Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O PSD a(o) frio

por João Villalobos, em 22.01.09

Depreendo, depois de ler este post da Joana, que a autora de Hole Horror embarca no discurso de José Pacheco Pereira, o qual sempre considerou as empresas de consultadoria em comunicação como anátema. Vamos pois por partes e em resposta à Joana:

1. Ignoro se Pedro Passos Coelho contratou ou não uma empresa do sector. Se o fez e soube escolhê-la, está de parabéns. Só pode ter a ganhar na profissionalização e eficácia da sua comunicação. 

2. Quando escrevi que PPC, ao contrário de MFL, desenvolve uma estratégia coerente de marketing político fi-lo porque, ao contrário de JPP, olho para a visibilidade alcançada na comunicação social com a frieza analítica de quem, despido de subjectividades, reconhece os resultados alcançados: Protagonismo, diferenciação, imagem de vitalidade e de «futuro», com racionalidade nos discursos e sem excessiva emotividade nas reacções.

3. Ao contrário do que diz a Joana, mas isso é algo que admito não seja a percepção geral existente, as empresas de comunicação não «ofuscam a mensagem política». Se o fazem, trabalham mal. Pelo contrário, elas devem realçar a mensagem e saber jogar com a tendência mediática para o soundbyte e a simplificação, lidando correctamente com os temas em agenda  mas sem esquecer o objectivo a alcançar a médio ou longo prazo. Neste caso, suponho que a médio prazo seja para PPC a liderança do PSD e,  a longo, a liderança do Governo.

4. Resumindo, é muito, mas muito redutor da actividade dos jornalistas e da dos consultores a maniqueísta visão reflectida pela Joana. Ela replica o discurso de pessoas como Pacheco Pereira, que preferiam que a actividade fosse desempenhada por pessoas como ele e não por aqueles que muitos apelidam de «mercenários». Ora trabalhar profissionalmente e bem com quem nos paga é suposto ser a missão de cada um, independentemente da sua profissão. Um consultor não veste camisolas, motiva outros a vesti-las. Já Pacheco Pereira, por outro lado, não só veste excessivamente a sua, como consegue colocar muita gente em tronco nu. O que, com este frio, não dá lá muito jeito. Com tanta constipação, o PSD ainda se arrisca a uma pneumonia.

 



13 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 22.01.2009 às 10:58

Ó patraozinho, veja lá se a andar assim despido ainda se constipa.
Sem imagem de perfil

De Al Jarreta a 22.01.2009 às 11:13

Cheio de coveiros anda o PSD: ele é a Manuela Coveira Leite, o Luis Coveiro Menezes, o Pedro Coveiro Lopes, o José Coveiro Barroso...

Aquilo nem sem consultores nem com eles.
Sem imagem de perfil

De Francisco a 22.01.2009 às 11:32

"elas devem realçar a mensagem e saber jogar com a tendência mediática para o soundbyte e a simplificação": ou seja, devem jogar com a ignorância | incompetência | preguiça | limitações | simpatias dos jornalistas... É isso?
Imagem de perfil

De João Villalobos a 22.01.2009 às 11:44

Não, não é isso. O tema dava todo um outro post, mas trata-se de entender que o processo de produção de notícias e a estrutura organizativa dos órgãos de comunicação social tem, hoje, toda uma lógica que é necessário entender e com a qual é preciso saber lidar.
Sem imagem de perfil

De David a 22.01.2009 às 11:34

O que se passa é que os consultores de comunicação que temos (veja-se o blogue do Luis Paixão Martins a título de exemplo, ou recordem-se as palavras do fabuloso Cunha Vaz) são, ou querem ser, na verdade actores politicos. Fazem a mensagem e disfarçam-na de notícia. E alguns jornalistas, por incompetência, por ausência de sentido critico ou por conivência com os agentes politicos e suas "agências de comunicação" são a caixa de ressonância fácil e simples desses especialistas da "comunicação".

É isto que se deve ter presente ao analisar a questão.

Que Pedro Passos Coelho recorre a esses serviços é ponto assente. E que é livre do o fazer, é igualmente ponto assente.

Já não é ponto assente que jornalistas que se apresentam como tal se limitem a absorver o produto que as agências de comunicação lhes colocam à frente e a colocá-lo como notícia nos jornais.

Finalmente, mas isso já é outra questão, pergunto-me por quanto tempo se conseguirá vender o vazio, por melhor agência de comunicação, estratégia comunicacional e jornalistas amigos que se tenha.

David D.P.
Imagem de perfil

De João Villalobos a 22.01.2009 às 11:49

O David parece o Francisco e ambos parecem o Pacheco Pereira. Mas enfim...Não me parece ponto assnte que Passos Coelho recorra a uma empresa de comunicação, não sou Passos Coelhista mas estou de longe de considerá-lo «vazio» e não vou falar da concorrência.
Finalmente, essa história dos jornalistas como «caixa de ressonância» é muito útil para quem, repito, não consegue ele mesmo veicular com eficácia as suas mensagens e conteúdos.
Sem imagem de perfil

De Francisco a 22.01.2009 às 19:14

Por que será que no Corta-fitas todos quantos discordam dos V. escritos são o Pacheco Pereira?...
O problema, parece-me, tem a ver com um círculo vicioso (que alguém habilmente desenhou... e ninguém quer interromper): quem recorre a agências de comunicação (ou pelo menos às suas técnicas) consegue 'fazer passar a mensagem' mesmo que não diga nada de novo ou com consistência; quem não recorre, não consegue, mesmo que tenha consistência ou diga coisas novas! Neste caso, PPC (como o PM e o Governo) usa as técnicas e faz passar a mensagem; MFL não usa e...
Fazendo aqui um 'dois em um', atrevo-me a responder à resposta ao meu comentário acima: diz o João Villalobos que "o processo de produção de notícias e a estrutura organizativa dos órgãos de comunicação social tem, hoje, toda uma lógica que é necessário entender e com a qual é preciso saber lidar": é verdade, concordo absolutamente que há uma 'lógica' subjacente a tudo o que se lê e ouve. O problema é que só quem está por dentro a entende; como os destinatários (leitores/ouvintes) dos OCS não entendem, não ouvem nem lêem.
A consequência (que os profissionais do meio teimam em não ver) é a diminuição da circulação dos jornais (mais uns que outros). Será que os processos de despedimento anunciados ou de que se fala no meio não vos dizem nada?
Permita-me que lhe diga que aquela sua afirmação é a prova de que efectivamente boa parte dos OCS funciona em (e para) circuito fechado: escrevem/falam uns para os outros e para as 'fontes'; acontece que uns, outros e as 'fontes' não asseguram a viabilidade das empresas! A ver vamos o que dará o 'caso Sol'...
Sem imagem de perfil

De rxc a 22.01.2009 às 11:38

Smoke and mirrors, meu caro, nada mais. Se há ideias precisas e válidas, não é preciso andar sempre a fazer o "spin" da coisa nem botar meia dúzia de sound-bytes sem conteúdo todas as semanas. Uma poia com um laço por cima continua a ser uma poia. Ou então assumimos que o que interessa é obter o voto do incauto cidadão, custe o que custar, com uma mão-cheia de ilusões e castelos no ar.
Eu pessoalmente prefiro a verdade acima de qualquer ilusão ou artifício comunicativo. Mas vejo que muitos gostam é de espectáculo, quiçá por não compreendem a substância.
Sem imagem de perfil

De Xarope a 22.01.2009 às 11:42

Não é por nada, mas parece-me que se o PSD contratasse alguma agência de comunicação (ou lá o que é) a primeira coisa que esta lhes teria de aconselhar era a mudança de líder.

Isto se fossem minimamente competentes, claro.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.01.2009 às 11:46

Curiosamente, o título do post não é sob comunicação mas sim sobre o PSD....
Sem imagem de perfil

De David a 22.01.2009 às 12:01

Não sou o Pacheco Pereira, mas isso (ser ou não ser Pacheco Pereira) afecta em alguma coisa a validade das minhas afirmações? E como afecta?
Imagem de perfil

De João Villalobos a 22.01.2009 às 12:10

Se fosse o Pacheco Pereira, isso ia afectá-lo bastante, acredite. Quanto às suas afirmações, são tão válidas quanto as dele, no meu entender.
Sem imagem de perfil

De Anónimo Veneziano a 22.01.2009 às 12:19

Gostemos ou não do Pacheco, a verdade é que o que ele quiz dizer - num português atabalhoado, reconheça-se - é que a informação pode ser sempre manipulada. E será tão melhor manipulada quanto menos o pareça. Manipular é como usar uma arma muito subtil. Por mais certeira que seja, não tem influência alguma nas intenções de quem a usa. Não conheço o FAL, senão dos seus escritos que são de indiscutível qualidade. Mas estes, para quem está de fora, denotam efectivamente um certo "parti-pris" que aliás, nada me incomoda.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    O socialismo estagnou e empobreceu o país."O tal c...

  • Anónimo

    Não há desculpa para se continuar a votar mal. Há ...

  • Anónimo

    "em plena pandemia, o governo PS decidiu injectar...

  • Anónimo

    TAP: Um Caso Crónico do Socialismo Português (http...

  • Anónimo

    vdb, os pobres de espírito também têm lugar no céu...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D