Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O pior cego é aquele que não quer ver

por Duarte Calvão, em 29.07.07
Confirmando-se que só Mendes e Menezes se candidatam à liderança do meu partido, é mais do que provável que não vote em nenhum. Depois da eleição, vou esperar mais um pouco para saber o que o líder eleito tem para dizer e ver que pessoas o acompanham. Mas não acredito que haja alguma coisa que me surpreenda positivamente. Talvez espere por Rui Rio, ou alguém dessa categoria, para 2009. Talvez não. Talvez ache que o PSD já não tem salvação, com o vazio de poder causado pela elite do partido, paralisada em tacticismos e comodismos. Um vazio de poder ocupado por um tipo de gente do aparelho de que só quero distância.
Mesmo que Mendes ou Menezes viessem a ganhar em 2009, que tipo de gente levariam para o governo? Acham que essa gente do aparelho não cobra a factura quando chega a hora? Acham que podem aliar-se a eles sem perder a alma? Se pensam assim, não aprenderam nada com o que se passou em Lisboa, e não vale a pena apostar em ingénuos ou cínicos.
Perante este cenário, fico pasmado em ver como a ideia de um novo partido no espaço não-socialista é condenada logo à partida. Quem faz comparações com o PRD ou a Nova Democracia não percebe nada do que se está a passar nesse espaço. É claro que um novo partido nunca poderia ser unipessoal, servindo apenas às ambições políticas de um líder incontestado. Nem Santana Lopes, nem Portas, ganhariam nada se apostassem num partido assim. Mas porque não um novo partido formado por gente que já não aguenta o aparelhismo que tomou conta do PSD, que fizesse uma clara ruptura com as más práticas e os programas indistintos que vigoram na chamada "direita"? Com gente de valor que está congelada nos partidos de "direita"? Estamos condenados a um eterno sistema partidário que, como se viu nas eleições de Lisboa, já pouco ou nada diz a muitos eleitores?
Pacheco Pereira, por quem tenho uma enorme admiração, espanta-me agora. Depois de ter descrito magistralmente o estado a que o PSD chegou, é o primeiro a dizer que não há espaço para um novo partido. Ele e outros por quem tenho apreço que digam onde pode haver esperança de uma regeneração do PSD e prometo que vou ouvi-los com toda a atenção. Não gostaria de deixar o partido de que sou militante. Mas, para já, parece-me melhor começar a pensar em alternativas. Ou então desistir de vez.

Autoria e outros dados (tags, etc)



9 comentários

Sem imagem de perfil

De Virgilio a 31.07.2007 às 11:11

Caro senhor anónimo, gostei de o ter irritado! De facto já ouvi falar de alguns desses dias. Confesso-lhe que no alto do meu sofá não me mexo para fazer uma revolução, mas também não fico à espera dela. A minha revolução é económica e eu vou para onde ela estiver. Ou seja, estou-me nas tintas para os políticos, revolucionários, conservadores, militares do exército e da força aérea.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.07.2007 às 16:19

A verdade é que o PSD não tem ninguém credível - estoirou. Todos os presidenciáveis ou fugiram ou se estatelaram em incompetência e patifaria. Uma vergonha. E nunca tiveram capacidade de dar um rumo ao País porque no fundo é um grupo de interesses cujo único objectivo é safar-se a si próprio.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.07.2007 às 14:43

A lista aqui ao lado dos putativos futuros líderes do PSD só deixa adivinhar desgraças.

José Pedro Aguiar Branco não tem obviamente curriculum. É um desconhecido para a grande maioria da população.

Luís Marques Mendes tem feito uma oposição muito mais inofensiva do que se esperaria de quem dava a táctica no tempo de Durão. Já não se vislumbra que possa dar a volta à situação.

Manuela Ferreira Leite já não está para isso, e faz muito bem.

Nuno Morais Sarmento não deixou grande imagem e «passa» relativamente mal nos media e como orador, mas para quem está de fora (como eu) parece o menos mau e alguém que pensa e mede o que faz.

Luís Filipe Menezes é um troca-tintas, que diz o que lhe vem à cabeça em cada momento, sem nenhum perfil de estadista.

Pedro Santana Lopes devia desaparecer da cena política, tal a imagem que deixou e, mais uma vez, é alguém sem nenhum sentido de Estado. Barroso acertou na mouche quando o qualificou como um misto de Zandinga e Gabriel Alves.

Rui Rio parece-me sério e honesto, mas incompatibiliza-se com toda a gente e é demasiado obstinado e teimoso.

António Borges daria um ministro das finanças ou algo do género, mas nunca um líder para o PSD. Imaginá-lo em campanha a distribuir beijinhos pelas velhinhas e pelas criancinhas é completamente impossível.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.07.2007 às 11:09

Mas qual é a novidade ideológica da Direita portuguesa que requer um novo partido? Se apenas precisam de uma nova organização não é preciso um novo partido: antes, é preciso reformar os partidos que ocupam já o seu espaço teórico - para quê mais partidos?

Eu nem sequer sou de "direita" mas honestamente acho mais partidos um absurdo
Sem imagem de perfil

De batuta a 30.07.2007 às 02:20

Também penso que, nos próximos dois anos, teremos que começar a construir uma ideia de um novo partido.
Estou convencido que o péssimo resultado de 2009 o fará emergir, "rapidamente e em força", se fôr muito bem pensado durante os dois próximos anos.
Temo, porém, que as pessoas com credibilidade e talento político estejam cansadas do regime.
Esse parece-me o grande entrave à grande varridela que a área do PSD necessita. Porque o PSD, o próprio, já não vai lá.
Sem imagem de perfil

De Manuel da Mata a 30.07.2007 às 00:26

Caro Senhor,

O PPD-PSD não tem salvação possível. Nenhuma regeneração trará os dias de glória e as revoluções estão pela hora da morte.
E para falar com toda a franqueza, O PPD-PSD já fez demasiado mal a Portugal. E um partido de patuscos e pançudos.

Mais, habituado à manjedoura do OE e das empresas, públicas e privadas, não terá nem merece ter uma ressurreição.

Respeito e compreendo a sua opinião.

Boa noite.

M da M
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.07.2007 às 23:05

Caro Duarte Calvão,
tem mais paciência do que eu, não irei esperar por Rui Rio. Se após o acto eleitoral tudo continuar como até aqui só me resta uma solução, entregar o cartão de militante (como fiz em 1992).
Tal como Marcelo Rebelo de Sousa, Pacheco Pereira está a precisar dum valente susto.
Cumprimentos, JP
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.07.2007 às 22:58

O Sr. Comentador Virgilio parece desconhecer que todas as revoluções desencadeadas em Periodo Republicano - 5 de Outubro, 28 de Maio e 25 de Abril - foram executadas pelo Exercito e que o mesmo já deixou de trabalhar com esse departamento.

Se querem realmente uma revolução porque é não deixam de esperar por ela no sofá e simplesmente façam-na?

O demais será apenas material para a Sociedade Cultural e Recreativa dos Velhos do Restelo...
Sem imagem de perfil

De Virgilio a 29.07.2007 às 21:27

Caro Senhor,

Já pensou deixar de reclamar e agir? O seu partido é gerido pelos fuínhas... é verdade. O PS é gerido por uma máquina idêntica. Eu nunca votaria PS, mas já votei PSD num passado distante. Em si ou em alguém com frontalidade voltaria a votar. No quadro que temos não voto... prefiro esperar por uma sanguinária revolução que elimine esta doente república.

PS. Não, não sou monárquico nem anarquista.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Todos devem ir votar , não no PS e esquerdas. Port...

  • Anónimo

    E a malta bovina a deixar se ir docemente para o p...

  • António

    Portugal está cheio de Salazarinhos.

  • Anónimo

    Presumo que a medida não se aplica aos bovinos mac...

  • Anónimo

    ..." Mas não nos acontece, tal como o filho mais v...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D