiro. Partilho o entusiasmo do Henrique pela qualidade deste filme, mas o post faz uma comparação com Rio Bravo (na foto em cima). Gostos não se discutem, mas esta comparação não faz justiça à obra-prima de Howard Hawks. 

Entre os filmes que vi, Rio Bravo é talvez o que tem maior sentido do ritmo e da tensão dramática (a banda sonora é espantosa). A ameaça é humana: dois grupos lutam entre si; o poder da justiça contra a injustiça do poder; há um polícia cercado (como escreve o Henrique) cuja única ajuda é um pistoleiro que perdeu a coragem e um velho deficiente. Junta-se a complicação feminina e outro pistoleiro, que pode ou não ajudar. Os adversários defendem os seus interesses, se necessário à traição. Com este banal fio de história, Hawks constrói um filme quase perfeito, onde não há imagens a mais.

Aliens também consegue um efeito de colar os espectadores à cadeira, mas através do horror das imagens. Nunca percebemos a natureza do inimigo (uma espécie alienígena a lembrar dragões). Também existe uma luta pela sobrevivência sem tréguas, mas não há jogo de poder, apenas de extermínio.

A lógica dos dois filmes é diferente, parece-me. Um sci-fi horrorístico contra um western com metáfora políitica. Aliens é pessimista, visão do mundo (neste caso, do espaço exterior) como zona de ameaça sem redenção. A espécie humana é a mais forte. Rio Bravo pertence a outra época: não acho que o seu tema seja o triunfo do xerife bom ou as peripécias do combate, mas sim a nobreza da luta necessária, a força do dever e da honra. 

 

 



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Zorze Zorzinelis a 14.11.2009 às 01:01

É curioso este post. Mas mais curioso, e descartando o Rio Bravo (que só conheço de nome), é o facto da IV sequela ter sido realizada por Jean-Pierre Jeunet. Tudo bem, e nesta última odisseia do alienígena assistiu-se à capacidade da "coisa" poder mergulhar e nadar debaixo de água, mas não deixei de ficar frustrado de ver o mestre de Delicatessen - um dos primeiros filmes que vi no King - a realizar um filme daqueles: foi, para mim, o piorzinho deles todos. Ok, fugi à temática do post, mas pelo menos não falei em clarabóias! Abraço
Imagem de perfil

De Luís Naves a 14.11.2009 às 13:19

não fugiu ao tema, não senhor...
Sem imagem de perfil

De maria manuel viana a 16.11.2009 às 00:20

sejam metáforas ou metonímias, cinema ou poesia, vamos ser ter ao verso que deu o título a um dos livros de eduardo guerra carneiro: "isto ando tudo ligado". ou talvez me engane e seja outro o livro, também do mesmo poeta:"é assim que se faz a história".
mªmanuel
ps luís, tanta a vontade de voltar a ver-te. em fevereiro, na póvoa?
Sem imagem de perfil

De john a 16.11.2009 às 12:36

A série Alien vale muito a pena ver, apesar de o quarto filme não ser grande coisa (nem o terceiro, aliás, apesar de a versão director's cut ser mais interessante que a versão cinematográfica). O segundo filme - Aliens, de James Cameron - afasta-se do terror do original Alien - de Ridley Scott - para se centrar na acção. É um excelente filme, com deixas inesquecíveis e uma Sigourney Weaver excepcional. Mas o primeiro, o de Scott, é uma obra-prima do cinema, um dos filmes incontornáveis da ficção científica - como 2001: A Space Odyssey, Star Wars, Blade Runner. Não deixa de ser interessante notar que em dois anos Ridley Scott realizou dois filmes "fundamentais", Alien e Blade Runner. E fez mais do que isso, até: numa época em que a ficção científica era sobretudo "masculina", colocou a tenente Helen Ripley como protagonista. Tal como também fez, dois anos mais tarde, Joan Vinge, escritora de ficção científica infelizmente desconhecida por cá, pois é uma autora extraordinária (leia-se The Snow Queen ou Psion).

Enfim, divago, mas Alien, o filme com a melhor tagline de sempre ("In space, no one can hear you scream"), é filme do meu top5. Já agora, não sei se sabe, mas Ridley Scott está a preparar uma prequela.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 16.11.2009 às 14:48

Obrigado pelo excelente comentário, bem melhor do que o post. Sou da sua opinião, o primeiro Alien, o de Ridley Scott, é um filme magnífico. Mas se eu só pudesse escolher um, não hesitaria em escolher Blade Runner, esse na minha opinião (já o escrevi aqui) o último grande filme clássico.
Sem imagem de perfil

De john a 16.11.2009 às 16:12

O Blade Runner é de facto um filme extraordinário. E mais do que isso, a meu ver: é um verdadeiro manual de como adaptar um livro para filme.

Será o último grande filme clássico? É possível. Eu apenas o vi quando a última edição estreou no cinema, e nem queria acreditar que o filme era tão bom - e que, já com tantos anos, continuava tão actual e tão belo (o que não acontece, por exemplo, com Dune, de David Lynch). Mais: gostei de compreender, ao ver Blade Runner "de onde vinham" alguns dos meus filmes preferidos - nomeadamente o Ghost in the Shell. Por isso, sim, tenderia a concordar consigo: ainda que não tenha sido o último grande clássico no geral, tê-lo-à sido para a ficção científica, sem dúvida. Como disse acima, Dune falhou, e o recente Serenity, apesar de ser muito bom, não é suficientemente bom para ser um "clássico". Dos grandes nomes, sobra o Matrix... mas isso daria material para um debate muito, muito longo.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    andam sem máscara na Horta

  • Vasco Silveira

    Caro SenhorEu infelizmente não estou com cagaço: e...

  • pitosga

    A nossa alma de soldador está nas viseiras de plás...

  • pitosga

    A ladaínha é longa como qualquer uma que se preze....

  • pitosga

    Vasco Mina,Simples. E como tal, muito bom.ao


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D