Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Misturas

por Tiago Moreira Ramalho, em 28.06.09

O Eduardo Pitta faz aqui umas misturas muito giras, que são excelentes para convencer quem está já convencido. No entanto, são de uma falta de rigor que não esperava.

Em primeiro lugar, o negócio da PT não preocupa apenas liberais. Pelo menos, e ao que sei, o próprio Primeiro Ministro quando ainda era um deputado de oposição gritava, já naquele tempo ele gritava, contra uma participação directa ou indirecta do Estado na comunicação social para além do grupo que já possui. Não é, portanto, uma bandeira liberal, caro Eduardo. Em segundo lugar, a única preocupação com a compra da TVI por parte da PT era precisamente o facto de o Estado ter a golden share, o que permitiria uma influência muito grande. Como a PT já não está a comprar, já não interessa, obviamente. A possível compra de acções da Media Capital pela Cofina é, essa sim, uma questão de privados na qual o Estado não tem de se intrometer. Ou o Estado tem uma golden share secreta na Cofina?

Depois o Eduardo, demonstrando franca flexibilidade na escolha dos temas, inclui sem mais nem menos o BPN e os prémios do BCP na questão. Bom, Eduardo, novamente os prémios pagos pelo BCP aos seus empregados são uma questão da empresa, na qual o Estado não se intromete - tanto que não se intrometeu. O BPN é caso de polícia e de comissão parlamentar de inquérito - e julgo que tudo se está a desenvolver, apesar de devagar.

Por fim, quanto às extraordinárias coisas que indica, nada me parece mais simples. O facto de o Presidente da República ter vetado a lei invocando esse argumento - que me parece descabido, mas isso será para outra discussão - não implica que o Presidente da República seja a favor de toda e qualquer intervenção do Estado na Comunicação Social, isto é, não implica que o Presidente da República defenda um monopólio estatal, mais ou menos disfarçado, sobre os media. Por fim, Manuela Ferreira Leite tem razão. Quando anunciou que se iria opor ao negócio, José Sócrates não invocou argumentos sólidos, mais não fossem os argumentos que o fizeram defender a lei do pluralismo e da não concentração. José Sócrates disse apenas que não queria que desconfiassem dele e do governo. Isto, por si só, diz tudo.



6 comentários

Sem imagem de perfil

De António P. Castro a 28.06.2009 às 17:18

Tem o meu aplauso, caro Tiago, porque está cheio de razão e a explicita com lucidez.
A propósito, não resisto a dizer-lhe que Pitta não justifica o link e o tempo que perde com ele.
Imagem de perfil

De Tiago Moreira Ramalho a 28.06.2009 às 17:32

Obrigado pelo elogio. Mas não diga isso do Eduardo Pitta, que não é verdade...

Cumprimentos

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    José Monteiro by 19.52especializado em técnica de ...

  • Anónimo

    Imperdível, a ponto de ir levar o Post, para algum...

  • Francisco Albino

    Ficamos mesmo bem governados, com 70 membros do Go...

  • Anónimo

    E eu fiquei com a cabeça a andar à roda!

  • Anónimo

    «Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subi...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D