Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Europa (1)

por João Villalobos, em 13.04.09

 

É meia noite e meia em Bruxelas. No momento em que escrevo diria que 14 bloguers dormem há muito o sono dos justos aqui no hotel Bloom! enquanto outros três se preparam para fazê-lo. Ajuizados são, todos eles e elas.

Quanto a mim, estou ainda digerir o tártaro de atum, o qualquer coisa em francês de bacalhau e uma Dame Blanche soberbos deglutidos no restaurante Vert de Gris, cuja sala de cima com os seus reluzentes lustres e candelabros de velas acesas foi  escolhida pelo eurodeputado Carlos Coelho para o jantar de introdução a um programa que, amanhã e depois, nos levará aos 18 (tendo o João Espinho ficado infelizmente pelo Alentejo por razões pessoais) a contactar com representantes vários do PE e da Comissão, tendo como cicerone o dinâmico Duarte Marques.

A ideia é que os convidados (nós) contribuam para o debate sobre as eleições europeias e, em especial, para a diminuição da taxa de abstenção no acto eleitoral, sem privilegiar este ou aquele. De acordo com os nossos anfitriões, a intenção é ajudarmos a contrariar a tendência de menosprezo dos portugueses pelas eleições ao Parlamento Europeu, a qual se tem acentuado nos últimos anos. 

Com sinceridade duvido que consiga conduzir alguém a uma urna, excepto aquando da cremação de algum parente. Mas estou rodeado de verdadeiros líderes de opinião certamente capazes de responder ao desafio. E é por isso, recorrendo a uma pachorra de canonizado igual à de um Pedro Correia ou de um Tiago M. Ramalho, que passo a elencá-los. São eles o André Abrantes Amaral, a Bárbara Baldaia, o Rui Castro, a Ana Margarida Craveiro, o João Gonçalves, a Isabel Goulão, o Nuno Gouveia, o Pedro Lomba, o Paulo Marcelo, a Maria João Marques, o Pedro Morgado, o Manuel Pinheiro, a Carla Hilário Quevedo, o Gabriel Silva, o João Távora, o Leonel Vicente e o Bruno Vieira Amaral . Feita a lista e tendo em conta - depois das horas dedicadas aos links acima - que já é uma e tantas da madrugada aqui em Bruxelas e que amanhã a malta se levanta com os galináceos para um encontro com o inglês Graham Watson, presidente do Grupo Liberal, vou recolher-me aos imaculados lençóis do Bloom!  



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Nós por cá... a 14.04.2009 às 08:29

A ajuizar por metade dos nomes escolhidos e fácil concluir que um grupo de amigos de alguém com lugar no P.E. foi convidado para umas mini-férias em Bruxelas e a deglutir uns tártaros de atum, uns qualquer coisa em francês de bacalhau e umas Dame Blanche soberbas entre uns reluzentes lustres e candelabros de velas acesas.

Viver não custa, o que custa é saber viver, portanto.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.04.2009 às 09:35

Nunca tão poucos viveram tão bem à custa de tantos!
Imagem de perfil

De Miguel Noronha a 14.04.2009 às 09:35

Como não podia deixar de ser, já cá faltava o comentário invejoso.
Sem imagem de perfil

De Margarida a 14.04.2009 às 11:05

Ó João, nem de propósito! Ainda ontem, pela hora em que escrevia isto, pensava eu como me faltavam as deliciosas crónicas do croquete... (Juro!!!)
Suponho que a veia poética, nestes eventos, não tenha cabimento, não é?
É que dessa ainda sinto mais falta...
Imagem de perfil

De João Villalobos a 15.04.2009 às 00:13

Muito obrigado Margarida :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.04.2009 às 17:30

E a criada do menino Villalobos não foi convidada, como merece uma dedicada e boa serviçal?
Sem imagem de perfil

De ana avilez a 14.04.2009 às 20:51

ja ca faltava a invejazinha nacional

O indício mais seguro de se ter nascido com grandes qualidades é ter nascido sem inveja.
( Frases e Pensamentos de LA ROCHEFOUCAULD)
Sem imagem de perfil

De mário cordeiro a 14.04.2009 às 21:00

A propósito da inveja, fica aqui um extracto da entrevista de José Gil á Revista PÚBLICA de 16/1/2005, com o título, “Vivemos Paralisados pela Inveja “

Uma sanção terrível. É o mecanismo da inveja.
P. — Não agimos, mas também não deixamos ninguém agir. Como funciona esse mecanismo?
R. — O mecanismo da inveja tem a ver com práticas da magia, o "mau olhado", o "quebranto", e também com o que em psiquiatria se chama "transferência psicótica", ou seja, o que passa de uma pessoa para outra e não é verbal. Imagine que você chega ao pé dos seus colegas e diz: "Fiz uma reportagem extraordinária!" E não está a falar por vaidade, mas objectivamente. Mas logo o tipo que está a seu lado diz: "Ai sim? Pois muito bem." E com este tom introduz em si um afecto inconsciente que o vai paralisar.
P. — É um mecanismo semelhante ao do ostracismo?
R. — Exactamente. Cria-se um ambiente que é hostil à iniciativa e que tem um efeito sobre a própria vontade de querer fazer. Isto é generalizado em Portugal. A inveja é mais do que um sentimento. É um sistema. E não é apenas individual: criam-se grupos de inveja. Várias pessoas manifestam-se simultaneamente contra a sua iniciativa. Cria-se um ambiente de inveja. Um grupo determinado age segundo os regulamentos da inveja.
P. — É uma atitude concertada ou inconsciente?
R. — Pode ser concertada ou inconsciente, mas funciona. Não se permite que numa empresa, num escritório, ninguém ultrapasse a linha da média baixa. Vivemos reconhecendo-nos como irmãos na desgraça.
P. — Mas por que se faz isso? Não seria do interesse de todos encorajar cada um a fazer melhor?
R. — Sim, mas há um efeito de espelhos. Se você faz alguma coisa de forte, isso deveria ser um estímulo para mim, para fazer algo também forte. Mas não. Vê-lo forte diminui-me a mim. Vê-lo com intensidade, com iniciativa, faz-me pensar, por causa da imagem que tenho de mim, na minha pobre condição, em que não faço nada. E faço tudo para destruir a sua iniciativa, para que eu possa viver. Você sufoca-me com a sua energia. Terrível isto. Uma pessoa sufoca a outra com a sua energia. E o resultado é que estamos todos sem energia.
P. — Mas para que essa acção da inveja tenha efeito não é necessário que a "vítima" esteja vulnerável?
R. — Precisamente. Um etnólogo pôs-me essa questão. Disse: só se é afectado pela inveja quando se quer, quando se está num estado determinado. Eu respondo: sim, em quem tem a pele grossa não entra nada. São as pessoas porosas que são fragéis. E isso é típico de Portugal. Os portugueses são sensíveis, porque não são maduros. Isso poderia ser maravilhoso. Somos pessoas de pequenas percepções, de intuições imediatas, e por isso sentimos quando alguém está a torcer para que não avancemos. Faz curto-circuito, fecha o espaço das possibilidades. É um sistema.
P. — Uma espécie de acordo tácito para que ninguém aja, ninguém ameace, e possamos viver em paz.
R. — Precisamente. Para que possamos viver em paz. Porque temos medo do conflito.
P. — Daí os "brandos costumes"?
R. — Recusamos o conflito a céu aberto, mas temos uma violência incrível na nossa sociedade. Violência doméstica em relação às crianças. Os brandos costumes escondem uma violência subterrânea enorme.
Sem imagem de perfil

De JMartins a 15.04.2009 às 12:16

Só quero saber se sou eu, europeu, que também pago a vossa viagem e estadia.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2007
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2006
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D