Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A leitura de um artigo de Henrique Raposo, publicado no Expresso e disponível neste link, suscitou-me vontade imediata de entrar em polémica com o autor. Sou favorável à adesão da Turquia à UE, tal como o Henrique, mas acho que as razões que ele invoca são as erradas.

 

O peso de uma palavra

Henrique Raposo usa muito a palavra “jacobina” para descrever a classe dirigente republicana, laica ou kemalista. Julgo que esta utilização tem propósito de denegrir a classe dirigente e que produz um erro de análise. A comparação final com Portugal de 74 a 82, a propósito de uma “espécie de conselho da revolução”, a meu ver não faz qualquer sentido.

Diz o autor que pensar a Turquia como país de natureza muçulmana corresponde a um raciocínio que fecha as portas da Europa à Turquia. Discordo, pois há 15 milhões de muçulmanos na UE e não consta que estejam fora da identidade europeia. A União é um espaço laico, tolerante com todas as religiões, onde a matriz judaico-cristã é crucial, mas que não excluiu da sua História e da sua actualidade as raízes islâmicas. No entanto, a minha opinião e a do autor acabam por ir dar ao mesmo sítio: a exclusão da Turquia por motivos religiosos seria absurda. Já nem falo do argumento da geografia, que esse é mesmo um disparate.

 

Três argumentos

A certo ponto, Henrique Raposo explica as três razões que o levam a apoiar a adesão turca: energia, capacidade militar e o que me pareceu ser uma espécie de limitação do poder dos três grandes no interior da UE.

Os argumentos aplicam-se, mas nenhum deles justifica a adesão. A energia, por exemplo: qual é a vantagem de estar dentro? Se não entrar, a Turquia deixa de ser para os europeus uma alternativa à dependência energética russa? E, na questão militar, eles não estão na NATO? Por que motivo precisa a UE que entrem para aumentar a segurança militar, que nem sequer existe a 27, quanto mais a 30 e tal?

Parece-me que nestas duas questões a Turquia ficar de fora ou entrar é sensivelmente a mesma coisa. O último argumento contraria a entrada. Tratando-se de um país de grande dimensão, que terá o mesmo poder que a Alemanha, a Turquia criará uma perturbação institucional demasiado importante para ser ignorada. A redução da influência relativa da Alemanha, França e Reino Unido não possui qualquer vantagem para Portugal.  

 

Devido à extensão do artigo, decidi dividi-lo em dois posts…

 



4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.05.2009 às 14:28

Sobre a adesão da Turquia, eu gostava era do argumento do Mário Soares.

Dizia ele que W. Bush era a favor, mas só porque pensava que isso ia arranjar problemas à Europa.

Soares também era (é) a favor.
Imagem de perfil

De Alexandra Carreira a 18.05.2009 às 18:06

Excelente, Luís. Também sou a favor da adesão da Turquia. Mas acreditas mesmo que a Turquia poderá vir a integrar a UE?
Cada vez mais creio que esse será um passo extremamente difícil, por tudo o que se ouve, aliás.
Até há pouco tempo achava que as dificuldades correspondiam às posições pessoais de quem ocupava o poder nos grandes países. Agora já não estou tão certa disso, até porque me parece que, no geral, haver muito pouca vontade de fazer o processo andar para frente. Ou seja, não me parece que fazer o Sr. Sarkozy desaparecer do mapa vá resolver alguma coisa no que toca à adesão de Ancara.
Abraço
Imagem de perfil

De Luís Naves a 18.05.2009 às 18:29

Será muito difícil, concordo. Mas também não me parece que alguém tenha coragem política para parar o processo e arcar com as consequências, portanto ele continuará até ser inevitável. Como é que se diz aos turcos 'vocês não podem entrar'? E sem esse incentivo para fazer reformas, o que aconteceria a esse país? Logo, acho mais provável que haja um processo de aproximação gradual e lento. Se não descarrilar por culpa dos turcos, esse processo poderá ser concluído em dez anos.
Imagem de perfil

De Alexandra Carreira a 19.05.2009 às 09:10

Talvez, Luís. Mas não deixo de me espantar por não haver prurido nenhum (ou diplomacia) quando há líderes europeus a multiplicar declarações em desfavor da entrada da Turquia quando, por outro lado, se procura o acordo de Ancara para um projecto que pode ajudar a reduzir a dependência energética europeia face à Rússia...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Zé dos Grelos

    Não existe nenhuma pandemia, trata-se apenas de sa...

  • Anónimo

    os enormes holofotes sobre uma infeção que pode vi...

  • Anónimo

    A OMS não aconselhou o fecho de fronteiras no iníc...

  • Anónimo

    O autor do texto enxerga fora da caixinha. Parabén...

  • Anónimo

    para escapar ao golpe militar do familiardesfrizou...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D