Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Impasse em Teerão

por Luís Naves, em 17.06.09

O Irão desenvolveu um regime autoritário vigiado pelo poder teocrático e no ocidente é normal ter simpatia pelas elites que querem mudanças nesta sociedade inflexível e altamente fanatizada.

Por enquanto, é impossível perceber para onde caminha a revolução islâmica. Talvez isto acabe numa mudança de regime, sendo mais provável a pequena evolução e consequente afastamento dos elementos radicais.

Não acredito que possa haver uma mudança sísmica no poder religioso, personificado no Ayatollah Ali Khamenei, mas seria lógico o afastamento de Mahmoud Ahmadinejad, presidente acusado de ter vencido as eleições através de uma fraude em larga escala. Os dirigentes religiosos estão muito divididos e as pessoas não abandonam as ruas. Talvez um milagre seja possível.

O anúncio da derrota de Ahmadinejad seria uma boa notícia para o Irão e para o mundo. Haveria esperança dos iranianos abandonarem o seu perigoso programa nuclear e moderarem as ambições de hegemonia regional.

Infelizmente, como aconteceu na Birmânia, ninguém pode excluir a possibilidade dos ultra vencerem, forçando o Irão a entrincheirar-se ainda mais no seu beco sem saída. Mesmo que ganhem os moderados, é preciso não esquecer que esta será uma democracia tutelada e limitada desde o momento de escolha dos próprios candidatos, o que inclui Mir Houssein Mousavi, que é um membro deste regime. 

 



5 comentários

Imagem de perfil

De Tiago Moreira Ramalho a 17.06.2009 às 21:52

Luís,

Mousavi já deixou implícito que quer manter o programa nuclear, ao apregoar que as intenções são pacíficas. Nesse ponto, duvido muito que vá haver alguma mudança independentemente do que acontecer daqui para a frente.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 18.06.2009 às 09:04

As declarações por vezes são apenas isso; o Irão tem de encontrar uma qualquer via que lhe permita manter a face e largar o programa nuclear militar, que é altamente desestabilizador
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2009 às 00:33

"sociedade inflexível e altamente fanatizada"

Tem a certeza, Luis? Em vez de "sociedade", não será mais rigoroso dizer "regime"? A sociedade iraniana é diversificada, e muitos dos que se manifestam agora na rua (que são milhões), não me parecem exactamente inflexiveis e fanatizados. Não estará a diabolizar essa gente, que afinal o que quer é um pouco mais de liberdade de expressão e de costumes e democracia? Não me parecem todos guardas da revolução...

Pedro

Imagem de perfil

De Luís Naves a 18.06.2009 às 09:17

A minha intenção não é a de diabolizar os iranianos, mas tento perceber a realidade. Na sua óptica, os guardas da revolução não servem para descrever a sociedade iraniana, ao contrário dos reformistas que querem mais democracia; eu acho que ambos pertencem a esta sociedade. O que eu quis dizer foi que o regime é rígido e tem dificuldade em evoluir. Em muitas coisas, ficou parado no tempo. Os guardas da revolução pertencem a uma geração que sofreu grandes horrores durante a guerra com o Iraque e essa geração também tem milhões. A minoria ocidentalizada a que damos mais atenção é apenas um dos elementos do Irão contemporâneo. Lendo certas descrições em blogues e jornais, parece que aquilo está à beira de rebentar; eu limitei-me a lembrar que as aparências iludem e que este país é muito mais fanatizado do que andam a dizer. Usei a palavra sociedade porque o regime teocrático criou uma nova sociedade, através de uma revolução dramática e sangrenta, mas genuinamente popular, em 1979. Isto é politicamente incorrecto, mas temo que seja assim...Não me importo nada de estar enganado e de ser desmentido pelos acontecimentos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.06.2009 às 11:12

"eu acho que ambos pertencem a esta sociedade".

Luis, foi isso precisamente que eu disse, quando afirmei que a sociedade iraniana é diversificada. O Luis é que disse que a sociedade iraniana (sem especificar) era fanática e extremista.
Quanto à "nova sociedade" criada pelo regime teocrático, lembre-se que já lá vão trinta anos. Surgiu entretanto uma nova geração. E mesmo em relação às gerações anteriores, não me parece que se possa qualificar a mesma como um bloco rígido. E não sei se aqueles que vemos nas manifestações, são ou não uma "minoria ocidentalizada". Quantos são os dessa "minoria"? E nem todos os que não pertencem à minoria ocidentalizada, podem, a meu ver, ser qualificados como fanáticos e extremistas. A coisa é mais complexa do que isso.

Pedro

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • José Carlos Menezes

    No mundo de tolerância e integração, para que a so...

  • Elvimonte

    Para se relativizar estas questões de assédio nada...

  • Anónimo

    pm pedinte profissional sempre de mão pronta a rec...

  • Anónimo

    Já se adivinhava que mais tarde ou mais cedo havia...

  • Anónimo

    sonham com o regresso de che e de dani vermelho nu...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D